quinta-feira, 28 de agosto de 2014

EU SOU!!!

Os 7 “Eu Sou” ditos por Jesus":  O verbo "Eu  sou", quando aplicado a uma pessoa estar indicando a  sua independência em relação ao tempo por que reproduz o  passado, presente e futuro ao mesmo tempo.

Jesus quando usa para si esse termo "Eu Sou", Ele estar dizendo que é Deus como Pai, porque Ele esta dizendo de si mesmo que é eterno, que Ele é passado, presente e futuro ao mesmo tempo, fazendo uma  alusão  aos termos usados  por Deus em (Ex. 3.14, Dt. 32.29),  que indicam a natureza eterna e imutável de Jeová.

Além dos termos "Eu Sou" usados por Jesus que demonstram unicamente a sua eterna existência e igualdade com  o Pai, existem outros setes que demonstram também a  sua relação conosco.

Disse Jesus Eu Sou:
•  Eu Sou O pão  da vida (Jo. 6.35,41,48).
•  Eu Sou A luz do mundo (Jo. 8.12, 9.5).
•  Eu Sou A Porta (Jo. 10.7,9).
•  Eu Sou O Bom  Pastor (Jo. 10.11,14,15).
•  Eu Sou A ressurreição  a vida (Jo. 11.25)
•  Eu Sou O Caminho  a verdade e a vida (Jo. 14.1,5).
•  Eu Sou A  videira verdadeira (Jo. 15.1,5).


Outros " Eu Sou " ditos por Jesus com outras especificações (Jo. 8.24,28, 58, 13.19, 18.5-6,8).

terça-feira, 26 de agosto de 2014

A Sexualidade e o Cristianismo: A Importância da Figura Paterna

A Sexualidade e o Cristianismo: A Importância da Figura Paterna: Conceber e parir um filho é algo natural, acontece. Pode-se desejar um filho e fazer de tudo para engravidar, mas o fato em si ocorre fo...

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

CUIDADO com os Ensinos de: JOYCE MEYER


Joyce Meyer ficou muito popular através dos vários livros que escreveu e por suas pregações sobre Teologia da Fé/Prosperidade, a qual como a maioria dos seus mestres, tem transformado o sangue de Cristo em um líquido viscoso e dourado e este, por sua vez, é cunhado em barras de ouro para enriquecer os pregadores e embalar em sonhos dourados os que acreditam nessa teologia.

Infelizmente, nem tudo que reluz é ouro... Conforme o provérbio popular, e os ensinos de Joyce Meyer contêm algumas heresias embutidas e disso vamos dar alguns exemplos, antes de delinear a vida faustosa que essa “mulher de Deus” tem usufruído graças aos ensinos que agradam os ouvintes e lhe rendem altos dividendos.

Joyce Meyer, como Copeland e Haggin, não crê que Jesus tenha efetuado na cruz a completa reparação dos nossos pecados, conforme a Bíblia ensina. Ela acredita e ensina que Jesus precisou ir ao inferno e ser ali atormentado durante três dias, a fim de completar a reparação dos pecados da humanidade:

“Durante o tempo em que Ele permaneceu no inferno, o lugar para onde você e eu deveríamos ir, por causa dos nossos pecados... Ele ali pagou o preço... Nenhum plano seria extremo demais... Jesus pagou na cruz e no inferno... Deus levantou do Seu trono e disse aos poderes demoníacos que atormentavam o Seu Filho impecável: ‘Deixem-no ir’. Foi então que o poder da ressurreição do Deus Todo Poderoso entrou no inferno e encheu Jesus... E ressuscitou dos mortos o primeiro homem nascido de novo.” 
(“The Most Important Decision You Will Ever Make: A Complete And Thorough Understanding of What It Means To Be Born Again”, 1991, páginas 35-36 do original de Joyce Meyer).

Joyce continua: “Não existe esperança alguma para ir ao céu, a não ser que se acredite de todo o coração nesta verdade... Que Jesus tomou o nosso lugar. Ele se tornou o nosso substituto e sofreu todo o castigo por nós merecido. Ele carregou todos os nossos pecados. Ele pagou o débito... Jesus foi ao inferno em nosso lugar. Ele morreu por nós” (p. 45 do mesmo livro)

Joyce Meyer declara ostensivamente que não existe esperança alguma para se chegar ao céu, a não ser que se acredite nesta “verdade” que ela está ensinando, ou seja, que Jesus desceu ao inferno, sofreu nas mãos dos demônios e ali nasceu de novo. Isso é pura heresia. Mas vejamos outra heresia contida em sua obra. Joyce se considera impecável, conforme podemos escutar em sua fita de áudio intitulada: “What Happened from the Cross to the Throne?"

"... Eu não deixei de pecar, até que finalmente entrou em minha cabeça dura que eu já não sou uma pecadora... Ora, a Bíblia diz que sou justa e não posso ser justa e pecadora ao mesmo tempo. Tudo que me ensinaram a dizer foi: ‘Sou uma pobre e miserável pecadora’. Ora, eu não sou pobre, nem miserável pecadora. Isso é uma mentira das profundezas do inferno. Isso é o que eu era, antes de nascer de novo, e se continuo sendo isso, então Jesus morreu em vão”.

Contudo, a Bíblia ensina na 1 João 1:8: “Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós”. Quem está mentindo: O Apóstolo João ou Joyce Meyer?
Como todo pregador de heresias, Joyce admite que recebe parte dos seus ensinos dos próprios anjos. Para ela e outros visionários a Palavra de Deus não é suficiente...

“Ora, os espíritos não têm corpos e, portanto, não podemos vê-los. Mas eu creio que existem vários anjos aqui, esta manhã, pregando para mim. Creio exatamente que, antes de fazer qualquer declaração, eles se inclinam para mim e me dizem ao ouvido o que eu devo transmitir a vocês” (“Witchcraft and Related Spirits - Fita de Áudio, Parte 1, 2A-27).

Como todo pregador de teologia ao gosto do ouvinte, Joyce Meyer tem uma legião de seguidores e na entrevista abaixo veremos a quanto chegam o seu prestígio e sua fortuna. Eis uma reportagem completa feita pelos repórteres americanos Carolyn Tuft (
ctuft@post-dispatch.com) e Bill Smith (billsmith@pot-dispatch.com) sobre a vida e riqueza dessa importante figura dos meios carismáticos, a qual, aos 60 anos de idade, ostenta uma fortuna milionária como somente os pregadores da fé/prosperidade conseguem acumular. Têm a palavra os dois repórteres supracitados.

