segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

O Fundo de Uma Agulha.

"A expressão de Mateus 19.24 'fundo duma agulha' ou 'buraco duma agulha'. É literal ou simbólica?"
O contexto desse passo bíblico trata de um jovem rico que amava tanto as suas riquezas que elas lhe serviam de impedimento. A mensagem é clara. Os indivíduos de
mentalidade materialista que consomem a vida procurando adquirir bens materiais, ou não perder a qualquer custo, só
encontram satisfação nas riquezas, na busca delas, ou de preserva-las e aumenta-las; e somente em casos raríssimos é que chegam a se importarem com as questões espirituais para encontrar a vida eterna. Por que o que eles buscam de |Deus é primordialmente isso "Riqueza"

Porém, seria um erro aplicarmos o texto somente aos ricos, (mesmo sabemos que é quase impossível encontrar um que não se encontra nessa situação, mesmo nas Igrejas Evangélicas), porquanto o materialismo tem realizado a sua devastação moral até mesmo entre os pobres.
Se olharmos sem demagogia o que veremos, quase que na totalidade das pessoas, que só existe dois tipos de gente 
Ao falar sobre a impossibilidade desse tipo de pessoas: As que querem ser ricas e aquelas que querem se manter ricas.

Para entrarem no reino de Deus, Jesus pregou a ilustração que é a impossibilidade de um "camelo passar pelo buraco de uma agulha".
Alguns têm imaginado que o buraco de agulha referido fosse uma portinhola, no muro de Jerusalém, através do qual pudesse passar finalmente um camelo, depois de muitos
puxões e empurrões; outros admitem que a expressão camelo, que no grego representa uma pequena modificação de "Kamelos" para "Kamilos", trata de uma corda grossa ou
um cabo, mas isso só diminuiu a impossibilidade do ato. Todavia, o grego de Mateus
19.24 e de Marcos 10.25 fala de uma agulha usada com linha, enquanto que o de Lucas 18.25 usa o termo médico que indicava uma agulha usada nas operações cirúrgicas. É
evidente que ali não é considerada nenhuma portinhola, mas sim, o pequenino buraco de uma agulha de costura. Provavelmente era um provérbio incomum para ilustrar coisas impossíveis. O Talmude fala por duas vezes de um elefante para o qual é impossível passar pelo buraco de uma agulha. Por conseguinte, quem quer que ame as riquezas, a
ponto de isso impedi-lo de confiar em Jesus Cristo somente, como Senhor e Salvador, está na impossibilidade de ser salvo.

Em resposta à pergunta feita pelos discípulos: "Então quem pode ser salvo?" Jesus respondeu: "Os impossíveis dos homens são possíveis para Deus", Lc 18.27.
Nessa frase, as palavras "dos" e "para" são uma só no original, cujo sentido literal é "ao lado". Tome-se o lado do homem, na questão das riquezas, e torna-se-á impossível a
salvação. Porém,-tome-se o lado de Deus sobre a questão e a impossibilidade anterior se transformará em possibilidade. E o sentido de como o homem poderia comprar o resgate de sua alma.

É importante destacar que a preocupação dos discípulos, sendo eles pobres, confirma a tese de que quase todos os homens estão sujeito a avareza, que é idolatria, e o princípio de todos os males, que por esse caminho muitos se desviam da fé, muitos buscam pregadores que lhe satisfaçam. Por que só pensam nas coisas terrenas, e fazem do evangelho causa de ganho. "... Destes afaste-se...".

sábado, 26 de dezembro de 2015

Crente Carnal

Por Fabio Campos
 "porque ainda sois

carnais..." I Co 3.3a

Uma breve nota precisa ser dita antes de discorrer o assunto proposta no título: “Salvo!, mas carnal”! Não estou tratando de incrédulos, mas de irmãos e irmãs salvos em Jesus Cristo e que sem dúvida alguma herdarão o reino dos céus. Por isso que os refiro como “salvos!, contudo, carnais.

Posto isto, entendo que a maturidade cristã é construída paulatinamente. Ser maduro é ser “experimentado” nas coisas de Deus. Muitos do que são “maduros” na fé também precisa examinar-se para identificar seus pontos fracos e poder trata-los pela graça de Cristo para chegar a “estatura do varão perfeito” (Ef 4.13). Temos nossas áreas de imaturidade! Todavia, é importante salientar que tempo de igreja e de conversão não pode ser o crivo para analisar tal estágio. Muitos crentes com mais de quarenta anos de vida cristã ainda são imaturos na fé. Conhecem as Escrituras, mas não conseguem pratica-las no convívio social e na igreja local. São como crianças que decoram versículos, mas não compreende o significado para poder aplica-lo na sua vida cristã.

Dentro das comunidades cristãs, grande parte dos irmãos, é imatura. É aquilo que Paulo diz: “carnais, meninos em Cristo” (1 Co 3.1). Vejamos então a luz das Escrituras à postura de um “crente carnal”.

1. Invejoso: Paulo diz que os meninos na fé são invejosos (1 Co 3.3). Até choram com os que choram, mas não consegue se alegrar com os que se alegram. Quanta disputa por cargo tem dividido nossas igrejas. A impressão que tenho é que trata de pessoas frustradas na vida secular - que pelo dom dispensado por Deus, enxergam uma oportunidade no evangelho de ser apreciado pelas pessoas.

2. Contenciosos: Esse tipo de irmão gosta de jogar uns contra os outros. É sectário! Faz seu próprio partido e pelo litígio dividem a igreja entre “direita” e “esquerda”. Arrazoe no seu coração e peça discernimento a Deus quando você estiver próximo deles. A Bíblia nos ensina para não “aplicarmos o nosso coração a todas as palavras que se diz, porque logo mais presenciará tal pessoa falando mal de você” (Ec 7.21).
O capítulo 3 [13-18] da Carta de Tiago trata justamente deste tipo de comportamento. O qual ele denomina como “animal e demoníaca”. É importante frisar que Tiago alerta aqueles que diziam ser sábios e inteligentes (v.13). Isto nos mostra que o nosso conhecimento teológico e bíblico não nos faz maduros e cristãos espirituais. Ajuda! Mas o comportamento, diante disso, através de um espírito manso e tranquilo -, é o que mais vale perante Deus (1 Pe 3.4). Muitos têm uma aparente maturidade – uma excelente teologia – são persuasivos e habilidosos nas articulações dos argumentos – mas diante de Deus, são carnais.
Tiago convoca um debate com estes irmãos para provar quem é o mais sábio. Porém, sua refutação não é teológica nem apologética, mas comportamental: “Quem é sábio e tem entendimento entre vocês? Que o demonstre por seu bom procedimento, mediante obras praticadas com a humildade que provém da sabedoria” (Tg 3.13 NVI).

Partindo deste pressuposto Tiago começa expor sua refutação diante daqueles que se entendia por “sábio” e “inteligente”. Ele começa a denunciar os “frutos da árvore”, pois assim disse o Senhor: “pelos frutos os conhecereis”. Estes “sábios” e “entendidos” abrigavam no seu coração “inveja e amargurada”. Tinham sede por “discussões tolas”. Este é o ponto mais forte do debate - quando Tiago diz: este tipo de sabedoria é “terrena”, “animal” e “demoníaca” (Tg 3.15).
O grande teólogo norte-americano, Benjamin Breckinridge Warfield, disse: “Antes de ser erudito o ministro [posso acrescentar aqui os irmãos] deve ser devotado a Deus, [e o] mas grave erro é colocar estas coisas em contradição” ¹. Paulo exortar aqueles que estão mais maduros na fé a não “agradar a si mesmos”, antes, suportar as “debilidades dos fracos” (Rm 15.1). Repare que não se trata de uma algo fácil. O próprio apóstolo pede uma força tarefa: “não agradar a si próprio”. Este tipo de atitude só pode ser praticado por alguém que realmente possui um coração devotado a Deus.
O maior erudito que o cristianismo já teve – Paulo de Tarso -, diz que “o conhecimento traz orgulho, mas o amor edifica. Quem pensa conhecer alguma coisa, ainda não conhece como deveria. Mas quem ama a Deus, este é conhecido por Deus” (1 Co 8. 1-3 NVI). Paulo diz neste trecho que “o saber nos faz conhecidos aos homens” e o “amor nos faz conhecidos de Deus”. Fica em nosso “colo” a decisão de quem queremos ser conhecidos.

