quinta-feira, 31 de maio de 2012

A Parábola das dez virgens (Mt. 25.1-13):



                                                                                       
Introdução:

A Parábola das Dez virgens mostra a necessidade de estarmos preparados, para a vinda eminente de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, todos os cristãos devem estar preparados, cheios do Espírito Santo, para aquele grande dia, afim de não serem envergonhados ficando do lado de fora.
Esta parábola também serviu para jogar por terra, o ensino errôneo dos escribas que afirmavam que o messias primeiro abateria o poderio gentílico mundial e depois estabeleceria o Reino teocrático. (At. 1.6-8).


   I – Entendendo a Parábola:

    1. O contexto em que estar inserido:

Jesus pronunciou esta parábola, quando ensinava a respeito de sua vinda no sermão profético. Ele usa como ilustração uma cena de casamento conforme os costume orientais.
A noiva lindamente vestida acompanhada de dez virgens aguardava na casa dos pais a vinda do noivo, todas as virgens conduziam lâmpadas acesas com azeite e uma reserva de azeite para o improviso, porque as festas se realizavam geralmente à noite, a distancia entre a casa dos noivos poderiam ser grande e a festa poderia durar vários dias de acordo com as condições financeiras de cada noivo, por isso quem não tivesse lâmpadas não era convidado para as bodas.
O noivo chegava com os amigos e uma pessoa preparada o anunciava e os dois cortejos seguiam juntos para o local das bodas, onde uma vez tendo entrado os convidados à porta era fechada e ninguém podia mais entra na festa.

     2. Os principais elementos da parábola:

·        As dez virgens – representa os dois tipos de cristãos; (os que estão preparados e os que não estão preparados).
·        As lâmpadas com azeite – representa a vida de prudência e fidelidade, cheia do Espírito Santo.
·        O noivo – representa a Cristo.
·        As bodas do casamento – reapresenta as bodas do Cordeiro.

3. Verdade principal:

A parábola ensina a vigilância espiritual e santidade contínua ante a vinda do Senhor  como bem mostra a sua conclusão (v.13).
         
        II – Debate teológico: 
    
       1. A que se refere o azeite na reserva? (vs. 3,4)

O azeite através da Bíblia é símbolo do Espírito Santo, na sua missão de ungir, iluminar, purificar, separar, etc. Nesta parábola especificamente representa a presença permanente do Espírito Santo, aliada a Fé verdadeira e a santidade; não têm qualquer fundamento Bíblico de que as virgens loucas representam os crentes sem o batismo com o Espírito Santo ou sem poder.
Ser cheio da unção do Espírito, é muito mais do que do que falar em línguas estranhas ou manifestação de poder; é ser cheio do fruto do Espírito (Mt. 7.16-20; 12.33; Gl. 5.22; Ef. 4.32).

         2. Esta parábola se refere ao período da Grande Tribulação? (vs. 5-7)

Note-se que tanto as virgens loucas como as prudentes foram surpreendidas com a vinda inesperada do noivo, isso indica que a parábola das dez virgens se referem aos crentes vivos antes da Grande Tribulação e não aqueles durante a Tribulação que terão sinais específicos da vinda do Senhor em Glória (Ap. 19. 11-21; Mt. 25. 31-46).

         3. O sono das virgens: (v. 5)

O “sono” nesta parábola não significa esfriamento espiritual, porque se fosse isso as dez virgens estavam frias espiritualmente, visto que todas elas dormiram tanto as prudentes como as loucas.
No contesto da parábola a falta delas não foram terem dormido e sim não terem azeite para guardar o noivo com as lâmpadas acesas.
O sono na parábola significa o período em que as pessoas não vão estar esperando pela volta de Cristo (v.13; Lc.17.26-29; 21.34-36; Mc. 13.33,35)

       III – Algumas Lições que podemos tirar dessa parábola:

1.     A semelhança entre as virgens (v.1).

Todas elas pareciam idênticas: todas eram virgens, todas faziam parte do cortejo nupcial; todas estavam igualmente vestidas e tinham lâmpadas, todas estavam esperando o noivo para as bodas. O incidente ocorreu no momento do brado (v.6), em  que foi revelado quem estava preparada ou não (vs. 2,3; Mt.24. 40-42).
·        Muitas pessoas serão surpreendidas naquele dia, vai ser no arrebatamento da igreja que nós veremos quem realmente está preparado ou não; os que estiverem preparados irão para o céu, os outros ficarão de fora.
·        Obs. Amados irmãos, não nos enganemos, o arrebatamento será sem misericórdia, o período de graça de misericórdia é agora, o arrebatamento é a consumação dessa graça, quem estiver na lista (o livro da vida) será levado e os que não tiverem serão deixados.