Joyce Meyer garante que tudo que ela possui veio diretamente dEle. Uma empresa internacional com capital de US$10 milhões; um Sedan Mercedes Benz cinza prata de US$107 mil (do seu marido); uma casa residencial de U$2 milhões e outras casas, (dos pais e dos 4 filhos) cada uma avaliada no mesmo preço, tudo isso, segundo ela diz, constitui-se em bênçãos vindas diretamente das mãos de Deus. [N.T - Ou como está claro, dos bolsos dos iludidos pelo desejo de enriquecer facilmente, seguindo a sua teologia]. Ela diz que tem sido uma carreira admirável, nada sem um milagre acoplado e sem um contador que dirige um dos maiores ministérios televisivos do mundo. Seu ministério espera arrecadar este ano nada menos de US$95 milhões.

“Olhem ao redor”, ela disse aos repórteres no mês passado, sentada atrás de sua escrivaninha, no 3º. andar do edifício de escritórios do seu ministério, no Condado de Jefferson. “Aqui estou eu, uma ex-dona de casa de Fenton, com uma educação do segundo grau... Como poderia alguém olhar para isso e ver outra coisa que não fosse de Deus?”


Em muitos aspectos, Joyce Meyer é uma Cinderela americana.

Descrevendo-se como tendo sido sexualmente abusada, negligenciada e abandonada quando era uma jovem esposa [no primeiro casamento], Meyer se transformou numa das mais famosas e bem remuneradas pregadoras da nação americana. Ela obteve sua “prosperidade” por meio da “fé”, que prega a milhões de pessoas. “Se você permanecer firme em sua fé, vai receber o pagamento... Eu agora estou vivendo na retribuição”, disse Meyer a uma audiência em Detroit...

Aos 60 aos de idade, Meyer é uma avó, dirige o ministério junto com o marido Dave e os quatro filhos, com as respectivas esposas. Todos da família, inclusive as noras, recebem salários do ministério.

Mas, a maneira pela qual Meyer gasta o dinheiro do ministério com ela e a família pode estar violando uma lei federal, dizem os peritos em leis sobre impostos e taxas. Essas leis condenam os líderes dos grupos religiosos e outros grupos beneficentes que usam o dinheiro arrecadado para benefício próprio, aproveitando a isenção de impostos.

Wal Watchers, um dos grupos observadores, entre os que monitoram as finanças dos grandes grupos cristãos, foi convidado pelo International Revenue Service (IRS) para investigar Meyer e mais seis pregadores da TV, a fim de verificar se o seu status de isentos de impostos deve ser revogado.

Meyer e o seu advogado afirmam que ela está cumprindo escrupulosamente as leis federais. Conforme a revista Christian Life, Meyer é a mulher mais popular da América. No ano passado, ela foi a preletora principal da Christian Coalition’s Road Victory, um ajuntamento de alguns dos mais influentes líderes da política conservadora. Hoje em dia, os seus shows na TV, suas conferências regionais e arrecadação de fundos através do seu website, rendem em média U$8 milhões mensais. Desse total, o ministério afirma que despende cerca de 10%, ou uma média de US$880 mil mensais, com obras de caridade através do globo.

A estrela de Meyer tem brilhado tanto que até ela mesma fica admirada. “Dave e eu nos sentimos quase como: será que esses aí somos nós mesmos? Sentimo-nos como sendo as pessoas mais abençoadas e honradas da terra!”. 

Cada nação, cada cidadeO ministério de Meyer se estende por todo o globo. De uma área de shows radiofônicos, em 1983, distante cinco minutos de St. Louis, ele se expandiu por transmissão via satélite e pela Internet. Nos EUA, o show de TV “Life in the Word” chega ao ar a 43 estados, através de canais locais, desde Pembina, N.D., e Crowley, LA, até Boston, Detroit, Los Angeles e St. Louis.

Meyer se tornou o modelo da dona de casa nas áreas do Canadá, México, América do Sul, Europa, África, Austrália - uns 70 países ao todo, conforme está escrito na revista do seu ministério. Ela diz que o ministério recebe 15 mil cartas por mês, somente da Índia. Em setembro, a tradução do seu programa na língua árabe já começou com seis transmissões diárias na rede de TV Life Channel, no Oriente Médio. Meyer espera usar a rede de TV para levar a mensagem do Cristianismo a 31 nações islâmicas.

“Vocês precisam colocar em mente que pessoa alguma jamais conseguiu fazer isso... quando uma mulher do Ocidente se apresenta em trajes ocidentais pregando o evangelho de Jesus na língua árabe pode ser bem interessante!”, disse Meyer. Ela e seu marido afirmam que o ministério tem o potencial para atingir 2,5 milhões de pessoas em cada dia da semana.

Apesar de tanto sucesso no ministério o casal afirma que ainda tem muito trabalho para fazer. “Cada vez que nos sentimos como se tivéssemos chegado ao ápice, Deus nos abre mais portas”, diz Meyer.

O recente slogan do casal, impresso em um poster colocado no quartel general do ministério e nas flâmulas de suas conferências, estabelece um objetivo ambicioso para o futuro: “cada nação, cada cidade”.

Seguidores fiéis e críticos ferozes

A pregação convincente e às vezes humilde de Meyer tem angariado uma legião de seguidores, principalmente mulheres, que nela vêem tanto uma ministra como uma amiga confiável. “Ela é tão prática... Ela faz com que tenhamos a impressão de que ela é nossa irmã, que se relaciona e nos compreende sem condenação e sem julgamento”, disse a motorista de ônibus, Eva McLemore, de 43 anos, em uma das conferências de Meyer em Atlanta. [N.T. - Aqui está o segredo do sucesso de todo pregador que prega somente o amor de Deus, sem jamais fazer qualquer advertência contra o pecado, ressaltando a necessidade de arrependimento].
O estilo de Meyer tem angariado a crítica dos que a consideram uma propagandista do carnaval do “fique-rico-depressa”, o qual tem como único foco: conseguir o máximo de dinheiro do maior número de pessoas no menor espaço de tempo.

Ole Anthony, líder da Trinity Foundation, uma instituição religiosa de observação, situada em Dallas, diz: “Ela pertence ao gênero típico dos tele-evangelistas que enriquecem à custa das pessoas pobres a quem supõem estar ministrando”.