Tiago continua a expor sua refutação confrontando à “sabedoria” daqueles que diziam ser sábios. Desafiando estes irmãos, Tiago diz: “se você é sábio, então mostre isso em mansidão mediante um proceder digno através das suas obras” (v. 13). “Segundo a Bíblia de estudo Palavras Chaves”, a “mansidão” que Tiago diz, trata do “resultado da decisão de um homem forte de controlar as suas reações, em submissão a Deus” (p. 2368). Você tem argumento – conhece do assunto – mas assim como o homem forte que sabe controlar suas reações, controla seus impulsos pecaminosos falando o que é certo da forma certa, mesmo que contrariado - tudo por amor a Deus.
“A Bíblia de estudo Palavras Chaves” diz que a “sabedoria” que Tiago usa em seu argumento “representa a sabedoria divina, [que é] a capacidade de regular o relacionamento da pessoa com Deus” (p. 2398). Trata do temor ao Senhor que é o princípio de toda sabedoria. É o ato de você olhar para o “débil” na fé com temor e tremor por ser ele alguém salvo e remido pelo Senhor Jesus Cristo (Rm 14.1). Esta sabedoria não compara a si mesmo com os homens da sua volta, mas olha para a luz e entende que a“Palavra de Deus esclarece e dá entendimento ao simples” (Sl 130.130). Como disse o apologista C. S. Lewis: “Quem está no processo de se aperfeiçoar, cada vez mais compreende com maior clareza o mal que existe em si”. Ele [o maduro na fé] percebe que nada é, quando entende que somente em Cristo há “todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento” (Cl 2.3).
Dentro da ortodoxia cristã o termo “verdade” é muito defendido. De fato tem que ser! Só que Tiago diz que se procedermos com a “sabedoria terrena”, estaremos “mentindo contra a verdade” (v. 14). Pode ter certeza, quando há “confusão e toda espécie de coisas ruins”, tal atitude provém do “Maligno” (v 15-16). Paulo diz também que o “ciúme” e a “contenda” são sentimentos de homens que ainda não cresceram na fé e que seu comportamento é o mesmo das pessoas do mundo (1 Co 3.3).
Irmãos, como apreciador da teologia ortodoxa reformada - por ter alguns artigos escritos com teor apologético - confesso que muitas das vezes sou tentando, após ter feito algo com excelência, a me gloriar do que fiz comparando-me com os irmãos de menos “instrução”. Preciso lutar contra minha natureza pecaminosa! Que Deus tenha misericórdia da minha vida! Joshua Harris eEric Stanford diz que “se você estiver segurando alguma coisa que, ao cair, possa explodir e machucar outras pessoas, você a manejará com todo cuidado” ². Para mim é muito mais fácil defender a fé – articular os argumentos – fazer teologia e apologética – do quê dominar o meu espírito (Pr 16.32) e guardar o meu coração (Pr 4.23). A verdadeira sabedoria não destrói pessoas, mas edifica. É justamente isso que Tiago e Paulo através do Espírito Santo nos ensinam. Uma sabedoria que brota do “novo nascimento”, da água e do Espírito, e não somente da mente. Como disse Jonathan Edwards: “precisamos ter luz na mente e fogo no coração”. Creio ser este o maior desafio: “produzir” os frutos e receber os dons em humildade usando-os somente para a Glória de Deus.
Precisamos crescer em “graça” junto do conhecimento. Se formos “ortodoxos na teologia”, mas os atributos [abaixo] listados por Tiago não tiver em nós, seremos os mais hipócritas - ostentado uma sabedoria mundana “travestida de piedade”. Seremos os piores hereges e por Deus seremos refutados:
“Mas a sabedoria que vem do alto é antes de tudo pura; depois, pacífica, amável, compreensiva, cheia de misericórdia e de bons frutos, imparcial e sincera. O fruto da justiça semeia-se em paz para os pacificadores”. – Tg 3. 17-18 NVI
Em temor, pense nisso!
Soli Deo Gloria!

Fonte: Fabio Campos

sábado, 12 de dezembro de 2015

Top 3. A Dinvindade do Espírito Santo.

O Espírito Santo é uma pessoa Divina, a terceira pessoa da Santíssima Trindade.

“Trindade” – É a doutrina da fé cristã segundo o qual Deus subsiste em Três Pessoas distintas: O Pai, O Filho, e O Espírito, embora uma em sua essência. As três pessoas são iguais: Na substância; nos atributos absolutos e metafísicos e morais.
Deus é três Pessoas, cada uma das pessoas é plenamente Deus (O Pai é Deus, O Filho é Deus, O Espírito é Deus), mas é um Só Deus.

“A procedência do Espírito Santo” – O Espírito Santo faz parte da Santíssima Trindade, e a doutrina ortodoxa ensina que como Cristo é Deus por Eterna filiação, também o Espírito Santo é Deus por Eterna precedência do Pai e do Filho (Jo. 15.26).
O Espírito que procede do Pai e do Filho da mesma substancia, majestade e Glória que o Pai e Filho e Verdadeiro e Eterno Deus.


3.1. O Espírito Santo é mencionado junto com o Pai e com o Filho.

· Na passagem do povo pelo Deserto (Ag. 2.5; Is. 53.11)
· No Batismo de Jesus (Mt. 3.13-17).
· Na ordem do batismo dos convertidos (Mt. 28.19)
· Na morte de Estevão (At. 7.54,55).
· Na benção Apostólica (2Co. 13.13).


Obs. A Bíblia afirma que os três são um (1Jo. 5.7), assim há um só Espírito (Ef. 4.4); um só senhor (Ef. 4.5); E um só Deus (Ef. 4.6).
Vejam outros textos Trinitários (1Co. 12.4-6; 1Pe. 1.2; Jd. 20,21).



3.2. O Espírito Santo Possui Atributos Divinos:

Atributos é aquilo que é próprio de um ser, Atributos Divinos são características essenciais da Divindade:

· O Espírito Santo possui Onisciência:
Tudo é de seu Pleno Conhecimento (1Co. 2.10, At. 5.1-5).
· O Espírito Santo possui Eternidade:
Infinito em existência, sem princípio e sem fim e sem limite de tempo (Hb. 9.14).
· O Espírito Santo possui Onipresença:
Existência ao mesmo tempo em toda parte, em todo espaço infinito (Sl. 139.7-10).
· O Espírito Santo possui Onipotência:
Tem pleno poder sobre todas as coisas para fazer tudo que lhe apraz, quee não seja contrária a sua natureza (Sl. 104.30; Lc. 1.35; 1Co. 12.11).
· O Espírito Santo é mencionado como: Criador (Jó 26.13; 33.4) e Senhor (2Co. 3.16-18).

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

A FIDELIDADE DE DEUS


A infidelidade é um dos pecados mais proeminente nestes maus dias. Com raríssimas exceções, a palavra de um homem não é mais a sua fiança, nos negócios deste mundo. No mundo social, a infidelidade conjugai ocorre por todo lado, sendo que os laços matrimoniais são desfeitos com a mesma facilidade com que uma roupa velha é rejeitada. Na esfera eclesiástica, milhares que se comprometeram solenemente a pregar a verdade, sem nenhum es
crúpulo a negam e a atacam. Nem o autor, como tampouco o leitor, podem arrogar-se completa imunidade deste pecado terrível: de quantas maneiras temos sido infiéis a Cristo, e à luz e aos privilégios que Deus nos confiou. Como é animador então, que indizível benção é erguer os olhos acima desta ruinosa cena e contemplar Aquele que, só Ele, é fiel, fiel em tudo, fiel o tempo todo.

"Saberás, pois, que o Senhor teu Deus é Deus, o Deus fiel..." {Deuteronômio 7:9).

Esta qualidade é essencial ao Seu ser; sem ela Ele não seria Deus. Pois, ser Deus infiel seria agir contrariamente à Sua natureza, o que é impossível. "Se formos infiéis, ele permanece fiel: não pode negar-se a si mesmo" (2 Timóteo 2:15). A fidelidade é uma das gloriosas perfeições do Seu ser, É como se Ele estivesse vestido com esta perfeição; "0 Se
nhor, Deus dos Exércitos, quem é forte como tu, Senhor, com a tua fidelidade ao redor de si?!" (Salmo 89;8).

Assim também, quando Deus Se encarnou, foi dito: "E a justiça será o cinto dos seus lombos, e a verdade o cinto dos seus rins" (Isaías 11:5).

Que palavra, a do Salmo 36:5 — "A tua misericórdia, Senhor, está nos céus, e a tua fidelidade chega até às mais excelsas nuvens". Muito acima de toda compreensão finita está a imutável fidelidade de Deus. Tudo que há acerca de Deus é grande, vasto, incomparável. Ele nunca esquece, nunca falha, nunca vacila, nunca deixa de cumprir a Sua palavra, O Senhor Se mantém estrita
mente apegado a cada declaração de promessa ou profecia, faz valer cada compromisso de aliança ou de ameaça, pois "Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa: porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria? (Números 23:19). Daí o crente exclama; "...as suas misericórdias não têm fim, Novas são cada manhã; grande é a tua fidelidade" (Lamentações 3:22-23).