2.     A demora do noivo

A demora do noivo serviu para distinguir as virgens (v.5).

A demora de Jesus tem três grandes motivos:

·        Distinguir os crentes preparados,dos que não estão preparados, dos sábios dos tolos, dos prudentes e dos insensatos.(vs.5-8)

·        Para que a humanidade se afunde cada vez mais nas suas iniqüidades (1Tm. 3.13; Ap. 22.11)

·        E para que todos cheguem ao arrependimento (2Pe. 3.9). Por isso o cristão deve estar sempre dando glórias a Deus, devemos glorificá-lo porque Jesus está voltando, mas devemos glorificá-lo por que Ele não voltou ainda. Já pensou se Jesus tivesse voltado três dias antes da nossa conversão? Aonde e como estaríamos?

 
3.       O clamor da meia noite (v.6).

A meia-noite significa a consumação de um dia, é a hora do selênico, é a hora em que a maioria dormem um profundo sono, no caso da parábola é usada como  a hora em que todas estavam dormindo e foi a hora da chegada do noivo.
·                    Isso aponta para o inesperado momento para a volta de Cristo, para o começo de um novo dia (tempo), para os salvos, que será precedida por um clamor (v.6): grito brado sobrenatural nas alturas (1Co. 15.51,52; 1Ts. 4.16-17).

4.       A culpa pelo fracasso: (vs.5-10)

4.1.  Para as virgens loucas elas não seguiram o cortejo nupcial porque:
·        As lâmpadas foram à  causa do problema “as nossas lâmpadas se apagam” (v.8).
·        O esposo demorou a vir (v.5).
·        As prudentes não quiseram lhe dar um pouco de azeite (vs.8.9).
·        O esposo passou muito rápido, não esperaram elas comprarem mais azeite (v.10).

Mas uma vez vemos Jesus citar em suas parábolas que o ser humano continua fazendo o mesmo, culpando os outros pelos seus fracassos, mas o que não se queixa o homem a não ser dos seus próprios pecados (Lm. 3.39).

5.        O fechamento da porta: (v.10c)

A porta fechada aqui nesta parábola não serve só para citar que os que estão de fora não podem entra, mas para mencionar que os que foram levados pelo noivo e entraram para as bodas não tem mais como sair (perder a salvação).
    
6.       O clamor sem resposta: (v.11)

Muitos que não estiverem preparados clamaram, choraram amargamente por não terem sido arrebatados, encheram as igrejas ou qualquer outro lugar que supostamente acharem que poderão alcançar resposta, mas não serão ouvidos. É TARDE DE MAIS.
Por isso o Senhor nos adverte “vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o filho do homem há de vir” (v.13).


Conclusão:

Se o Noivo celestial voltar agora,? Você está do lado de dentro ou do lado de fora? Não há meio termo, a nossa preparação para a volta de Cristo deve ser agora, o crente deve estar constantemente examinado a sua vida espiritual, tendo em vista a vinda de cristo em um tempo desconhecido e inesperado, para que possa ser achado digno de ser levado pelo Senhor.


                                                                                            

Prof. Luiz Carlos S. Soares.

______________________________________________________________

http://centralizadosemcristo.blogspot.com.br/p/contribua.html


 




     



        

Ezequiel No vale de Ossos Secos

segunda-feira, 28 de maio de 2012

A origem do mal:



Introdução:

Estamos sempre fazendo e nos perguntando, como surgiu ou qual é a origem do Pecado? Se Deus criou todas as coisas teria Ele também criado o Pecado, criado o mal? Se Deus sabia que o homem iria cair Por que então o criou assim mesmo e por que o deixou cair, Quem criou o mal ou qual a sua origem? Essas são algumas das indagações que fazemos a nós mesmo, e não temos respostas.

   1. Considerações sobre o pecado:

1.1.       O que é o pecado?
O pecado é Transgressão, rejeição, desobediência, incredulidade etc. O pecado é a ação deliberada e consciente da criatura contra a lei de Deus, contra o seu Criador e a sua natureza, pecado é a perca do alvo, é a separação contra Deus é a alienação da humanidade decaída a Deus.