Além de ser uma pregadora carismática, Meyer é autora de 50 livros sobre uma variedade de tópicos, desde livros de auto-ajuda, sobre dietas e casamento até os mais profundos temas filosóficos. Dois dos seus livros mais recentes - “Knowing God Intimately” (Conhecendo Deus Intimamente) e “How to Hear From God” (Como Escutar Deus) - tratam da edificação de um relacionamento com Deus, embasado na fé. Ela também vende fitas de áudio e vídeo, em quantidade bastante para preencher várias páginas do catálogo do seu ministério.
Meyer não se desculpa por oferecer os seus livros e fitas e nem por solicitar, incansavelmente, em seu website, nos shows da TV e em suas conferências, ajuda para o seu ministério, explicando: “Eles não me dão a TV de graça... O evangelho é grátis, mas os seus meios de divulgação custam caro!”

Uma inclinação pelas coisas bonitas

Meyer gosta de coisas bonitas e de gastar com as mesmas. Desde um relógio francês de US$11 mil, no quartel general em Fenton, até um barco Crownline de US$105 mil, ancorado em sua mansão de férias no Lago Ozarks. Está claro que o seu gosto tende mais a Perrier [água mineral parisiense de luxo] que para água da bica. “Você pode ser um rico homem de negócios aqui em St. Louis e todo mundo vai achar isso maravilhoso, mas quando você é um pregador, isso logo se transforma em problema... Mas a Bíblia diz: “Daí e dar-se-vos-á”, Meyer disse.

O quartel general do ministério é uma jóia de três andares construída em tijolos vermelhos, com um esmeraldino gramado na parte externa, assemelhando-se a um luxuoso hotel resort. Construído há três anos, ao custo de US$20 milhões, o edifício e os jardins são um perfeito cartão postal, com canteiros de flores feitos à mão e belas alamedas para se alcançar uma cruz iluminada. A entrada para o complexo de escritórios é ladeada por bandeiras das nações já alcançadas pelo ministério. Uma grande escultura representando a Terra está no alto do edifício, com uma Bíblia aberta, perto do estacionamento. Do lato externo da entrada principal, vê-se a escultura de uma águia pousada no galho de uma árvore, próxima a uma queda d’água artificial. Uma mensagem em letras douradas saúda os empregados e os visitantes, na via de entrada:

“Vejam o que o Senhor tem feito!”

Umas 510 pessoas trabalham ali. O escritório do ministério é igual a qualquer outro escritório comercial, onde os funcionários abrem a correspondência; os contadores contam o dinheiro; os editores empilham fitas de vídeo a serem enviadas para os clientes. O único sinal de igreja ali dentro é uma capela, a qual permite exclusivamente aos empregados o acesso à adoração. O edifício é decorado com pinturas e esculturas religiosas e móveis de alta qualidade. Muitos desses, diz Meyer, foram escolhidos por ela mesma.

Uma lista de acesso ao Condado de Jefferson oferece um lampejo de muitos desses itens: um par de vasos de Dresden (US$19 mil); seis vasos de cristal da França comprados por US$18.500; uma porcelana de Dresden pintada com a Natividade (US$8 mil); dois gabinetes originais (US$5.800); uma porcelana com a crucifixão (US$5.700); um par de vasos alemães comprados por US$5.200. [Somente aqui temos mais de US$60 mil em peças delicadas].

A decoração dos escritórios inclui uma mesa redonda em malacacheta, de US$30 mil; uma cômoda antiga com tampo de mármore de Carrara (US$23.000); uma estante de escritório de US$14.000; uma porcelana de Dresden mostrando a Via Sacra (US$7 mil); a escultura de uma águia sobre um pedestal (US$6.300), uma águia de prata comprada por US$5.000 e inúmeras pinturas adquiridas ao preço de US$1mil e US$4 mil cada uma.

No interior do escritório de Meyer, está uma mesa de conferência com 18 cadeiras, comprada por US$49.000. As obras de madeira em seu escritório e no do seu marido custaram US$44 mil. O registro total da propriedade pessoal do ministério apresenta uns US$5,700 milhões em móveis, obras de arte, porcelanas, cristais e um equipamento de última geração em maquinaria que enche os 158.000 metros quadrados do edifício. [N.T. - Neste complexo de tanta prosperidade caberiam nada menos de 3.160 apês iguais ao da tradutora, a qual, até o momento, só conseguiu prosperar na GRAÇA!].

Até este verão, o ministério também possuía uma frota de veículos no valor médio de US$440 mil. O assessor do Condado de Jefferson tem-se empenhado para que o complexo e o seu conteúdo entrem no rol dos impostos, mas até agora nada conseguiu.

Carros esporte e aviões de alto estilo

Meyer dirige um carro esporte conversível Lexus SC, modelo 2002, avaliado em US$53 mil; seu filho Don, de 25 anos, dirige um Sedan Lexus 2001, do ministério, avaliado em US$46 mil. O marido de Meyer dirige um Sedan Mercedes Benz S 55 AMG e Meyer diz: “Meu marido gosta muito de carros”. Os Meyers mantêm, no Aeroporto de Chesterfield, um jato Canadair CL-600 Challeger, do ministério, o qual, segundo Meyer, vale US$10 milhões. O ministério emprega dois pilotos em tempo integral, para levarem os Meyers às conferências ao redor do mundo. Meyer chama esse avião de “o salva vidas” dela e da família: “Ele nos capacita em nossa idade a viajar literalmente pelo mundo inteiro, a fim de pregar o evangelho... e com muito maior segurança do que os vôos comerciais”.

A segurança é muito importante para Meyer, a qual declara que já recebeu ameaças de morte. Ela tem uma divisão do ministério dedicada à segurança. Seus oficiais usam pistolas; eles guardam o portão de entrada do quartel general, mantendo lá fora quaisquer pessoas que não sejam empregados ou visitantes convidados. O ministério comprou uma casa de US$145 mil, onde reside o chefe da segurança, sem pagar aluguel, a fim de que ele fique próximo ao quartel general do ministério.