Há nas Escrituras numerosas ilustrações da fidelidade de Deus. Há mais de quatro mil anos Ele disse: "Enquanto a terra durar, sementeira e sega, e frio e calor, e verão e inverno, e dia e noite, não cessarão" (Gênesis 8;22). Cada novo ano dá-nos um novo testemunho de que Deus cumpre esta promessa.
Em Gênesis 15 vemos que Jeová declarou a Abraão; "...peregrina será a tua semente em terra que não será tua, e servi-los-ão ... E a quarta geração tornara para cá" (versículos 13-16). Os séculos percorreram o seu curso fatigante. Os descendentes de Abraão gemiam entre os fornos de tijolos do Egito. Deus esquecera a Sua promessa? Certamente que não. Leia Êxodo 12:41: "E aconteceu que, passados os quatrocentos e trinta anos, naquele mesmo dia, todos os exércitos do Senhor saíram da terra do Egito".
Por meio de Isaías o Senhor declarou: “...eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um filho, e será o seu nome Emanuel" (7:14). De novo séculos se passaram, mas, "vindo a plenitude dos tempos,
Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei" (Gaiatas 4:4).

Deus é verdadeiro. Sua Palavra de promessa é certa. Em todas as Suas relações com o Seu povo, Deus é fieL Pode-se confiar nEle, com segurança, Nunca houve alguém que tivesse confiado nEle em vão. Vemos esta preciosa verdade expressa em quase toda parte nas Escrituras, pois o Seu povo precisa saber que a fidelidade é uma parte essencial do caráter divino. Esta é a base da nossa confiança nEle, Mas, uma coisa é aceitar a fidelidade de Deus como uma verdade divina, e outra coisa, muito diferente, é agir com base nisso. Deus "nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas", mas nós contamos realmente com o seu cumprimento por Deus? Esperamos de fato que Ele vai fazer por nós tudo que disse que fará? Descansamos com implícita segurança nestas palavras: " ... fiel é o que prometeu" (Hebreus 10:23)?

Há ocasiões na vida de todos em que não é fácil, nem mes
mo para os cristãos, crer que Deus é fiel. Nossa fé é provada dolorosamente, nossos olhos ficam toldados pelas lágrimas, e não conseguimos mais encontrar o rumo dos baluartes do Seu amor. Os nossos ouvidos se distraem com os ruídos do mundo, arruina
dos pelos sussurros ateísticos de Satanás e não conseguimos mais ouvir a doce entonação da voz mansa e delicada do Senhor. Sonhos alimentados foram frustrados, amigos em quem confiávamos falharam conosco, um falso irmão ou irmã em Cristo nos traiu. Vacilamos. Procuramos ser fiéis a Deus, e agora uma trevosa nuvem O esconde de nós. Achamos difícil, impossível mesmo, à razão carnal harmonizar a Sua sombria providência com as promessas da Sua graça, Ah, alma titubeante, companheiro de pere
grinação provado com tanto rigor, procure graça para ouvir Isaías 50:10; "Quem há entre vós que tema. a,Jeová, e ouça a voz do seu servo? Quando andar em trevas, e não tiver luz nenhuma, confie no nome do Senhor, e firme-se sobre o seu Deus".
Quando você for tentado a duvidar da
fidelidade de Deus, brade: "Para trás de mim, Satanás". Ainda que você não possa harmonizar os misteriosos procedimentos  de Deus com as  Suas declarações de amor, confie nEIe e aguarde mais luz, Na hora dEIe, certa e boa, Ele fará com que você o veja com clareza, “...o que eu faço não o sabes tu agora, mas tu o saberás de
pois" (João 13:7). A seqüência dos fatos demonstrará que Deus não abandonou nem enganou Seu filho. "Por isso o Senhor espe
rará, para ter misericórdia de vós; e por isso será exalçado, para se compadecer de vós, porque o Senhor é um Deus de eqüidade: bem-aventurados todos os que nele esperam (Isaías 30:18).

A. W. Pink

sábado, 14 de novembro de 2015

As 3 vezes que Jesus Chorou.



O Novo Testamento nos informa que Jesus chorou em três diferentes ocasiões.

A primeira vez ele chorou junto ao túmulo do seu amigo Lázaro. Ele viu a dor das irmãs Marta e Maria. Ele refletiu sobre o salário do pecado e ele gemeu em seu espírito e chorou.
Quando ele vê o lugar onde colocaram Lázaro morto, diz João, "ele chorou".

Em segundo lugar Jesus chorou sobre a amada e impenitente cidade de Jerusalém.
E, como estivesse perto, viu a cidade e chorou sobre ela, dizendo: "Ah! se tu conhecesses também, ao menos neste teu dia, o que à tua paz pertence! Mas agora isto está encoberto aos teus olhos. orque dias virão sobre ti, em que os teus inimigos te cercarão de trincheiras, e te sitiarão, e te estreitarão de todos os lados; E te derrubarão, a ti e aos teus filhos que dentro de ti estiverem, e não deixarão em ti pedra sobre pedra, pois que não conheceste o tempo da tua visitação." (Lc. 19. 41-44).

Ele sofreu com os problemas que adviriam aos seus compatriotas.  Ao contrário  de Jonas que olhou para a cidade de Nínive e desejou que ela fosse destruída, Jesus olhou para cidade e chorou sobre Jerusalém, porque ela seria destruida, este é um dos motivos pelo qual ele disse que era maior do que Jonas.

A terceira ocasião que Jesus chorou está em Hebreus 5:7: “Ele, Jesus, nos dias da sua carne, tento oferecido, com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas a quem o podia livrar da morte e tendo sido ouvido por causa da sua piedade”. O texto refere-se à agonia do Getsêmani, quando Jesus não apenas suou sangue, mas também orou com forte clamor e lágrimas. Jesus demonstrou um grande peso pela culpa humana. Isso nos ensina como deveríamos olhar para a situação das pessoas. Por outro lado, essas foram as lágrimas do nosso substituto.

Provavelmente Jesus também tenha chorado quando ele se encontrou com a viuva de Naim em um cortejo fúnebre de seu unico Filho. Vemos isso registrado em Lucas 7. 12-15  E, quando chegou perto da porta da cidade, eis que levavam um defunto, filho único de sua mãe, que era viúva; e com ela ia uma grande multidão da cidade. E, vendo-a, o Senhor moveu-se de íntima compaixão por ela, e disse-lhe: Não chores. E, chegando-se, tocou o esquife (e os que o levavam pararam), e disse: Jovem, a ti te digo: Levanta-te. E o que fora defunto assentou-se, e começou a falar. E entregou-o à sua mãe.

Nestas ocasiões O Senhor Nosso Deus e Salvador demonstrou, sem qualquer deslustre, que se compadece conosco, com as suas meras criaturas.

a

terça-feira, 27 de outubro de 2015

SERÁ QUE DEUS É CULPADO ?

 Finalmente a verdade é dita na TV Americana. A filha de Billy Graham estava sendo
entrevistada no Early Show e Jane Clayson perguntou a ela:

'Como é que Deus teria permitido algo horroroso assim acontecer no dia 11 de Setembro?'
Anne Graham deu uma resposta profunda e sábia:

'Eu creio que Deus ficou profundamente triste com o que aconteceu, tanto quanto nós.
Por muitos anos temos dito para Deus não interferir em nossas escolhas, sair do nosso governo e sair de nossas vidas.

Sendo um cavalheiro como Deus é, eu creio que Ele calmamente nos deixou.
Como poderemos esperar que Deus nos dê a sua bênção e a sua proteção se nós exigimos que Ele não se envolva mais conosco?'

À vista de tantos acontecimentos recentes; ataque dos terroristas, tiroteio nas escolas, etc...

Eu creio que tudo começou desde que Madeline Murray O'hare (que foi assassinada), se queixou de que era impróprio se fazer oração nas escolas Americanas como se fazia tradicionalmente, e nós concordamos com a sua opinião.

Depois disso, alguém disse que seria melhor também não ler mais a Bíblia nas escolas...
A Bíblia que nos ensina que não devemos matar, roubar e devemos amar o nosso próximo como a nós mesmos. E nós concordamos com esse alguém.