1.2.      O que é iniquidade?
Os termos iniquidade e pecado são sinônimos, não há diferença na terminologia desses dois termos, porém esse termo mais tarde passou a  ser definido pela igreja como o pecado cometido pelo crente (1 jo 1.7; 5. 17; Sl 103.3a) É por isso que o apostolo João diz que aqueles que são nascidos de Deus não peca ou seja não vivem mais na pratica do pecado ( 1Jo 3.4)
Porque ele mesmo tinha dito antes que é impossível que o homem não peque, ou seja, cometa iniquidade mais que o sangue de Jesus Cristo nos purifica de todo pecado (1 Jo 1.7). E não só ele, o Salmista diz que se o Senhor não nos tratasse segundo as nossas iniquidades ( falhas, faltas e pecados involuntários que cometemos), porque se isso acontecesse a muito tempo nós já teríamos sidos consumidor ( Sl 103. 10, 13, 14; Sl 130-3). Já parou pra imaginar se o Senhor derramasse juízo todas as vezes que nós erramos, seríamos sucumbidos como Sodoma, seriamos semelhantes à Gomorra.

Obs. Não estou com isso querendo dizer que o Senhor compactua com os nossos pecados, em hipótese alguma Ele faz isso; e esse provavelmente foi o erro da Igreja na época do apóstolo João, que começaram a usar o termo iniquidade como algo menor que pecado, foi por isso que Ele teve que afirmar para Igreja na época que “Iniquidade É Pecado”. Por outro lado havia na igreja aqueles que achavam o seguinte “se pecou esta morto já era”, e ainda tinha aqueles que se diziam sem pecado, “eu não peco”. O Apóstolo com a sabedoria que lhe foi dada resolveu essa questão, na carta que escreveu.

   1.3 Definições sobre o pecado:

Uma coisa que devemos considerar sobre o pecado é que ele pode ser tanto coletivo como individual, é o que, se define como pecado universal ou pecado original, que é um estado de separação em a humanidade se encontra em relação a Deus.

Definições Simples sobre o pecado:

A. O pecado é transgressão contra Deus (Hb 2.2. Rm 2. 23)
B. O pecado é desamor, impiedade falta de devoção (Rm 1.18; Tt. 2. 14)
C. O pecado é: Desobediência, rebeldia contra de Deus
(Rm 5. 19; Hb 2.2)
D. O pecado é injustiça, iniquidade, desordem (Rm 2.8; 1Jo 5.17, Rm 1.18)

1.4. Todo pecado é antes de tudo contra Deus:
Se avaliarmos as definições sobre o pecado, ainda que uma pessoa erre, peque contra a seu próximo. Todo pecado é primeiramente contra Deus e também contra o próximo ou contra a se mesmo.

Obs. Outra coisa que o apóstolo João deixou claro em sua carta, é essa relação direta do pecado contra o homem e do pecado contra Deus, nos dando a entender que todo pecado contra o próximo e desamor contra Deus. Em outras palavras ele diz o seguinte: Se você ama a Deus e o conhece não deve aborrecer o seu irmão, se você faz isso é por que não o conhece e não o ama; em cada capítulo de sua carta ele aborda isso.
Geralmente quando erramos infligirmos os dois principais mandamentos: Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a se mesmo. Vejamos em alguns casos em que esta duas situações são claras

A.    O caso de Paulo:
O mesmo pensava que perseguia homens e mulheres que faziam parte de uma seita anticristã (A seita dos nazarenos), mais quando ele estava indo a caminho de Damasco Jesus lhe disse no momento da sua conversão que era a Ele quem Paulo perseguia (At. 9:4)

B.   O caso do filho pródigo:
Que no momento que se arrependeu de todo mal que tinha feito,  quando foi pedir perdão ao seu pai, disse-lhe que tinha pecado contra os céus e contra ele. (Lc 15.18-21).

C.    O caso do Povo de Isabel:
Que quando se arrependeram do mau que tinham feito a Moises se rebelando contra ele, confirmaram que tinham pecado contra ele mais primeiramente contra Deus (Nm 21.7)

D.   O fato que ocorrerá no dia do Senhor.
Quando Jesus vier em Glória no final da Grande Tribulação, e todos os santos e Anjos com Ele; Se assentará no Trono da sua Glória  para julgar as nações Ele lançara fora aqueles que não ajudaram os pequeninos, e dirá  que foi contra Ele que aqueles homens fizeram aquilo. (Mt 25:32-46)

2.  Qual a origem do pecado.

2.1. O pecado pode ter tido a sua origem em Deus?
 O pecado não teve a sua origem em Deus porque o Senhor é perfeito, sendo impossível que ele peque, ou faça alguém pecar (1 Pe 1.16; 1 Jo 1.5), pense sempre isso.
Deus não colocou a arvore da ciência do bem e do mal pra tentar o homem ou para que ele caísse, porque Deus não pode ser tentado pelo mal e a ninguém tenta. (Tg 1.13)
Deus é santo e olha o pecado com ira e justiça. (Rm 1.18, Hb 10.31; 12.29).