O composto familiar

O ministério também comprou casas para os empregados principais. Desde 1999, o ministério tem gasto pelo menos US$4 milhões em cinco casas para Meyer e seus filhos, perto da Interstate 270 e da Gravois Road, no Condado de St. Louis, conforme registrado no Condado. A casa de Meyer, a maior das cinco residências, tem 10.000 metros quadrados em estilo Cape Cod, com um anexo para convidados e uma garagem com capacidade para oito veículos, a qual pode ser independentemente aquecida ou resfriada. A propriedade de três acres tem uma grande fonte e um lavabo alto, com vista panorâmica, uma piscina e uma casa anexa, onde o ministério construiu recentemente uma sauna de banho de US$10 mil.

O ministério assume as despesas do uso, manutenção e vista panorâmica das cinco casas. Ele também paga as reformas. Os Meyers autorizaram a principal obra de reforma à custa do ministério, logo depois que o ministério comprou 3 das cinco casas.

Por exemplo, o ministério comprou uma casa, nivelou o terreno e em seguida construiu uma nova casa no sítio, para a filha do casal Meyer - Sandra - e seu marido, conforme registros no Condado.


Até mesmo os impostos da propriedade - US$15,629 anuais - são pagos pelo ministério. Meyer diz que este é um “bom investimento” para o ministério e que ele mantém o custo da posse e manutenção porque a família é ocupada demais para cuidar dessas tarefas.


“É duro demais ocupar-se com alguma coisa quando se viaja tanto como nós viajamos” , diz Meyer. Ela disse que as leis federais permitem que os ministérios comprem habitações para os seus empregados, de modo que esse arranjo não viola qualquer proibição aos benefícios pessoais. Ela disse ainda que a decisão de manter a família reunida foi a maneira de construir uma barreira de proteção, a fim de assegurar a todos maior privacidade e segurança. “Colocamos boas pessoas ao nosso redor... Obviamente se eu tentasse esconder alguma coisa ou pensasse em fazer algo errado, não residiria na esquina da Gravois e na 270...”

Seguro Irrevogável

Meyer diz que espera o melhor de onde ela mora e, como é muito observada, o seu vestuário é talhado em alta escala na loja de roupas do West County. Em suas conferências, ela sempre usa jóias com muito brilho, inclusive um enorme anel de diamante que afirma ter recebido de presente de um dos seus seguidores. Ela tem um cabeleireiro particular e, há alguns anos, contou a alguns empregados que iria fazer um “lift” facial. Nem tudo é pago pelo ministério.

No ano passado, os Meyers compraram um rancho por US$500 mil, em frente a um lago, em Porto Cima, no quarteirão de um clube particular de Ozarks. Algumas semanas depois, eles compraram dois jet-skis idênticos e um barco Crownline de US$105 mil, pintado de vermelho, branco e azul, o qual foi batizado de “Patriota”. No ano 2000, os Meyers também compraram para os seus pais uma casa de US$130 mil, a poucos minutos de onde residem. Os Meyers colocaram o carro Mercedes, a casa do lago e a residência dos pais num seguro irrevogável, um arranjo que os peritos dizem que ajuda a protegê-los de quaisquer problemas financeiros do ministério.

Meyer diz que não precisa defender-se do modo como gasta o dinheiro do ministério. Ela diz: “Nós ensinamos e cremos biblicamente que Deus deseja abençoar o povo que O serve; portanto, não há necessidade de nos desculparmos porque somos abençoados.”
O pessoal de confiança

Para a maioria das pessoas, Meyer pode gastar o dinheiro do ministério da maneira que lhe aprouver, pois o pessoal da diretoria é escolhido a dedo. Esse pessoal consiste de Meyer, seu marido e os 4 filhos - todos eles remunerados - além dos seis amigos mais íntimos do casal (Os oficiais do ministério disseram que a filha Laura Holtzmann pediu demissão, mas nos registros estaduais o nome dela ainda consta).

“Nossa família é de ajuda imensa para nós... Jamais poderíamos fazer tudo isso sem ter alguém em quem pudéssemos confiar”, diz Meyer.

Os membros do staff - Roxane e Paul Schermann - são amigos tão chegados que durante mais de uma década residiram na casa dos Meyers. O ministério empregou os dois como gerentes de alto nível e em 2001 comprou para eles uma casa de US$334 mil. Roxane e Paul Schermann já não trabalham no ministério, embora Schermann continue como gerente remunerado da divisão. Os Schermanns compraram a casa do ministério, pelo mesmo preço, em janeiro.
Delanie Trusty, a contadora do ministério, também serve como secretária da diretoria. A diretoria decide como deve ser gasto o dinheiro do ministério. Os salários de Meyer e de sua família são estabelecidos pelos membros da diretoria, que não são membros da família nem empregados do ministério. O advogado de Meyer diz que os arranjos concordam com os regulamentos do IRS.

“Nós certamente não gostaríamos de ter inimigos nem pessoas desconhecidas na diretoria, pois isso não faria sentido... Qualquer pessoa deseja ter uma diretoria a seu favor”, disse Meyer. Os salários de Meyer, do marido, dos filhos e respectivos cônjuges é um segredo que o ministério recusa-se a revelar. “Não faço mais do que devo... E estamos definitivamente dentro dos regulamentos do IRS”, disse Meyer.
...
Os seguidores continuam leais

Os seguidores de Meyer parecem não se preocupar com o que ela gasta consigo mesma, do dinheiro do ministério. Em entrevistas com alguns desses seguidores, em sua conferência em Atlanta, em Agosto, todos disseram que Meyer os ajuda espiritualmente e, portanto, merece a sua riqueza.

William Parton, 32 anos, policial em Atlanta, disse que as pessoas não deveriam se preocupar com o que Meyer faz com o dinheiro e disse: “Eu acho que os Meyers estão fazendo o que Deus os chamou para ser feito; eles têm os seus seguidores e as pessoas gostam de ouvi-los, mesmo que seja apenas para efeito de entretenimento, exatamente como fazem com os atletas do esporte, e eles merecem viver conforme os seus meios lhes permitam viver”.

Michael Scott Horton, professor de teologia no Westminster Theological Seminary, em Escondido, CA, disse que atitudes como a de Parton são exatamente as de que tele-evangelistas como os Meyers se aproveitam: “Essa pobre gente do povo deseja acreditar que possui esse tipo de fé... a ponto de arriscar tudo para comprová-la, conforme o ensino de um suposto homem de Deus que está diante dela”.