Logo depois o Dr.. Benjamin Spock disse que não deveríamos bater em nossos filhos quando eles se comportassem mal, porque suas personalidades em formação ficariam distorcidas e poderíamos prejudicar sua auto estima (o filho dele se suicidou) e nós dissemos:

'Um perito nesse assunto deve saber o que está falando'.
E então concordamos com ele.

Depois alguém disse que os professores e diretores das escolas não deveriam disciplinar nossos filhos quando se comportassem mal.
Então foi decidido que nenhum professor poderia disciplinar os alunos...(há diferença entre disciplinar e tocar).

Aí, alguém sugeriu que deveríamos deixar que nossas filhas fizessem aborto, se elas assim o quisessem.
E nós aceitamos sem ao menos questionar.

Então foi dito que deveríamos dar aos nossos filhos tantas camisinhas, quantas eles quisessem para que eles pudessem se divertir à vontade.
E nós dissemos: 'Está bem!'

Então alguém sugeriu que imprimíssemos revistas com fotografias de mulheres nuas, e disséssemos que isto é uma coisa sadia e uma apreciação natural do corpo feminino.


E nós dissemos:


'Está bem, isto é democracia, e eles tem o direito de ter liberdade de se expressar e fazer isso'.



Depois uma outra pessoa levou isso um passo mais adiante e publicou fotos de Crianças nuas e foi mais além ainda, colocando-as à disposição da internet.




Agora nós estamos nos perguntando porque nossos filhos não têm consciência e porque não sabem distinguir o bem e o mal, o certo e o errado;
porque não lhes incomoda matar pessoas estranhas ou seus próprios colegas de classe ou a si próprios...

Provavelmente, se nós analisarmos seriamente, iremos facilmente compreender:
nós colhemos só aquilo que semeamos!!!

Uma menina escreveu um bilhetinho para Deus:
'Senhor, porque não salvaste aquela criança na escola?'
A resposta dele:
'Querida criança, não me deixam entrar nas escolas!!!'

É triste como as pessoas simplesmente culpam a Deus e não entendem porque o mundo está indo a passos largos para o inferno.

É triste como cremos em tudo que os Jornais e a TV dizem, mas duvidamos do que a Bíblia, ou do que a sua religião, que você diz que segue ensina.

É triste como alguém diz:
'Eu creio em Deus'.
Mas ainda assim segue a Satanás, que, por sinal,também ''Crê'' em Deus.

É engraçado como somos rápidos para julgar mas não queremos ser julgados!

Como podemos enviar centenas de piadas pelo e-mail, e elas se espalham como fogo, mas, quando tentamos enviar algum e-mail falando de Deus, as pessoas têm medo de compartilhar e reenviá-los a outros!

É triste ver como o material imoral, obsceno e vulgar corre livremente na internet, mas uma discussão pública a respeito de Deus é suprimida rapidamente na escola e no trabalho.


Você mesmo pode não querer reenviar esta mensagem a muitos de sua lista de endereços porque você não tem certeza a respeito de como a receberão, ou do que pensarão a seu respeito, por lhes ter enviado.

Não é verdade?
Gozado que nós nos preocupamos mais com o que as outras pessoas pensam a nosso respeito do que com o que Deus pensa...

'Garanto que Ele que enxerga tudo em nosso coração está torcendo para que você, no seu livre arbítrio, envie estas palavras a outras pessoas'.

Passe essa mensagem adiante, se acha que ela tem algum mérito.
Se não, ignore-a... e delete-a...

domingo, 25 de outubro de 2015

A Heresia entre os Santos.

Por A.W.Tozer

A heresia consiste não tanto em rejeitar,
mas em selecionar. O herético simplesmente seleciona as partes das Escrituras que pretende enfatizar e deixa de lado o resto. A etimologia da palavra heresia mostra isso, e também a prática do herético prova o fato.

Certo escritor do século XIV alertou os seus leitores no prefácio de um livro:

“Cuidado para não adotar alguma coisa de que você gosta, deixando outra de lado, pois é isso que o herético faz. Mas considere tanto uma coisa como a outra.”

O velho escriba sabia muito bem como somos propensos a adotar as partes da verdade que nos agradam e a desconsiderar as outras partes. E isso é heresia.

Quase todo tipo de seita que conhecemos pratica essa arte de selecionar e desconsiderar. As seitas que afirmam não existir inferno, por exemplo, normalmente enfatizam tudo na Bíblia que parece apoiar a posição delas e subestimam ou explicam a seu modo todas as passagens que tratam do castigo eterno.


Mas faremos bem se dermos uma boa olhada naquilo que nós mesmos fazemos. A tendência para a heresia não está restrita às seitas. Por natureza, todos nós somos heréticos. Nós que nos consideramos doutrinariamente ortodoxos talvez na prática sejamos heréticos de alguma forma. Podemos inconscientemente escolher e dar especial atenção aos textos bíblicos que nos confortam e encorajam e passar por cima dos textos que nos repreendem e alertam. É tão fácil cair nessa armadilha que talvez estejamos nela mesmo sem saber.

Considere por exemplo, uma Bíblia sublinhada. Pode ser uma experiência esclarecedora espiar uma delas às vezes e ver como o dono grifou quase apenas as passagens que o consolam ou que apoiam os seus pontos de vista doutrinários.


Em geral, gostamos dos versículos que nos tranquilizam e nos esquivamos daqueles que nos perturbam.
Sem dúvida, Deus nos acompanha até onde pode nessa forma deficiente e unilateral de tratar as Sagradas Escrituras, mas ele não pode agradar-se dessa nossa maneira de agir. Nosso Pai Celestial se agrada de ver-nos desenvolver e crescer espiritualmente. Ele não deseja que vivamos com uma dieta unicamente de coisas doces.

Ele nos dá Isaías 41 para nosso encorajamento, mas também nos dá Mateus 23 e o livro de Judas, e espera que leiamos isso tudo. O capítulo oito de Romanos é uma das passagens mais encorajadoras de toda a Bíblia, e a sua aceitação por parte de todos é bem merecida; mas nós precisamos também da Segunda Epístola de Pedro, e não deveríamos deixar de lê-la. Quando lemos as epístolas de Paulo, não devemos parar nas seções doutrinárias, mas precisamos avençar, lendo as saudáveis exortações que vêm depois e meditando nelas. Não devemos parar em Romanos 11; o resto da epístola também é importante e, se queremos tratar nossa alma corretamente, temos de dar-lhe a mesma atenção que demos aos primeiros dez capítulos.

Em suma, a saúde da nossa alma requer que consideremos a Bíblia toda como ela é e permitamos que ela faça a sua obra em nós.

Não podemos ser seletivos com algo tão importante como a Palavra de Deus e nosso próprio futuro eterno.

Jesus disse que João Batista era Elias reencarnado? Mateus 11:14


PROBLEMA: Nesse versículo Jesus refere-se a João Batista como "Elias, que
estava para vir" (cf. Mt 17:12; Mc 9:11-13). Mas, já que Elias havia morrido muitos séculos antes, João então seria uma reencarnação de Elias.

SOLUÇÃO: Há muitas razões pelas quais esse versículo não ensina a reencarnação. Em primeiro lugar, João e Elias não foram o mesmo ser - eles tiveram a mesma função. Jesus não estava ensinando que João Batista literalmente era Elias, mas apenas que João veio "no espírito e poder de Elias" (Lc 1:17), ou seja, para continuar o seu ministério profético.

Em segundo lugar, os discípulos de Jesus entenderam que ele estava falando de João Batista, já que Elias apareceu no monte da Transfiguração (Mt 17:10-13). Àquela altura, depois da vida e da morte de João Batista, e já que Elias ainda tinha o mesmo nome e autoconsciência, ele obviamente não tinha se reencarnado em João Batista.

Em terceiro lugar, Elias não se enquadra dentro do modelo da reencarnação por uma outra razão: é que ele não morreu. Ele foi tomado ao céu como Enoque, que "foi trasladado para não ver a morte" (2 Rs 2:11; cf. Hb 11:5). De acordo com o falso ensino da reencarnação, o que tradicionalmente é dito é que uma pessoa tem de morrer primeiro, para depois reencarnar-se num outro corpo.

Em quarto lugar, se houver qualquer dúvida quanto a essa passagem, ela deverá ser entendida à luz do claro ensino das Escrituras contra a reencarnação. O autor de Hebreus, por exemplo, declara que "aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo" (Hb 9:27; cf. Jo 9:2)


MANUAL POPULAR de Dúvidas, Enigmas e "Contradições" da Bíblia - 
Norman Geisler - Thomas Howe.

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

A aparente imcapacidade de Jesus.