2.2. O pecado teve sua origem no homem?
O pecado também não teve sua origem no coração do homem, visto que ele era perfeito, porque foi criada a imagem e semelhança de Deus (Ec. 7: 29; Gn 1: 27). Quando Adão e Eva foram criados, o mal já não existia no universo.

2.3. O pecado foi criado por Alguém?
O pecado não foi criado por que ele não é uma coisa palpável ou animado,  e muito menos é um agente, por outro lado nós sabemos que  só Deus tem o poder de criar e nós já vimos que Deus não criou o pecado

 O pecado foi praticado pela primeira vez no céu, no mundo angelical. O pecado teve sua origem no coração de Lúcifer ( Jo 8.44) (1Jo 3.8), que era Um querubim ungido, perfeito, o aferidor de medida (Ez. 18: 12-17; Is 14.13-16).
Quando o mesmo fascinado por sua beleza e gloria, se ensoberbeceu, e em seu coração ele resolveu, decidiu que seria igual ao Senhor, se rebelando contra o Altíssimo (Is. 14: 13, 4)
Assim se “originou” o pecado, um mau pensamento, um mal intento, um mau desejo, uma má vontade que nasceu no coração de um dos seres criados por Deus, Lúcifer, e foi colocado em prática (Ez. 28: 15, 16)

3. Como o pecado entrou no mundo?
O Pecado entrou no mundo através do homem, “Adão” e passou a todos os homens por isso todos pecaram e destituídos estão na gloria de Deus, trazendo consequências desastrosas.

3.1.  As consequências causadas pelo pecado:
São muitas as consequências maléficas ocasionadas  pelo pecado, os prejuízos são tantos que não da para mencionar todos eles, mas veremos alguns deles.

3.1.1. A morte
O pecado fez com que a morte entrasse no mundo (Rm 5. 12) a morte significa separação espiritual em relação a Deus, ou física entre a alma e o corpo, a bíblia fala  da morte em vários sentido mais sempre aparecem o sentido principal após o pecado o

·        “Morte espiritual”-  O espírito esta morto é o afastamento de Deus (Ef 2:1; Mt 8:22)
·        “Morte Fisica”- quando a alma e o espírito dormem e se separam do corpo  ( Gn. 3:19, Tg 2: 26)
·        “Segunda morte”- que é a morte eterna, condenação eterna, uma eterna separação de Deus (Ap. 2:11, 20. 6; Rm 6:23)

3.1.2. O afastamento de Deus
O pecado interrompeu a comunicação de Deus com o homem criou uma barreira entre ambos (Is. 59.2; Pv. 15. 29, Jr 5.25)

3.1.3. Transferência de filiação:
O homem que antes foi criado a imagem e semelhança de Deus, e andava com Deus,  e tinha comunhão com Ele e por isso era chamado filho de Deus (Gn. 5.6. 2a) com o passar do tempo com a pratica constante do pecado, e com a semelhança em atitude do diabo se tornou filho do diabo (Jo 8: 44 1 Jo3: 10)

3.4.1.  A escravidão
O homem que foi criado perfeito e livre, nele passou a não habitar bem algum (Rm 7: 18) tendo sempre uma inclinação para o mal (Rm 8: 1, 7:5-19) , se tornando escravo do pecado(Jo 18:34)

3.1.5. Maldição na terra
Toda a terra passou a ser maldita por causa do homem (Gn 3   ). Toda a terra passou a ser maldita por causa dessa transgressão. Aos animais que eram herbívoros (Gn. 1.30) passaram a ser carnívoros, e a terra passou a ser infértil em algumas áreas e a produzir cados e espinhos (Gn. 3.18).

4. Se Deus sabia que o homem iria cair porque o Criou assim mesmo:

Essa é sem dúvida umas das maiores dúvidas do ser humano temente ou não a Deus, de uma maneira simples podemos dizer que existem três motivos principais que eu acho que sejam os mais plausíveis.