Nenhum dos seus críticos parece perturbar Meyer. Ela garante que o seu sucesso material é um reflexo do seu compromisso com Deus. Conforme ela mesma coloca, “a Bíblia inteira realmente tem uma só mensagem: ‘obedeçam-me, fazendo o que eu ordenar, e então serão abençoados’.” [N..T., Só esta mensagem? E onde ficam as mensagens da cruz, do arrependimento, e do amor ao próximo? Paulo diz em Gálatas 5:14: “Porque toda a lei se cumpre numa só palavra, nesta: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo”. Será que um evangelista que prega o espúrio evangelho da fé/prosperidade ama realmente o próximo... OU simplesmente a sua conta bancária?]

Fonte: http://www.cpr.org.br


quinta-feira, 21 de agosto de 2014

JESUS Estava completamente NÚ Sobre a Cruz?


Está fora de dúvida que, antes de crucificarem Jesus, tiraram sua roupas, pois João nos informa que os soldados as dividiram entre si e lançaram sorte sobre sua túnica   ( João 19.23,24 ). Trata-se, pois, de saber se mantiveram algum pano cobrindo a sua nudez da cintura para baixo. Alguns estudiosos afirmam que Jesus estava na cruz completamente nu, porém baseiam geralmente sua opinião em razões de simbolismo tiradas do Antigo Testamento ( por exemplo, Adão estava nu quando pecou, e Jesus deveria estar nu quando nos resgatou ), ou se referem ao " costume romano ", sem apresentarem nenhuma outra prova histórica especial para o caso de Jesus.
A esta opinião podemos opor um texto apócrifo tirado dos " Atos de Pilatos ", segundo o qual, depois de terem tirado as roupas de Jesus, teriam restituído a Ele um "LENTION", palavra grega que quer dizer "pano", uma espécie de tanga.
Seria de admirar que os romanos que o haviam tornado a vestir após o açoitamento, e antes que Ele começasse a carregar a cruz - isto, diga-se de passagem, contrariando seus próprios costumes devassos a fim de respeitar a tradição nacional e as idéias judaicas de decência - após dividirem suas roupas a lançarem sorte sobre sua túnica, não lhe tivessem deixado pelo menos esse pano cobrindo sua nudez quando ele foi pregado na cruz.
O costume judaico era o seguinte: " Chegando à distância de quatro côvados do local da crucificação, despe-se o condenado e, se for um homem, ele deverá ser coberto pela frente; se for mulher, deverá ser coberta pela frente e pelas costas " ( Tratado do Sinédrio, questão VI ). Mas todas essas polêmicas ficam profundamente influenciadas pelo "costume romano". Entre eles, o crucificado deveria ficar nu. É o que afirma Artemídoro. Porém, o termo "estar nu" conforme o entendemos hoje (completamente despido de roupa ) não tinha o mesmo significado entre os antigos. Todas as pessoas do tempo de Jesus usavam por debaixo das vestes, quaisquer que fossem o que chamavam de "SUBLIGACULUM". Era uma espécie de calção, formado por uma faixa de pano que se enrolava em volta dos rins e das coxas, e que era usado permanentemente.
Marcos conta (14.15) que após a prisão de Jesus, um jovem - provavelmente ele mesmo - seguiu o cortejo usando tão somente um "SINDON" (um lençol) sobre o corpo nu. O "SINDON" era uma comprida peça de pano com que as pessoas envolviam o corpo por debaixo da túnica, mas com certeza conservara seu "SUBLIGACULUM" por debaixo do "SINDON".
Ora, quando os guardas o quiseram pegar, ele abandonou o "SINDON" e fugiu nu. Parece, portanto, que esta nudez não eliminava o "SUBLIGACULUM".
A questão é um tanto polêmica. Vejamos o que dela pensou a iconografia. Pode-se dizer que nenhum artista ousou representar a total nudez de Jesus na cruz. Nas primeiras representações artísticas importantes que temos Jesus e os dois ladrões usam o "SUBLIGACULUM".
Após ter defendido, durante algum tempo, a tese de que Jesus foi crucificado vestido do "SUBLIGACULUM", não pude deixar de considerar a opinião de todos os antigos escritores da Igreja. Todos falam de "NUDUS, NUDITA, GYMNOS, GYMNESTHAI - nu, nudez, nu, ser desnudado". O grande pregador João Crisóstomo, por exemplo, escreve: " Ele foi conduzido nu à morte - EPI TO PATHOS EFETO GYMNOS ", e "EISTEKEIGYMNOS EIS MESO TON OCHLON EKEINOS - ficou nu no meio daquela multidão". Encontrei também um texto de Efrem, o Sírio, (Sermão VI sobre a Semana Santa) em que ele diz que o Sol se escondeu diante da nudez de Jesus. Em outra passagem escreve ele: " A luz dos astros se obscureceu porque fora completamente despido Aquele que veste todas as coisas". Eis aqui, finalmente, uma afirmação ainda mais conclusiva de João Crisóstomo. Ele diz que Jesus, antes de subir à cruz, despojou-se do velho homem tão facilmente como de suas vestimentas, e acrescenta: "Agora está ungido como os atletas que vão entrar no estádio" 
( Homilia sobre a Epístola aos Colossenses ). Ora, toda escultura grega nos mostra esses atletas completamente nus.

Dr.Pierre Barbet

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Deus Vela em fazer Cumprir as suas promessas



E, depois que João foi entregue à prisão, veio Jesus para a Galiléia, pregando o evangelho do reino de Deus, E dizendo: O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo. Arrependei-vos, e crede no evangelho. (Mc. 1.15,16)

João Batista foi o homem enviado por Deus para preparar os corações das pessoas para a vinda do messias, Ele pregava insistentemente para que os homens se arrependerem e cressem, em Jesus Cristo, O Filho de Deus, quando João Batista foi preso a mando do Rei Herodes, Jesus Cristo começa a pregar na cidade da Galileia, a beira de um Rio.

Deus antigamente falou muitas vezes, de muitas maneiras e de muitas formas através de seus profetas, nas santas escrituras, prometendo a todos os homens que enviaria o seu Filho Unigênito ao mundo para nos salvar, através da sua morte e ressurreição.
Salvar há todo aquele que crendo se arrependessem de seus pecados, e confessasse a Cristo como Senhor. E tudo isso que aconteceu foi uma preparação para que o Seu Filho, Jesus Cristo descesse do Céu, então chegada o período da  consumação do plano de Deus, O Senhor enviou o seu Filho nascido de uma virgem a este mundo.

Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei (Gl. 4.4)

Jesus começa o seu ministério na Galileia pregando a todos os homens que se arrependessem, por que “O tempo está cumprido...”  e com a vinda dEle “...e o reino de Deus está próximo...”; de cada um de Nós.

A maior promessa feita por Deus durante muitos e muitos anos a humanidade, estava ali diante de todos os homens, humilde, com vestes simples, de voz tenra, porém muito impactante, com passos mansos, mas precisos, na beira de um rio, no meio de um povo que estava assentado nas trevas (da existência, da moral, da consciência), anunciando a todos que se arrependessem por que “DEUS CUMPRIU O QUE PROMETEU ENVIANDO O SEU FILHO AO MUNDO”.
Em certa ocasião quando Jesus entrou em uma sinagoga foi dado a ele o livro do profeta Isaias na parte em que estava escrito.

O Espírito do Senhor está sobre mim, Pelo que me ungiu para anunciar boas novas aos pobres; Enviou-me para proclamar libertação aos cativos, E restauração da vista aos cegos, Para pôr em liberdade os oprimidos  E proclamar o ano aceitável do Senhor (Lc. 4.17-19)

Jesus fechou o livro. E disse:  “... Hoje se cumpriu esta Escritura nos vossos ouvidos...”


Quando Jesus acabou de ser batizado veio uma vós do Céu que disse: “... eis o meu Filho amado em quem a minha alma se compraz...”, existe outro referencia de Deus a Jesus cristo com o seu filho amado, e como sendo ele aquele quem devemos nos atentar “Eis aqui o meu servo que escolhi, O meu amado em quem a minha alma se agrada; Sobre ele porei o meu Espírito, E ele anunciará o juízo aos gentios.” (Mt. 12.18).

Jesus veio para nos trazer Boas Novas

O filho amado de Deus aparece, ou melhor, veio a este mundo “... pregando o evangelho do reino de Deus...”, ou seja, anunciando uma boa notícia de que “... o reino de Deus está próximo...” O reino Não estava ainda presente de fato, mas potencialmente sim. Os termos nestes versículos é espiritual e presente (conf. Jo. 3:3, 5; Cl. 1:13).

O Evangelho significa literalmente “boa notícia” que mais tarde passou a ser “boas novas”

É a boas Novas de Jesus Cristo Acerca da corrupção deste mundo

“E que é manifesta agora pela aparição de nosso Salvador Jesus Cristo, o qual aboliu a morte, e trouxe à luz a vida e a incorrupção pelo evangelho.” (2Tm. 1.10)

Boas novas de salvação:

Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa; (Ef. 1.13).

Boas novas de Paz

E calçados os pés na preparação do evangelho da paz (Ef. 5.15).


E a única coisa que o Senhor Jesus Cristo exige de nós é que  “...Arrependei-vos, e crede no evangelho. (Mc. 1.15,16)...”.

“Desde esse tempo começou Jesus a pregar e a dizer: Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus.” (Mc. 4.17)

“...Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão de vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo.” (At. 2.38).

“...mas anunciei primeiramente não só aos de Damasco e em Jerusalém e por toda a terra da Judéia, como também aos gentios, que se arrependessem e se convertessem a Deus, praticando obras dignas de seu arrependimento”  (At. 26.20)



terça-feira, 12 de agosto de 2014

Filme Polemico: A Mulher do Pastor (baseado em fatos reais)

Concordo 100% com esta declaração: Pr Silas comenta sobre conflito de Israel e Palestino

Para o Que Serve o Don de Língua:

O dom de línguas seguramente é o mais controvertido dos dons do Espírito Santo. Discute-se sua atualidade, sua natureza e seu propósito. Neste breve artigo, trataremos deste último aspecto da polêmica, a finalidade que os dons de línguas tiveram ou ainda tem.

Nada que Deus faça é destituído de propósito. Assim, penso que não devemos questionar a utilidade do dom de línguas ou a sua necessidade, pelo menos na sua origem. Porém, podemos nos perguntar se tinha um propósito único ou se servia a finalidades diversas. O primeiro ponto é assumido especialmente por aqueles interessados em demonstrar que o dom cessou, pois uma vez que o propósito foi alcançado, o meio que se utilizou para seu alcance torna-se obsoleto. Mas, se o propósito que se tinha em mente não foi cabalmente alcançado, então o dom ainda é necessário, e por isso os interessados em defender a continuidade do dom de línguas também podem enfatizar um aspecto único dos dons. Mas como veremos, os dons serviam a mais de um propósito.

1. Um dos propósitos do dom de línguas é louvar a Deus, exaltando as suas maravilhas. Quando em Jerusalém os discípulos “foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem” (At 2:4) eles estavam a“falar das grandezas de Deus” (At 2:11). Paulo diz que “o que fala em língua desconhecida não fala aos homens, senão a Deus; porque ninguém o entende, e em espírito fala mistérios”(1Co 14:2) e mais adiante acrescenta, ainda falando do dom de línguas, “cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento” (1Co 14:15).

2. Outro propósito do dom de línguas é a edificação. O apóstolo instrui a igreja quanto ao culto dizendo “quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação” (1Co 14:26). Para que o propósito de edificação da igreja seja alcançado, é imprescindível que haja interpretação das línguas: “se alguém falar em língua desconhecida, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e por sua vez, e haja intérprete. Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus” (1Co 14:27-28). Mesmo neste caso, de uso particular do dom de línguas, há edificação pessoal, pois “o que fala em língua desconhecida edifica-se a si mesmo” (1Co 14:4). Mesmo assim, a edificação da igreja deve ser priorizada à edificação pessoal, sendo assim, “o que fala em língua desconhecida, ore para que a possa interpretar” (1Co 14:13).

3. Línguas foram dadas também como sinal. Isto é declarado pelo apóstolo quando afirma “de sorte que as línguas são um sinal, não para os fiéis, mas para os infiéis” (1Co 14:22). Como todo sinal aponta para uma realidade, a questão é: línguas é sinal de que? O verso anterior citado por Paulo sugere que se trata de um sinal de juízo: “Está escrito na lei: Por gente de outras línguas, e por outros lábios, falarei a este povo; e ainda assim me não ouvirão, diz o Senhor”(1Co 14:21). 