Marcos: 6. 1. Saiu Jesus dali, e foi para a sua terra, e os seus discípulos o seguiam.  Ora, chegando o sábado, começou a
ensinar na sinagoga; e muitos, ao ouví-lo, se maravilhavam, dizendo: Donde lhe vêm estas coisas? e que sabedoria é esta que lhe é dada? e como se fazem tais milagres por suas mãos? . Não é este o carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, de José, de Judas e de Simão? e não estão aqui entre nós suas irmãs? E escandalizavam-se dele.  Então Jesus lhes dizia: Um profeta não fica sem honra senão na sua terra, entre os seus parentes, e na sua própria casa. E não podia fazer ali nenhum milagre, a não ser curar alguns poucos enfermos, impondo-lhes as mãos. E admirou-se da incredulidade deles. Em seguida percorria as aldeias circunvizinhas, ensinando. - Bíblia JFA Offline!


Ha uma ano atraz Jesus havia sido ameaçado de morte pelos seus conterrâneos, houve contra ele uma tentativa de homicídio contra ele (Lc. 4.29), mas ele graciosamente voltou lá e deu-lhes uma nova oportunidade para convence-los.
Por mais quw eles tenham ficado admirados com a sua sabedoria e obra, não o o reconheceram como filho de Deus, apenas como um filho de carpinteiro e por isso se escandalizaram nele (v3)
Eles ficaram surpresos de como Jesus poderia fazer tudo aquilo,  e ao mesmo tempo Jesus se admirou da incredulidade deles.

Tem duas vezes nas escrituras que Jesus ficou admirado: com a fé do centurião e com a incredulidade dos seus concidadãos.

Jesus Cristo não foi capaz de realizar ali algum  milagres. Entretanto isso não quer dizer que ele tentou curar algumas pessoas e não conseguiu por descobrir, ou se sentir imcapaz, mas por que tão poucas pessoas possuiam o minimo exigido pelo Senhor para serem curadas, Ter fé e recebelo.

Jesus é todo poderoso como Deus e mesmo assim era homem, pelo fato de ele possuir todo o poder isso não significa que ele sempre quiz exece-lo, ou que ele não estabeleceu algum critério pra fazê-lo.
O "não pode" de Marcos 6.5 possui um significado moral e não meramente metafísico, como muitos imaginam.

Jesus tinha a capacidade de fazer milagres, como de fato o fez (v.5), e deu poder para os discípulos fazerem (v.7).
Assim a sua nescessidade foi estebelecida no campo da moral e não da metafísica. Jesus recusou-se a fazer milagres por que viu que não valeria a ação.
Deus não faz milgres para vc ter fé, O Senhor faz milgres para aqueles que tem fé Nele ainda que o inverso não podemos negar que ja tenha sido feito na história.

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Jesus na Casa de Marta.

E aconteceu que, indo eles de caminho, entrou numa aldeia; e certa mulher, por nome Marta, o recebeu em sua casa; E tinha esta uma irmã chamada Maria, a qual, assentando-se também aos pés de Jesus, ouvia a sua palavra. Marta, porém, andava distraída em muitos serviços, e, aproximando-se, disse: Senhor, não se te dá de que minha irmã me deixe servir só? Dize-lhe, pois, que me ajude. E, respondendo Jesus, disse-lhe: Marta, Marta, estás ansiosa e afadigada com muitas coisas, mas uma só, é necessária; e Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada.

INTRODUÇÃO

O texto fala a respeito da visita do Senhor Jesus à casa de uma mulher cujo nome era Marta. Esta que por sua vez tinha uma irmã por nome Maria, que ao perceber a presença de Jesus não se afastava dele. Ao que lhe pediu Marta dizendo: Senhor, manda que minha irmã venha me ajudar nos trabalhos domésticos.
Jesus replicou: Marta, Marta, estás ansiosa e afadigada com muitas coisas, porém sua irmã fez uma boa escolha.

DESENVOLVIMENTO

* Marta andava distraída, ansiosa e afadigada com as coisas desta vida e isto não lhe deixava tempo para cuidar da sua vida com Deus. Muitas pessoas, assim como Marta, andam ansiosas, distraídas, afadigadas e sem tempo para sua vida com Deus.
* Ansiosa - sem a paz que o Pai pode dar (1Pe 5:7 - ...lançando sobre ele toda nossa ansiedade).
* Afadigada - sem o descanso que o Filho pode dar.
* Distraída - sem comunhão com o Espírito Santo.
* Aos pés - descansando no caminho da salvação, no projeto de Deus.

CONCLUSÃO

Faça como Maria. Escolha hoje estar aos pés do Senhor Jesus, faça uma boa escolha.

Fonte: Biblia Pregai

Orações que São Atendidas

Durante a Segunda Guerra Mundial um piloto que caiu no Oceano Pacífico, ficou flutuando por algum tempo num bote pneumático sem ser encontrado. Afinal, em desespero, elevou aos Céus esta oração: "Amado Deus, há vinte anos que nada vos peço. Se ouvirdes minha oração e enviardes alguém para me salvar, não vos molestarei por outro vinte anos."
Disse certo escritor que muita gente trata a Deus como se fosse um advogado ou médico. Vão ter com ele quando estão em dificuldade ou adoecem. Muitos têm a oração na conta de um recurso numa hora de grande apuro, quando não encontram nenhum outro auxílio.
A oração é o meio pelo qual os que vivem na Terra se podem comunicar com o Pai que está nos Céus. Cristo, quando na Terra, ficou provado da comunhão diária com Deus, que fruíra no Céu. Passava noites inteiras em oração, pois esta era Sua maneira de falar com o Pai.
Adão, antes da queda, cada tarde tinha oportunidade de andar e falar com Deus. O pecado separou o homem de seu Pai celestial no que concerne à comunhão face-a-face, mas Deus concedeu então ao homem o privilégio de falar com Ele mediante a oração. Que privilégio é comungar com o nosso Pai celestial a qualquer tempo e sob quaisquer circunstâncias!
Deus anela que Lhe abramos nosso coração e Lhe apresentemos nossos problemas, para que nos ajude. Vejamos agora como podemos falar com Deus de modo que nossas orações sejam ouvidas e atendidas.

A BÍBLIA FALA

1. Que pediam os discípulos a Jesus que lhes ensinasse?
Resposta Bíblica, Lucas 11:1
NOTA: Como os discípulos, precisamos aprender de Deus a orar como Cristo orou, a fim de que Deus possa ouvir e atender nossas peti

3. Em nome de quem podemos confiantes aproximar-nos do trono de Deus em oração?
Resposta Bíblica, João 14:14 página 963.
NOTA: É graças aos méritos da perfeita vida de Cristo que nos podemos de graças.

5. Com quanta sinceridade devemos buscar a Deus em oração?
Resposta Bíblica, Jeremias 29:12,13.

6. Que certeza nos é dada de que Deus ouvirá nossas orações?
Resposta Bíblica, Mateus 7:7,8

7. Até que ponto está Deus disposto a atender às orações de Seu povo?
Resposta Bíblica, Mateus 7:11.

8. Que auxílio é prometido ao filho de Deus, para que suas orações sejam compreendidas e atendidas por Deus?
Resposta Bíblica, Romanos 8:26.

9. Que condições disse Cristo que seria necessária para que nossas orações sejam atendidas?
Resposta Bíblica, Marcos 11:24 página 899.

10. Se nos falta fé quando oramos, qual, diz a Bíblia, será o resultado?
Resposta Bíblica, Tiago 1:6,7

11. Que petições podemos esperar que Deus atenda?
Resposta Bíblica, I João 5:14,15

12. Por que não são algumas de nossas orações atendidas como desejaríamos?
Resposta Bíblica, Tiago 4:3

13. Sob que condições recusa o Senhor atender a nossas orações?
Resposta Bíblica, Salmo 66:18 

14. As orações de quem, são uma abominação ao Senhor?
Resposta Bíblica, Provérbios 28:9 

15. Com que freqüência deve o Cristão orar?
Resposta Bíblica, I Tessalonicenses 5:17

16. Em que ocasiões tomava Davi tempo para orar?
Resposta Bíblica, Salmo 55:17 página 539.
Disse alguém que a oração é o abrir de nosso coração a Deus como a um amigo. É partilhar as alegrias e tristezas da vida com Alguém que nos ama e cuida de nós. Que privilégio, partilhar com Deus nossos pensamentos mais íntimos!
Em certas horas do dia é às vezes muito difícil telefonar a uma pessoa querida, porque as linhas estão todas ocupadas. Como nos agrada ouvir a voz da pessoa querida e distante, mesmo pelo telefone! Milhões de milhões de dolares gasta todos os anos o povo brasileiro, porque quer falar com os queridos distantes.