1º Deus criou o homem mesmo sabendo que ele iria cair, por que o amou antes de criar, quando a Bíblia fala que Deus amou o mundo de tal maneira em João 3.16, não podemos entender como se Ele tivesse amado o mundo quando enviou o seu Filho unigênito, Deus enviou o seu filho justamente por que sempre nos amou assim.
Outra coisa que não podemos nos esquecer de que o único verdadeiramente ofendido pelo pecado é Deus. Mesmo Deus sabendo que o homem faria isso contra Ele, criou o homem assim mesmo disposto a ser ofendido diretamente por sua criatura que foi feitas a sua imagem e semelhança por que o amou antes de cria-lo.

Obs. Toda pessoa que tem vontade de ser pai ou mãe, mesmo sabendo que seu filho tem uma grande possibilidade de dar para o que não presta, mesmo assim, tem filhos e esta disposta a passar tudo por ele por que o amou primeiro. O mesmo acontece com Deus e seu filho Jesus Cristo.

2º Deus criou o homem mesmo sabendo que ele iria cair, por que ele preparou a redenção compatível a toda a humanidade antes de Criá-la, A palavra de Deus diz que Jesus cristo é morto antes da fundação do mundo.  
E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.Apocalipse 13:8
O qual, na verdade, em outro tempo foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo, mas manifestado nestes últimos tempos por amor de vós;1 Pedro 1:20
De outra maneira, necessário lhe fora padecer muitas vezes desde a fundação do mundo. Mas agora na consumação dos séculos uma vez se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo.Hebreus 9:26
A besta que viste foi e já não é, e há de subir do abismo, e irá à perdição; e os que habitam na terra (cujos nomes não estão escritos no livro da vida, desde a fundação do mundo) se admirarão, vendo a besta que era e já não é, mas que virá. Apocalipse 17.8
Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, e foi feito as primícias dos que dormem. 1 Coríntios 15:20

3º Deus criou o homem mesmo sabendo que ele iria cair, por que Ele é Soberano. A grande questão nessa pergunta é se nós temos uma teologia centralizada no homem ou em Deus. Nós só pensamos no direito do homem e não no Direito de Deus. 
E Deus não tem o direito de fazer o que quiser? Ele não tem o direito de ter uma família, só por que muitos o rejeitarão.

Conclusão:

Independente da origem do mal, de como o mal entrou no mundo, e de como ele passou a todos os homens, não podemos pensar em deixarmos de estar com Deus por nada, Ele possibilitou a salvação para todos os homens por que Ele nos ama. Amem!

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Como Controlar Pensamentos e Reações:



Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é 
Deus, que não vos deixará tentar 
acima do que podeis, antes com a tentação dará também o 
escape, para que a possais 
suportar. 
1 Coríntios 10:13
                                                                               
Introdução:

Muitas vezes, os nossos pensamentos não coincidem com os pensamentos de Deus. Pensamos em fazer muitas coisas, em realizar sonhos, em vencer na vida, em fazer isso ou aquilo, tudo para satisfazer os nossos deleites, sem se importar muitas veses se aquilo que desejamos é da vontade de Deus ou não.
Os nossos pensamentos são a causa das nossas atitudes, o que desejamos vai determinar o que iremos buscar ou fazer, por isso é importante guarda a nossa mente para que mediante a uma situação inesperada ou premeditada, possamos consultar a nosso subconsciente e não fazermos aquilo que iremos nos arrepender depois.
Devemos dar asas aos nossos pensamentos, mas dirigindo-os para o que for bom, para o que agrada a Deus.

  1. O que se pode entender por pensamento:

·        A formação dos pensamentos e das reações emocionais é um mistério, tanto são provocados pelo mundo exterior como são gerados do nosso interior.
O pensamento é faculdade que temos de conceber, combinar, compara e compartilhar idéias.

·        Reação é uma atitude que esboçamos diante de uma ação provocativa. Se a nossa emoção estiver tensa, ocorre um bloqueio da racionalidade, levando o ser humano a reagir por instinto como um animal, se a emoção estiver serena e tranqüila, há uma abertura da memória e expande-se a arte de pensar.
São nos primeiros trinta segundos de tensão que cometemos os maiores erros das nossas vidas, a melhor resposta quando estamos tensos e não dar resposta, é ficar em silencio até que a tensão passe. E como isso é difícil, porque nós vivemos esperando a oportunidade de descontar algo, e que melhor hora para se fazer isso se não quando a oportunidade aparece e estamos tensos.