Obs. Alguns conseguem ver uma conexão entre o dom de línguas e a destruição do templo dos judeus, ocorrida em 70 d.C. Foge ao escopo deste artigo analisar este particular. Outros veem o dom de línguas como um sinal de bênção, apontando para a inclusão de judeus e gentios na igreja, pois no milagre de Atos 2 “todos pasmavam e se maravilhavam, dizendo uns aos outros: Pois quê! não são galileus todos esses homens que estão falando? Como, pois, os ouvimos, cada um, na nossa própria língua em que somos nascidos? Partos e medos, elamitas e os que habitam na Mesopotâmia, Judéia, Capadócia, Ponto e Asia, e Frígia e Panfília, Egito e partes da Líbia, junto a Cirene, e forasteiros romanos, tanto judeus como prosélitos, cretenses e árabes, todos nós temos ouvido em nossas próprias línguas falar das grandezas de Deus. E todos se maravilhavam e estavam suspensos, dizendo uns para os outros: Que quer isto dizer?” (At 2:7-12). E ainda há os que entendem serem as línguas um sinal ou evidência física do batismo com o Espírito Santo, também baseados nos relatos de Atos, como este: “E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem” (At 2:4). Seja como for, o fato é que línguas servem ao propósito de serem um sinal.

4. O don de língua é um sinal de revestimento para a evangelizadão: O Senhor disse para os seus discípulos ficarem em "...Jerusalém até que do alto eles fossem revestido de poder..." (Lc. 24.49; At. 1.8a), Jesus Cristo disse que quando eles recebessem essa "...promessa feita pelo Pai..." (Lc. 24.49), eles estariam aptos para testemunharem do Nome do Senhor "...tanto em Jerusalém, como em toda Judéia e Samaria e até aos confins da Terra..." (At. 1.8). Observem que os dis´pulos só começaram a evangelizar após o pentecoste.
No entanto é importante salientar que uma pessoas deve evengelizar, mesmo se eles não foi batizada com o Espírito Santo.


Como vimos, línguas não tem um propósito único e isolado. Isto traz implicações para os outros aspectos da discussão em torno dos dons, isto é, quanto à sua natureza e atualidade. Deixamos a cargo do leitor analisar essas implicações. À guisa de conclusão, contudo, fazemos um comentário adicional, prevendo que alguém note que evangelização não foi mencionada como propósito do dom de línguas. A razão disso é que o falar em outras línguas nunca foi referido como tendo essa finalidade e não temos exemplo de uso desse dom para evangelização. E nos propusemos escrever o artigo de uma perspectiva puramente bíblica, ainda que não aprofundada.


segunda-feira, 4 de agosto de 2014

A Aberração do Edir Macedo "O Templo de Salomão"




Algumas considerações me vêm a mente sobre a inauguração do “templo de Salomão” por Edir
Macedo e a Igreja Universal. Antes de tudo é preciso “admirar” a capacidade administrativa e empreendedora deste homem. Ele, provavelmente, enriqueceria vendendo qualquer produto. Pena que escolheu vender a fé…

A grande habilidade do Macedo é saber aproveitar os “filões” do “mercado" religioso. Ele fez a Universal avançar nadando nas águas do sincretismo religioso brasileiro, especialmente na relação com as religiões afro-brasileiras e com o catolicismo popular. Se aproveitou dos símbolos, superstições e temores próprios dessas religiões para construir seu império baseado no slogan “pare de sofrer”, e na suposta vitória sobre os espíritos que produzem sofrimento. Ao invés de “sacrifícios físicos”, passou a exigir “sacrifícios financeiros”, no que se deu muito bem. Agora, mais uma vez, imitando o catolicismo e outras religiões sacramentais, ele estabelece um “santuário" com o objetivo de atrair multidões, e especialmente, contribuições.

Provavelmente o Templo Construido por
Salomão seria assim

Em poucas palavras, entretanto, posso dizer que essa construção é uma aberração. Antes de tudo é uma aberração arquitetônica, pois tenta recriar algo de uma época que já passou e que não faz mais sentido no mundo atual. Além de ser um equívoco histórico, pois trata-se de uma cópia mal feita do templo de Herodes, aquele que foi reconstruído um pouco antes do tempo de Cristo. Por isso, em vez de Templo de Salomão, deveria ser chamado de “réplica do Templo de Herodes”. Mas nesse caso, não daria muito “marketing”…

Acima de tudo é uma aberração teológica. Imagino que ele não tenha ido tão longe ao ponto de fazer as divisões internas do templo (santo lugar, santo dos santos), até porque isso limitaria o número de pessoas lá dentro e, consequentemente, de ofertas. A menos que ele quisesse se entronizar lá dentro do Santo dos Santos… (a vantagem é que só um homem o veria uma vez por ano).

De qualquer maneira, é uma aberração teológica, pois tenta recriar, mesmo que em termos ilustrativos e comerciais, algo que o próprio Deus autorizou a destruição. Foi o Senhor Jesus quem disse, sobre aquele templo de Israel, que seria destruído e não sobraria pedra sobre pedra (Mt 24.1ss). De certo modo, ao reconstruir o simbolismo, ele está erguendo novamente algo que Deus quis que terminasse. E a razão é simples: Jesus é tudo aquilo que o Templo de Israel prefigurava. Jesus cumpre em sua pessoa todas as promessas e realizações do antigo Templo. Reconstrui-lo, mesmo que apenas como uma homenagem ou dedicação, é uma forma de praticar tudo aquilo que o livro de Hebreus condena, é um modo de rejeitar a Cristo e a tudo o que ele fez.

Autor Leandro LIma e Irenaldo mesquita
Recomendado por Rev. Augustus Nicodemos em seu face.

 ___________________________________________________________________________

Leia Também: http://centralizadosemcristo.blogspot.com.br/2014/04/os-templos-que-custam-miloes.html#.U-tcF2RZZUs

E este se puder:http://centralizadosemcristo.blogspot.com.br/2013/01/se-deus-esta-em-toda-parte-por-que.html#.U-tfI2RZZUs

Continue a leitua abaixo

  ___________________________________________________________________________

A IURD, na sua volúpia proselitista de envolver as massas, navega pela teologia da prosperidade, todo tipo de sincretismo religioso,  passando por imitações híbridas do catolicismo, espiritismo e, agora apela para o judaísmo, isso sem falar no apoio declarado do seu líder maior, o Bispo Edir Macedo, ao aborto.