Para falar ao Rei do Universo não precisamos gastar coisa alguma, senão um pouco de tempo de joelhos. Quantas vezes carregamos fardos e problemas desnecessários porque não tomamos tempo para orar! Tomemos hoje a decisão de enriquecer nossa vida de oração a fim de que se torne uma experiência compensadora, à medida que a ela recorremos para pôr-nos em comunhão com o nosso Deus. As linhas que nos põem em comunicação com o Rei do Universo jamais estão ocupadas; sempre há uma livre para nossa oração sincera.
Então porque não expressar este desejo a Deus em oração?
( ) Com o auxílio de Deus, passarei cada dia algum tempo em oração.
( ) Quero aprender a orar eficazmente.

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

O Peso da Oportunidade.

As oportunidades muitas vezes são vistas como um peso, por aqueles que a obtém, ainda mais quando os mesmos se encontram dentro de uma situação oportuna, que foi privilegiada a poucos de seu convívio familiar, social,
profissional e religioso. Essa pessoa se sente pressionada pelas cobranças daqueles que estão a sua volta, ou até mesmo daqueles que estão distante e ainda por desconhecidos de formas variadas, quando eles, não só esperam, mas lhe cobram resultados pela oportunidade ao mesmo disponibilizada.

De todas as partes a pessoa sente que as cobranças estão vindo sobre ela, de todos os lados ela se sente com os olhares atento sobre a sua pessoa, com uma forte espectativa sobre as suas ações e do resultado delas, sendo ela  positiva, ou não. "Digo positiva ou não pelo fato de que muito de seus expectadores esperam que venha de você uma ação e um resultado negativo, de fracasso mesmo, por não te acharem digna de tal oportunidade, e por se acharem a pessoa merecedora de tal ou de tais circunstâncias oportuna, favorável para a realização de algo. Por isso não toecem por você. Por causa disso muitas pessoas acham que a oportunidade é um peso.

Oportunidade é a qualidade, o caráter do que é oportuno, é. uma ocasião azada; uma circunstância oportuna, favorável para a realização de algo.

Uma oportunidade é vista como um acontecimento oportuno capaz de melhorar o estado atual de um indivíduo, uma situação nova que traga benefícios.

Muitas pessoas procuram oportunidades que possam melhorar as suas vidas. No entanto, nem todas as pessoas sabem aproveitar as oportunidades que aparecem. Nos dias de hoje, por exemplo, muitas pessoas adam atrás de oportunidades na vida, principalmente aquelas que proporcionarão uma mudança em sua situação finançeira, logo uma mudança em sua posição social, uma mudança de estatos. E por isso que muitas cobranças são feitas, e com isso muitas pessoas sentem que a oportunidade é um peso.

A oportunidade é uma importante qualidade, pois significa a capacidade de fazer uma coisa adequada no momento oportuno, por isso ela não é um peso, mesmo que haja cobranças, visto que no final das contas certos resultados serão exigidos a todos independentemente se uma pessoa teve oportunidade ou não.

A oportunidade não é um peso,  pesado mesmo é uma pessoa ter que se apresenta, no espetáculo da vida, tendo que apresentar os mesmos resultados que os outros sem terem as mesmas oportunidade. Como disse um poeta uma vez "... sabe lá, o que é não ter, e ter que ter pra dar...".
O que pesa é a dor de consciência, (daqueles que não tem a sua mente cauterizada é  claro), com o fato de terem deixado oportunidade passar, ou porque jogaram elas fora. Tendo uma quantidade enorme de pessoas na fila esperando a sua vez, sem nunca chegar.

Muitas coisas pesam, mais não uma oportunidade.

Tenha uma coisa em mente, para mim o que pesa e uma pessoa ter que Realizar sem poder, dar sem ter, lutar sem ter força alguma, ajudar quando se estar precisando, ser caridoso com alguém, quando se está ferido.
Mas uma coisa é certa só nós sabemos a dor e a delícia de se viver e tendo o Senhor como ajudador não temos o que temer.


sábado, 26 de setembro de 2015

Você sabia que Jesus não era carpinteiro?


Não interessa se você é evangélico ou faz parte de qualquer outra religião. Não importa se você acredita na existência de Jesus Cristo ou não. Independente de qualquer um desses fatores, uma coisa é verdade: todos nós conhecemos a história do “filho de Deus”, não é mesmo?
Agora responda rápido: qual era a profissão de Jesus? Ah, essa é fácil! Carpinteiro é a resposta certa, não é? Talvez não.

Aonde está escrito que Jesus era carpinteeiro? Os evangelhos falam literalmente que Jesus era um carpinteiro.
Não é este o carpinteiro, filho de Maria, e irmão... (Mc. 6.3)
Jesus tinha ess profissão por que o seu pai, José, era carpinteiro, como conta Mateus 13,55: 
Não é este o filho do carpinteiro? e não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos Tiago, e José, e Simão, e Judas?
Nós sabemos bem pouco sobre Jesus, até quando ele começa o seu ministério público, quando tinha 30 anos. Era normal que uma pessoa da sua idade tivesse o seu trabalho quotidiano. Naquele período, mais do que agora, era natural que o filho seguisse os passos "profissionais" do pai.
Seria interessante também verificar o sentido da palavra grega "tékton", que na maioria das línguas se tornou "carpinteiro". A nossa ideia de "carpinteiro" é muito moderna e limitada ao trabalho com a madeira. Pode ser que a palavra grega usada tivesse um significado mais geral, como por exemplo "construtor".
 De acordo com alguns novos estudos a respeito da tradução da palavra grega “tecton”, citada em Marcos, e escrita “tekton” em Mateus, os termos descreveriam um profissional de serviços gerais.
Esses estudos sugerem que não só Jesus trabalhava como o famoso “faz-tudo” como, ao que tudo indica, serviços envolvendo marcenaria nem faziam parte do seu cotidiano. Contudo, é preciso entender que ele não fazia apenas pequenos afazeres, mas também já foi citado em serviços que envolviam projetos e construções de pontes, templos de pedras e afins – trabalhos que talvez o rendessem, hoje, uma profissão de ajudante de obra, quem sabe um Pedreiro, no máximo um futuro como engenheiro.

Se você quizer tirar dúvida, confira pelas parábola dita pelo Divino Mestre sobre construção e nenhuma sobre carpintaria.

Fonte: Diversas

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Os 7 Pecados Capitais


Quem nunca pecou que atire a primeira pedra. Independente do posicionamento religioso de cada um, todos temos noção do que é considerado pecado, especialmente dentro do universo cristão. Para o cristianismo, pecado é tudo aquilo que afronta os preceitos sagrados de Deus, e entre tudo o que pode ser feito de errado há sete pecados que são considerados mortais. Você já se perguntou por que isso acontece?

O site What Christians Want to Know frequentemente publica conteúdos que visam esclarecer o cristianismo. O colunista Jack Wellman explicou algumas questões a respeito dos pecados capitais segundo o Rei Salomão, e nós resolvemos compartilhá-las com você.

Antes de tudo: Por que sete?

Segundo a Bíblia, Deus criou o mundo em sete dias e descansou no sétimo. No calendário, uma semana tem sete dias. Já para os fieis da Israel antiga, o descanso acontecia durante o sábado – o sétimo dia da semana era tanto para o descanso como para cultos religiosos.

Na raiz hebraica, a palavra “sete” significa “estar completo”, e justamente por isso não precisa que nada seja retirado ou adicionado. É um número considerado perfeito e bem acabado. Seguindo a lógica do pecado, a pessoa que comete os sete pecados mortais nomeados por Rei Salomão acaba desrespeitando Deus diretamente. Conheça esses pecados a seguir:

1 – Um olhar orgulhoso

Para a Bíblia, o orgulho é o pecado que faz as pessoas olharem para as outras com soberba e superioridade. O Livro Sagrado explica, ainda, que o orgulho foi o motivo que provocou a expulsão de Lúcifer do paraíso e, consequentemente, a mudança de seu nome – Lúcifer significa “portador da luz”.

O orgulho por ter sido considerado o maior anjo do paraíso fez com que Lúcifer começasse a planejar formas de roubar o lugar de Deus. Quando foi expulso do paraíso, seu nome passou a ser Satã – no hebraico, significa “adversário” e “acusador”. É por causa do comportamento de Lúcifer que o orgulho é visto pelos cristãos como a raiz de todos os pecados do mundo, e por isso aparece sempre listado em primeiro lugar.