·        Por mais que o homem seja um ser pensante como bem disse o pensador René Decarter “Penso, logo existo”, ele não é capaz de controlar tudo o que vai ser armazenado em seus pensamentos, na sua maioria, isso ocorre automaticamente, principalmente o que vai ficar armazenado  “no subconsciente” (zona da mente em que se situam fenômenos psíquicos latentes no indivíduo, que influenciam a sua conduta e atitudes e facilmente afloram à consciência).
E a língua sem dúvida nenhuma é a maior expressão do pensamento do individuo, o ajuda a concretizar e a dar tradução aos pensamentos, por isso que a palavra de Deus nos diz que a “boca fala o que o coração está cheio” (Mt. 12.34), e na tricotomia do homem o coração e a alma, a sede dos pensamentos, da razão, dos sentimentos e das emoções do homem.
Por isso o Senhor nos adverte tomarmos cuidado com aquilo que vemos , ouvimos e nos envolvemos ( Sl.1.1-3; 1Co. 15.33), para que o nosso coração não se encha dessas coisas (Mc. 7.19-23; 21.34).

    2. O pecado começa na mente:

Todo pecado que o homem comete começa na mente, a área mais difícil de se controlar.
Por isso o Senhor no período da graça trata das questões que levam o homem ao erro  na causa, como está registrado no sermão do monte, se o homem não deixar fluir em seu coração o mal, ele não irar praticá-lo.
O diabo também sabe que o pecado do homem começa na mente por isso ele lança sobre nós, pensamentos contrários a vontade de Deus (Ef.6.16;)
Na mente o homem é capaz de adulterar, cobiçar, idolatrar, murmurar, amaldiçoar  e cometer uma série de outras torpezas sem que as outras pessoas saibam,mas Deus sabe porque não há na da encoberto aos seus olhos, Ele sonda a mente e coração do homem. (Pv. 21.2).
   3. O que provoca o pecado da mente:

Esquecendo um pouco dos dois principais agentes que provocam em nós o pecado da mente: a nossa natureza pecaminosa e o diabo.
No dia-a-dia a nossa mente é bombardeada em todo tempo por todas as espécies de futilidades e sujeiras, o que serve como alimento para a nossa natureza e elementos para a ação do maligno. O que isso não é justificativa para ficarmos pecando, mas isso é um fato que não podemos ignorar.

  3.1. O consumismo:

Vivemos hoje em um mundo totalmente consumista, somos bombardeados diariamente com propagandas de facilidades de consumo o que desperta ainda mais a nossa cobiça, e ainda vivemos hoje com uma ideologia de quese outro tem você também pode e deve ter.

  3.2. A lascívia:

A lascívia é algo espantoso hoje em dia, onde quer que vamos lá estão eles, homens e mulheres seminus, com a sensualidade aflorada.
·         Até mesmo em nosso meio tem irmãos que contribuem muito para isso.
·        Nesse pecado não há ninguém inocente, porque quem assim se veste sabe claramente questão se comportando de maneira sensual, .as nada fazem para mudar, muito pelo contrário cada vez mais, se comportam sensualmente.
·        Não se enganem o que cobiçar não tem pecado maior do que aquele que se faz cobiçar.Uma coisa é certa antes nós influenciarmos os costumes do mundo, mais agora o mundo esta ditando a moda aqui dentro, e só não ver quem não quer.
Nós somos livres para usarmos o tipo de roupa que quisermos mais a nossa liberdade termina onde começa a lascívia.

      3.3. A ostentação:

A ostentação é outro fator que desperta a cobiças nas pessoas, essa necessidade que nós temos de demonstrarmos para as outras pessoas que estamos bem ou melhor do que as outras pessoas, é algo perigosíssimo, e isso no meio evangélico é muito grande.
·        A pessoa tem e deve isufluir de todos os bens que Deus lhe deu,por que isso é bom e agradável diante de Deus e quem não faz isso é malicioso ou mesquinho, dois pecados horríveis:
·         O que estamos tentando falar é de pessoas que colocam uma roupa não para vestir o melhor para o Senhor, e sim para querer ser a pessoa mais bem vestida da igreja.
·         Para essa pessoa ser notada é melhor do que sentir a presença de Deus, ela necessita de estar sempre sendo aprovada pelos homens em tudo e em qualquer lugar sem se importar se estar sendo aprovada por Deus, porque ela considera a aprovação dos homens ser uma pessoa abençoada por Deus.

   3.4. O sofisma:

Um dos piores pecados que vemos nesses últimos dias é o sofisma, e tem feito cair igrejas inteiras.
São idéias a atitudes arrogantes, que são contra o conhecimento e a obediência e a verdade (2Co. 10.5)

3.4.1. O exemplo de Eva.
Adão e Eva tinham recebido uma ordem explicita de Deus para que não comecem o fruto da arvore da ciência do bem e do mal.
Só que Eva quando foi tentada pela serpente teve um raciocínio lógico e natural em cima de todas as possibilidades, de acordo com o que a serpente tinha lhe falado.
·       Ela teve uns entendimentos racionais, lógicos e humanos a obediência de Deus, e Adão depois fez o mesmo.