Na verdade, esse povo não tem mesmo como falar de Jesus, nem do Calvário, nem da cruz e, muito menos do céu. É lamentável que a referida igreja seja considerada por muitos, bem como pelas estatísticas, como evangélica.

Oremos!

Pr. Carlos Roberto Silva

_______________________________________________________________________________________

Pela grandiosidade, este templo é mais uma obra faraônica do que cristã, porém existem alguns motivos que me levam a crer que estamos diante de um problema para a fé evangélica. Por que acredito que este templo não pode glorificar a Deus? Algumas objeções:
1 – As pessoas vão cultuar espaços físicos no lugar de Deus.
2 – Haverá peregrinações como se fosse um lugar sagrado.
3 – Se criará mais um fomento do mercado religioso brasileiro.
4 – Voltar a “adorar” a simbologia do Antigo Testamento é um retrocesso da fé cristã.
5 – Apesar da afirmação “Feito para a glória de Deus”, o templo de Salomão não servirá ao pobre, à viúva, ao necessitado, ao desalojado e ao órfão, mas todas as pessoas servirão o templo e sustentarão seus gastos.
6 – Deus não está em templos feitos por mãos humanas, mas habita em pessoas através do seu Espírito. Os cristãos são o verdadeiro templo do Espírito de Deus. (At 17:24)
7 – A obra abrigará a tumba da família MACEDO

Pr. Bruno dos Santo

______________________________________________________________________________________


A arca da Aberração:

Após a conclusão do Templo de Salomão (que deveria ser chamado Templo de Mamon), surge mais um objeto espantoso: uma réplica revestida de ouro da Arca da Aliança. O objeto era o mais sagrado do antigo templo de Israel, representava a presença de Deus na Velha Aliança. Com a primeira destruição do templo no século 6 a.C., a arca se perdeu, talvez tenha sido levada para Babilônia e derretida. Só o Indiana Jones no cinema conseguiu encontrá-la.

No meu post anterior sobre o templo que teve milhares de compartilhamentos (muito mais do que eu esperava) também recebi algumas críticas. As principais foram: inveja e escândalo para os incrédulos. O velho argumento do “pare de criticar e vá trabalhar” também foi evocado. Sobre “inveja" não vou perder tempo respondendo. Sobre “escândalo”, creio que a acusação está invertida. Não sou eu quem está escandalizando os incrédulos. Segundo a Escritura, os desvios do verdadeiro Evangelho é que são “escândalos”. Além do mais, o mundo precisa saber que há muitos cristãos que não concordam com essas loucuras e megalomanias do Macedo e similares. Sobre “pare de criticar e vá trabalhar”, penso que uma coisa não elimina a outra. Devemos trabalhar, pregar o Evangelho, mas, ao mesmo tempo, temos a responsabilidade bíblica de apontar os desvios que deturpam e envergonham o verdadeiro Evangelho (Gal 1.6-9, Col 3.8, 16-19, 1Tm 4.1-2, 2Tm 4.-5, 2Ped 2.1-3).

Fica cada vez mais explícita a intenção mercadológica de todos esses empreendimentos. Num video que circula na internet, o Macedo chamou os empresários que haviam dado dinheiro para a obra à frente e lhes disse: “agora, Deus fica na obrigação de abençoar você, é uma troca”.
Se chamei o templo do Macedo de “aberração”, preciso chamar essa arca de “abominação” (Is 44.19). Sim, pois trata-se de um objeto da mais pura e terrível idolatria. As pessoas simples, sem discernimento, olharão para esse objeto pensando que encontrarão ali o seu milagre. Mais uma vez, o grande problema é justamente abandonar o verdadeiro Cristo por objetos feitos por mãos. Deixar de lado a pura e límpida mensagem da Cruz, poderosa para salvar todos os arrependidos, por uma mensagem poluída, gananciosa, que torna os seguidores nada mais do que avarentos em busca de bens materiais.

E nesse caso, há um curioso fator adicional: Em Jeremias 3.16, a Escritura diz: Sucederá que, quando vos multiplicardes e vos tornardes fecundos na terra, então, diz o SENHOR, nunca mais se exclamará: A arca da Aliança do SENHOR! Ela não lhes virá à mente, não se lembrarão dela nem dela sentirão falta; e não se fará outra. O Edir Macedo fez.


Por Rev. Leandro Lima
Fonte: Bereianos

_______________________________________________________________________________________
Irregularidades na Construção:

A obra está sendo investigada pelo Ministério Público Estadual (MPE), pois, segundo a Promotoria de Habitação e Urbanismo, “chama a atenção o fato de que ela foi feita apenas com alvarás de reforma”. Segundo o órgão, isso pode ser um indicativo de fraude, descontrole da administração ou defeito grave de legislação. Em nota, o promotor Maurício Ribeiro Lopes informou, no entanto, que até o momento não há documentos que permitam proposituras judiciais. 
Fonte: EBC Agência Brasil

Sem contrapartidas. Como foi considerada "reforma", a construção do maior templo religioso do País, com capacidade para 10 mil pessoas e 74 mil metros quadrados de área construída, não foi enquadrada como polo gerador de tráfego. Com isso, a Universal se livrou de pagar R$ 35 milhões em contrapartidas para a Prefeitura, ou 5% do valor total da obra, estimado em R$ 680 milhões. Lei municipal de 2010 determina que toda obra com mais de 5 mil metros quadrados e número superior a 499 vagas de garagem deve ser considerada polo gerador de tráfego. Mas a igreja pagou como contrapartida o rebaixamento de cinco guias, a instalação de seis conjuntos semafóricos e o plantio de 25 mudas.
Investigação. O Ministério Público Estadual investiga se houve fraude na emissão das licenças para a construção do templo. O promotor Maurício Antonio Ribeiro Lopes quer saber se realmente a obra da igreja era uma "reforma", ou se foi mesmo uma construção que deveria ter sido classificada como polo gerador de tráfego.
Em área 'congelada' para moradia popular. O templo foi erguido em um terreno de Zona Especial de Interesse Social (ZEI), conforme definiu a lei municipal de zoneamento de 2004. Mas, no mês passado, a Câmara Municipal fez uma alteração de última hora, durante a segunda votação do Plano Diretor, que mudou a classificação do zoneamento, na tentativa de anistiar a irregularidade da igreja. Para construir em uma ZEI, a Universal teria de pagar como contrapartida a construção de 400 apartamentos populares da Companhia Metropolitana de Habitação (Cohab).
Fonte: Estadão