2 – Uma língua mentirosa

O lago de fogo da segunda morte, repleto de anjos que foram expulsos do paraíso, é o destino dos mentirosos, de acordo com a explicação de Wellman. Lá, o tormento eterno está garantido, e, logicamente, o orgulho é tido como o estopim para uma boca mentirosa.

Para o cristianismo, quando mentimos estamos querendo esconder uma situação e exibir uma boa aparência, ainda que ela não seja verdadeira. A mentira também é vista como uma desculpa dada por aqueles que não estão fazendo a coisa certa – tudo isso com a finalidade de fazer com que o mentiroso seja visto de uma forma positiva, mesmo quando não merece.

Na Bíblia, a língua é comparada a uma pequena faísca, capaz de espalhar o fogo por uma floresta inteira. Mesmo sendo uma pequena parte do corpo, é capaz de promover grandes eventos. “De uma mesma boca procede bênção e maldição”, diz um trecho de Tiago (3: 7-10).

3 – Mãos que derramam sangue inocente

Assim como Jesus Cristo foi morto mesmo sendo inocente, qualquer um que fira ou mate um inocente é considerado um grande pecador. Wellman explica que atualmente há mais condutas que se encaixam nesse pecado capital.

Além de matar e machucar, é culpado também aquele que incentiva o consumo de bebidas e drogas, por exemplo, porque está facilitando a ocorrência de alguma tragédia. E adivinha só? O orgulho é novamente visto como a raiz de mais um pecado capital.

4 – Mãos que inventam planos perversos

Não é apenas quem mata que peca. Se o crime foi planejado por outra pessoa, essa pessoa também vai ser condenada. Além dos casos de assassinatos, crimes em geral também são considerados pecados mortais.

A pessoa que rouba alguém ou que planeja qualquer tipo de crime está indo contra os preceitos divinos também. Wellman cita como exemplo casos de estupro, assassinatos, assaltos e outras infrações que são ilegais conforme a justiça dos homens.

5 – Pés que se apressam

O pecado aqui consiste em se prontificar a ajudar alguém a fazer o mal. A lógica é a de que, se os pés estão dispostos a correr em direção ao mal, farão o mal também. Wellman destaca também a ambição dentro desse pecado. São pessoas que não hesitam em fazer algo errado em busca de um bem próprio. Mentem, enganam, agridem, roubam e matam sem pensar na gravidade do que fazem. São as pessoas que tiram vantagens daqueles que estão vulneráveis.

Em tempos atuais, Wellman compara a ação de quem encontra uma bolsa perdida, por exemplo, e resolve ficar com ela, mesmo tendo a possibilidade de devolvê-la para o dono. São as pessoas que têm atitudes erradas sem ao menos refletir sobre elas. Querem o caminho mais fácil, a recompensa maior e acreditam que outros indivíduos são apenas pedras no meio do caminho.

6 – Quem dá falso testemunho

E mais uma vez voltamos ao pecado-raiz que é o orgulho, a motivação que está por trás de quem mente a respeito de outras pessoas. Quem dá um falso testemunho geralmente coloca outras pessoas em situação de julgamento, as fazendo pagar por algo que não fizeram. É o pecado de quem tem o costume de jogar a culpa nos outros com o objetivo de se sair bem de situações complicadas.

Wellman contextualiza esse pecado ao citar como exemplo possíveis desentendimentos em ambientes de trabalho. Quando algo dá errado, sempre tem aquela pessoa que culpa alguém que nem está presente para se defender.

7 – Quem desperta conflitos

Aqui o autor explica que a pessoa que planta intrigas, faz fofocas ou cria conflitos está indo em direção aos pecados que mais ofendem a Deus. De acordo com Wellman, quem provoca conflitos é como aquele que joga material inflamável em um incêndio que outros estão tentando apagar. Além do mais, a pessoa fofoqueira e intrigueira também é cheia de orgulho – quer colocar os outros em maus lençóis para mostrar que é superior.



Por outro lado, o site All About explorou a visão social e literária dos sete pecados capitais – talvez seja a versão com a qual você esteja mais acostumado. Confira:

1 – Luxúria: Ter necessidades e desejos intensos. Segundo a Bíblia, aquele que olha para uma mulher com desejo já está cometendo adultério;

2 – Gula: O excesso de apetite por comida ou bebida;

3 – Cobiça: A ganância excessiva e abusiva de ter alguma coisa ou estar com alguma pessoa;

4 – Preguiça: A falta de energia e vontade para realizar determinadas atividades;

5 – Ira: Indignação forte ou vingativa;

6 – Inveja: Ressentimento pela conquista alheia, seguido do desejo de conseguir a mesma coisa;

7 – Orgulho: Sentir-se orgulhoso e superior aos demais.

***

Essas são duas leituras possíveis dos sete pecados capitais. Se você conhece mais alguma, conte para a gente nos comentários!

FONTES What Christians Want to Know/Jack Wellman  All

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Estratégia de Evangelismo. (Uma palavra rápida)

 O meio evangélico tem sido bastante fértil em produzir o seu próprio sincretismo.


Como bem disse o nossos irmãos ...Pedro e os apóstolos, [quando] disseram: Mais importa obedecer a Deus do que aos homens (At. 5.29). Respondendo, porém, Pedro e João, lhes disseram: Julgai vós se é justo, diante de Deus, ouvir-vos antes a vós do que a Deus. (At. 4:19)

Como é isso estratégica adulterando os mandamentos bíblicos? A lei de Gerson, em quer os fins justificam os meios? Isso é pragmatismo. Tem mais prazer Deus que se faça sacrifícios do que sejamos fiéis a sua palavra? Bem profetizou Isaías e Jesus disse. ...Este povo honra-me com os lábios, Mas o seu coração está longe de mim;
Em vão, porém, me honram, Ensinando doutrinas que são mandamentos de homens". Marcos 7:6-7. Olhamos para o testemunho que Paulo dar de se mesmo
E eu, irmãos, apliquei estas coisas, por semelhança, a mim e a Apolo, por amor de vós; para que em nós aprendais a não ir além do que está escrito... 1 Coríntios 4:6a.
Existe uma diferença entre autoridade outorgada e autoridade inerente, sobre isso eu tenho muito o que fala mas o espaço é pouco, mas deixo a palavra do Senhor Jesus somada a do apóstolo Paulo que citei a cima
"...se guardarem a minha palavra, também guardarão a vossa.
João 15:20c.

visto que para muitos, a quantidade de pessoas nos cultos tornou-se o critério para se avaliar o sucesso de um ministério ou de uma igreja.
Aquilo ou aquele que mais atrair o público é tido como bom, sem precisar fazer uma análise crítica. E isso tem levado muitos pastores, líderes e crentes em geral, a abrirem mão dos conceitos e princípios expostos nas Sagradas Escritura, para o uso de novos "métodos" que são supostamente mais "eficazes", ou seja, atraem grandes multidões, e isso é sincretismo, e paganismo dentro da igreja.

A permissão dada oas Irmãos, em Corínto, para que os mesmos comprassem de tudo que se vende no mercado (mesmo o que foram antes sacrificados aos ídolos). E usado como argumento para essas discrepâncias.

1. Os irmãos de Coríntos não tinham nenhum outro lugar para compra carne por que todos os açougues vendiam carne que eram antes sacrificada no templo em culto pagão.
2. O tema abordado por Paulo é paganismo e não sincretismo.
3. Eu tenho a certeza que se a igreja em corinto pegasse a carne que foi sacrificada no templo pagão e fizessem um churrasco na igreja com o intuito de evangelizar como é feito com a festa junina, por exemplo, ele combateria essa prática.

Obs. Na igreja em Corinto havia irmãos participando das festas pagãs e por causa disso estavam escandalizando os irmãos mas fracos, haviam pessoas que não queriam comprar carnes no açougues e nem aceita convite de parentes que não eram convertido,e a abordagem é dentro desse assunto, não tem nada haver com festas culturais abraçada pela igreja com uma roupagem cristã.

Graça e Paz sejam com todos vocês. Amem!

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Nele estava a vida: (João 1.4)


Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens.'

Jesus declarou que além de possuir "a vida em si mesmo" (Jo 5.25).
Ele era a "ressurreie a vida" (Jo 11.25; 5.25). No Antigo Testamento o Pai é identificado como fonte e manancial de vida.

E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente. (Gn. 2.7)


Amando ao Senhor teu Deus, dando ouvidos à sua voz, e achegando-te a ele; pois ele é a tua vida, e o prolongamento dos teus dias; para que fiques na terra que o Senhor jurou a teus pais, a Abraão, a Isaque, e a Jacó, que lhes havia de dar (Dt 30.20)

 Porque em ti está o manancial da vida; na tua luz veremos a luz. (Sl 36.9). 