3.4.2. Não podemos ser iguais a Adão e Eva.

Não podemos ter uns raciocínios lógicos, humanos e naturais à obediência da verdade, nós não estamos aqui para nos conformar com esse mundo (Rm. 12.2; Ef.5.11), quer agradando ou não esse deve ser o nosso o nosso comportamento que é a reação dos nossos pensamentos.
·        Não podemos nos conformar e dizer, as coisas são assim mesmo, as coisas mudaram, os tempos agora são outros,não faz mal, por que isso é condenável diante de Deus (Ml. 1.7), E ele nos adverte a resistirmos  contra o pecado a ponto de derramarmos o nosso próprio sangue (Hb.12.4).

    4. Como resistir ao pecado da mente:

    4.1. Usando as armas espirituais: (Ef. 6.10)

    4.2. Destruir as fortalezas:

usando as armas espirituais nós conseguiremos destruir essas fortalezas (2Co.10.4), temos que destruir todas as idéias a atitudes arrogantes que são contra a verdade, que são contra a palavra de Deus, e aprisionarmos todas as vontades de desobedecer essas verdades (2Co.10.5)

4.3. Cultivando bons pensamentos: (Fl.4.8)  

            Essa forma de ser, de pensar e de agir é inteiramente compatível com o fruto do Espírito que está em nós. É algo que se desenvolve  por meio de vigilância e oração ( mt 26.41).


        TUDO QUE É VERDADEIRO:
           A atitude do crente, bem como suas palavras devem fazer          contraste com a mentira, a falsidade e a hipocrisia ( 1 Jo 1.6 ) ;
RESPEITÁVEL ou honesto :
Dignidade decorrente  da salvação, o crente deverá ocupar  sua atenção com assuntos relevantes, fugindo da mediocridade ( Ef 5.3,4 )
JUSTO : Palavra relacionada ao espírito de retidão . O crente , justificado em Cristo , ocupar-se-à  de coisas justas, certas e retas ( 1 Jo 3.7 )
PURO : Chamado para praticar a santidade, o crente terá a sua mente limpa em relação às impurezas do mundo ( Ef 4.17-20).
AMÁVEL : A delicadeza e cortesia fazem parte da vida cristã ( Fp 2.1-4 ).
DE BOA FAMA : O crente evitará qualquer coisa que possa macular a vida de alguém , ou a sua própria (  Tg 4. 11,12: Dn 6.4).
SE ALGUMA VIRTUDE HÁ, ou seja, se for algo excelente : o crente deverá ser uma pessoa que se esmere em fazer tudo bem feito , da melhor maneira possível, do modo mais excelente , e que esse padrão de conduta esteja em todas as áreas de sua vida ( 1 Rs 10.4-8; Fp 1.9,10 ).
 SE ALGUM LOUVOR EXISTE, isto é , se for digno de aprovação: sem se preocupar com o louvor dos homens, o crente deve fazer tudo para que as sua obras sejam sempre aprovadas e glorifiquem a Deus ( Cl 4.5 )       

4-4 Orar em pensamento ( 1 Ts 5.17 )
 Como nós podemos orar sem cessar se não orarmos em pensamento, a oração e a adoração em pensamento, anula o pecado da mente

4-5  Cultivando o pensamento na salvação.
·         mentalizar o fato  de que estamos  mortos para o pecado e vivos para Deus ( Rm 6.11 )
·         não dar lugar para o pecado reinar em nosso coração ( Rm 6.12 )
·         não dar chance para que o nosso corpo seja contaminado  pelo pecado, satisfazendo as tentações dos desejos carnais (Rm 6.13 )


CONCLUSÃO:

            Para o cristão ser vitorioso, é preciso, em primeiro lugar, ter a mente de Cristo .
            E da nossa mente que partem as idéias através dos pensamentos que vão nortear a nossa vida . Se a mente é sã, todo o corpo será saudável.Porém, se a mente estiver poluída ou comprometida com maus pensamentos, tudo o mais estará contaminado .







                                                                                                                 Prof. Luiz Carlos S. Soares.

               






  

                     

Por que eu devo ser cristão? E qual a vantagem de ser um cristão?