Era um título  que pertencia unica e exclusivamente ao Criador de toda vida

Como o orvalho de Hermom, e como o que desce sobre os montes de Sião, porque ali o Senhor ordena a bênção e a vida para sempre. (Sl. 133.3)

Jesus Cristo entretanto atribuiu  a si mesmo eata designaçâo divina "Pois, assim como o Pai ressuscita os mortos, e os vivifica, assim também o Filho vivifica aqueles que quer". "Porque, como o Pai tem a vida em si mesmo, assim deu também ao Filho ter a vida em si mesmo" (Jo 5.21, 26)

Jesus Cristo como tal, foi reconhecido como sendo aquele que tem a vida em si mesmo E omo sendo aqule que é  a luz dos homens, Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. (João 1.4) ...e as nossas mãos tocaram da Palavra da vida (Porque a vida foi manifestada, e nós a vimos, e testificamos dela... (1João 1.1b,2a).
Assim podemos ter a certeza de que nele estava a vida, seja através  de seus ensinos (Jo. 5.32-35; 11.25), ou seja por meio de seus atos milagrosos (Jo. 11.42-45; Mt. 9.18,19, 23-25), o que podemos afirmar com isso e que todo aquele que não reconhece a Jesus Cristo como Senhor e Salvador (falo daqueles que não querem mesmo, que rejeitam o evangelho), E não quereis vir a mim para terdes vida (João 5
5.40), Aqueles que fazem isso, assim o fazem, por que amam as trevas.

E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz, e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas. (João 3.19,20)

A vida  em Cristo é  Eterna. Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então também vós vos manifestareis com ele em glória (Cl 3.4). Portanto, tudo sofro por amor dos escolhidos, para que também eles alcancem a salvação que está em Cristo Jesus com glória eterna. (2Tm 1.10), sendo uma vida que provem de Deus e está  cheia de gozo, paz e alegria.

O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que temos contemplado, e as nossas mãos tocaram da Palavra da vida
vida. (Porque a vida foi manifestada, e nós a vimos, e testificamos dela, e vos anunciamos a vida eterna, que estava com o Pai, e nos foi manifestada) (1João 1.2,3).

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. (João 3.16-18)


segunda-feira, 13 de julho de 2015

Construção do Terceiro Templo avança em Israel




O Instituto do Templo tem mostrado com regularidade os avanços na preparação para o restabelecimento dos cultos no Templo, segundo o modelo do Antigo Testamento. Eles se dedicam a isso há 27 anos.

Depois de vários dias anunciando que fariam uma grande revelação, neste domingo (12) veio a notícia que depois de quase dois mil anos, Israel voltará a criar novilhas vermelhas, de acordo com o mandamento bíblico de Números 19.

Em parceria com um experiente criador de gado de Israel, cujo nome não foi revelado, o Instituto explica que os animais serão gerados em condições específicas e num ambiente controlado. Embora existam várias espécies de gado desse tipo sendo criados pelo mundo, até hoje não se encontrou um que se encaixe na descrição bíblica.

De acordo com o Israel National News, os embriões congelados da raça Red Angus foram levados para Israel e em breve devem ser fecundadas as primeiras matrizes.

A novilha precisa ser perfeita e com o pelo totalmente vermelho. Ela é fundamental para o trabalho dos sacerdotes do Templo na realização dos sacrifícios. Segundo o livro de Números, suas cinzas são usadas ​​para a purificação ritual.

Essa é a penúltima peça para a restauração plena do trabalho sacerdotal em Jerusalém.  A última será, sem dúvida, a Arca da Aliança.

Vários especialistas em profecias estão comentando o anúncio do Instituto do Templo. A opinião quase unânime é que daqui a três anos os animais estariam prontos para serem abatidos e usados no serviço do templo segundo os requisitos bíblicos (Gn 15:9).

Considerando que o Estado de Israel completará 70 anos em 2018, essa data é vista como o cumprimento de um tempo profético, pois marcaria o fim de uma geração. Ou seja, se tudo estiver pronto em três anos, Israel poderá retomar os sacrifícios rituais na mesma época em que se espera o fechamento de um ciclo profético.

Chama atenção o fato de o anúncio ser feito nas vésperas do período anual de três semanas, quando os judeus de todo o mundo lamentam a destruição do Templo de Salomão e do Segundo Templo (ou Templo de Herodes).

As preparações para o Terceiro Templo

O Instituto do Templo já anunciou que produziu mais de 70 objetos sagrados, com destaque para as vestes do sumo-sacerdote, incluindo o peitoral incrustado de pedras preciosas.

Somente o peitoral custou quase 500 mil reais. Há também trombetas de prata e harpas de madeira, bandejas para coletar o sangue dos sacrifícios, um incensário e a mesa onde fica o pão ritual. O candelabro (menorá) feito com 90 kg de ouro e pesando 1,5 tonelada está exibido ao público perto do muro das lamentações. Seu custo aproximado foi 3,2 milhões de reais.

Os 20 estudiosos do Talmude, que trabalham para o Instituto em tempo integral, elaboraram em detalhes todos os procedimentos seguindo as leis elaboradas cerca de 3.000 anos atrás. O Instituto afirma que já gastou mais de 30 milhões de dólares até o momento.

Os sacerdotes e levitas estão sendo treinados para os sacrifícios segundo a revelação de Moisés e o novo véu que separa o santo dos santos já está pronto.

O líder e fundador do Instituto, rabino Chaim Richman, em outras ocasiões confirmou que sabe exatamente onde está a Arca, desaparecida desde a tomada de Jerusalém pelos babilônicos. Questionado novamente sobre o assunto, reiterou hoje que eles mantiveram uma tradição há séculos e afirma que ela estaria num túnel cavado no tempo de Salomão. Quando chegar a hora, irá mostra-la ao mundo.

No mês passado, ele anunciou que teria condições de financiar a construção do Terceiro Templo assim que o governo os autorizar. Uma campanha on-line já tem arrecadado dinheiro para isso desde o ano passado.

O único empecilho para isso é que o local hoje é ocupado por duas mesquitas muçulmanas, num local que embora esteja no centro de Jerusalém não está sequer sob o controle do governo israelense.

Para os judeus que estudam as profecias sobre o final dos tempos, a restauração dos sacrifícios rituais em Jerusalém é o início do processo de aparecimento do Messias esperado por eles.  Para a maioria dos cristãos que estudam escatologia, o surgimento do Anticristo depende da restauração do templo e dos sacrifícios, segundo a interpretação de Daniel 9:27.

Existe uma divisão de opiniões sobre o Terceiro Templo. Uma corrente teológica defende que ele só será construído durante a Grande Tribulação. Outros acreditam que ele só estará de pé novamente durante o reino milenar de Cristo na Terra

Fonte: Gospel Prime.

domingo, 12 de julho de 2015

 O evangelho dos evangélicos é um simulacro



O evangelho dos evangélicos é um simulacro. Simulacro é a fotografia mais bonita que o sanduíche. Não me iludo, o evangelho dos evangélicos é mais bonito na televisão do que na vida. As promessas dos líderes espirituais são mais garantidas pela sua prepotência do que pela sua fé. Temos muitos profetas na igreja evangélica, mas acredito que tenhamos muito mais falsos-profetas.

Os testemunhos dos abençoados são mais espetaculares do que a realidade dos cristãos comuns. De vez em quando (isso faz parte da dimensão masoquista da minha personalidade) fico assistindo estes programas, e penso que é jogada de marketing, testemunho falso. Mas o fato é que podem ser testemunhos por amostragem. Isto é, entre os muitos que faliram, há sempre dois ou três que deram certo. O testemunho é vendido como regra, mas na verdade é apenas exceção.

A aparência de integridade dos líderes espirituais é mais convincente na TV e no rádio do que na realidade de suas negociatas. A igreja evangélica esta envolvida nos boatos com tráficos de armas, lavagem de dinheiro, acordos políticos, vendas de igrejas e rebanhos, imoralidade sexual, falsificação de testemunho, inadimplência, calotes, corrupção, venda de votos.

A integridade do palco é mais atraente do que a integridade na vida. A fé expressa no palco, e nas celebrações coletivas é mais triunfante, do que a fé vivida no dia a dia. Os ideais éticos, e os princípios de vida são mais vivos nos nossos guias de estudos bíblicos e sermões do que nas experiências cotidianas dos nossos fiéis. Os gabinetes pastorais que o digam: no ambiente reservado do aconselhamento espiritual a verdade mostra sua cara.


Ed René Kivitz