Introdução:

Muitas pessoas tem se perguntado. Com tantas coisas boas para se fazer no mundo, com tantas propostas e oportunidades de sermos bem sucedidos e de bem estar, sem ter que ficar se submetendo a um Deus, que exige tanto de seus seguidores. Por que eu deveria ser um cristão?
No mundo em que vivemos hoje, principalmente aqui no Brasil, que não há mais escravidão e nem guerra, e ainda em um período de crescimento econômico,  muitas oportunidades de lazer, diversão e prazer, é sem dúvida o país das oportunidades.
Porque eu deveria ser um cristão, ou continuar sendo um? E qual a vantagem de ser um Cristão?  As respostas dessas duas perguntas estão correlacionadas entre si em muitos aspectos, o porquê de ser um cristão resulta na vantagem de ser um cristão.

1.    Por que eu devo ser cristão?
Por que o cristão tem uma vida de abundancia 




  1. O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância. (Jo.10.10)



·        E qual a vantagem de ser um cristão?
A vantagem é que ele tem a verdadeira saúde (corpo, alma e espírito) e todas as suas necessidades são cumpridas. 

Amado, desejo que te vá bem em todas as coisas, e que tenhas saúde, assim como bem vai a tua alma. 

(3Jo. 2).  Fui moço, e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua semente a mendigar o pão. (Sl. 37.25)




2. Por que eu devo ser cristão?
Por que só o cristão possui paz de espírito. 



Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize. (Jo. 14.27);  E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus. (Fl. 4.7); Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo. (Jo. 16.33)




·        E qual a vantagem de ser um cristão?
A vantagem é que ele vive bem em qualquer circunstancia. 


Não digo isto como por necessidade, porque já aprendi a contentar-me com o que tenho.

Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade.

Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece. (Fl. 4.11-13)


3. Por que eu devo ser cristão?
Porque o cristão conhece a Deus e tem intimidade com Ele. 


E nisto sabemos que o conhecemos: se guardarmos os seus mandamentos.

Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade. (1Jo. 2.3-4)


·        E qual a vantagem de ser um cristão?
A vantagem é que ele tem a experiência de ver Deus se revelar a ele. 


Todas as coisas me foram entregues por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar. (Mt. 11.27);  Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele. (Jo. 14.21)


4. Por que eu devo ser cristão?
Porque o cristão tem mais lutas que do que todos as demais pessoas. 


... no mundo tereis aflições... (Jo. 16.33b); Muitas são as aflições do justo... (SL. 34.19a); Perseguições e aflições tais quais me aconteceram em Antioquia, em Icônio, e em Listra; quantas perseguições sofri... (2Tm. 3.11,12a)




·        E qual a vantagem de ser um cristão?
A vantagem é que ele tem uma vida repleta de vitória. 

... no mundo tereis aflições, tende bom animo eu venci o mundo. (Jo. 16.33b); Muitas são as aflições do justo, mas o Senhor a livras de todas (SL. 34.19); Perseguições e aflições tais quais me aconteceram em Antioquia, em Icônio, e em Listra; quantas perseguições sofri, e o Senhor de todas me livrou. (2Tm. 3.11,12)


... porque maior é o que está em vós do que o que está no mundo. (1Jo.4.4);  Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé. (1Jo. 5.4);  Mas graças a Deus que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo. (1Co. 15.57)


Obs. Esses textos estão se referindo a nossa verdadeira e a maior vitória, a salvação da nossas vidas

Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados;

Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. 
Porque convém que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade, e que isto que é mortal se revista da imortalidade. 
E, quando isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então cumprir-se-á a palavra que está escrita: Tragada foi a morte na vitória. 

Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória? (1Co. 15.52-55)


5. Por que eu devo ser cristão?
Porque a única maneira de irmos para o céu é através de Jesus Cristo, ou seja só os cristãos vão para o céu. 


Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.  Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar.

E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também. (Jo. 14.6, 1-3)



·        E qual a vantagem de ser um cristão?
A vantagem é que lá não haverá mais morte, nem pranto, nem dor, nós seremos semelhantes a ele e assim como ele é o veremos. 


E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas. (Ap. 21.4)


... a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo,

Que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas. (Fp. 4.21,22) 


Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos. (1Jo. 3.2) 



Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido. (1Co.13.12)


Conclusão:

Ser cristão é um privilégio que muitos infelizmente não experimentaram e muitos não experimentaram,  é com pesar que vemos que muitos irmãos estão trocando isso tudo por um prato de lentilha; que Deus tenha misericórdia de nós.   Amem!!!!


Ir. Luiz Carlos  S. Soares