sábado, 30 de abril de 2016

Que Tipo de Coroas Receberemos?


Coroa Incorruptível:

E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, uma incorruptível... Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado” (1Co. 9. 25,27).

Essa coroa são para aqueles que vencem a carne e as suas paixões, para aqueles que lançam mão do arado sem olharem para traz, para aquelem que negam a se mesmo os seus interesses as suas visões etc. fazem tudo isso para realizarem a obra de Deus de acordo com a regras da competição ou seja de acordo com o mandamento do Senhor. Ele esta aqui vivendo com servo olhando para o alvo, olhando para Jesus o autor e consumador da nossa Fé, sempre visando as coisas que não se ver.

Coroa de Justiça:

"Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda " (2Tm. 4.8)

Essa “coroa da justiça” será dada Pelo Senhor Jesus a todos aqueles que amam a Sua vinda, somente para os crentes que anseiam sinceramente pela volta do Senhor.

É incrível o fato que as igrejas modernas falam tanto de poder espiritual, prosperidade material, visões, revelações, línguas estranhas, usando coreografias durante os cultos-shows, mas muito pouco, ou nada pregam da iminência do Arrebatamento. Infelizmente o evangelho entregue por noventa por cento das igrejas de hoje pregam e muitas vivem um evangelho espúrio, egocêntrico, visando a satisfação carnal, visando convencê-lo de que ele é um pequeno “deus” e não um servo indigno do amor de Deus, servo inútil, mesmo quando pensa que fez tudo que devia ter sido feito. Irmão em Cristo, não permita que ninguém lhe roube a coroa da justiça,  “Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa” (Ap. 3.11).

Coroa da Vida: 

“... Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida” (Ap. 2:10).

Essa coroa será dado para os Mártires  para aqueles que estão disposto a perder tudo e a dar a sua vida por causa de Cristo e do Evangelho.

Mas segundo Tiago ser fiel até a morte significa vencer as tentação.“Bem-aventurado o homem que suporta a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam” (Tg. 1:12).

Quando resistimos às tentações, o Senhor Ver isso como um sacrifício."Rogo-vos pois irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus que é o vosso culto racional" (Rm. 12.1). "Ainda não resististe até o sangue combatendo contra o Pecado" (Hb. 12.4).

Por isso Ele nos dá a mesma coroa que Ele dá a um crente que sofre o martírio. Quem resiste às tentações está provando o seu amor por Jesus Cristo.

Coroa da Glória: 

“Aos presbíteros, que estão entre vós, admoesto eu, que sou também presbítero com eles, e testemunha das aflições de Cristo, e participante da glória que se há de revelar: apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; Nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho. E, quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa da glória” (1Pe. 5.1-4).

Essa coroa são para aqueles que cuidarem fielmente do rebanho do Senhor, levando eles a pastos verdejantes, protegendo-os dos ursos e dos lobos, dos ladrões e dos salteadores são para os pastores, missionário, pregadores e mestres, que exercem o papel da palavra, que sabem alimentar o rebanho e buscam o aperfeiçoamento dos santos. (vs. 1-3).  Que sabem “manejar bem a palavra da verdade” (2 Timóteo 2:15).

A coroa de Glória é também o galardão que será dada para as  pessoas que ganham almas para Cristo e exercem o discipulado. “Porque, qual é a nossa esperança, ou gozo, ou coroa de glória? Porventura não o sois vós também diante de nosso Senhor Jesus Cristo em sua vinda? Na verdade vós sois a nossa glória e gozo”.


Demos graças a Deus por todas as almas que já ganhamos para o Senhor, pois assim não chegaremos de mãos vazias diante do Tribunal de Cristo. 

Conclusão

Nós não fazemos a Obra de Deus para alcançarmos a salvação, por que nós já fomos justificados em Cristo. Nós realizamos o serviço cristão por amor aquEle que nos salvou, Jesus Cristo, e por amor ao próximo demonstrando isso querendo que os outros alcancem aquilo que nós alcançamos. E Mesmo tendo esses motivos para sermos fieis na Obra, podemos viver com a certeza que seremos Por Ele COROADOS.

APRENDENDO A DETERMINAR A SUA VITÓRIA


A vida cristã é dinâmica. Diariamente crescemos de fé em fé, e precisamos dar passos importantes para que este crescimento ocorra de forma saudável. E estes passos são dados quando determinamos coisas para nossa vida e exercemos a nossa fé em relação a estes aspectos da vida cristã.

Alguém poderá dizer: não há na Bíblia qualquer menção de que o crente deva determinar coisas em sua vida; isto é mais uma falácia da “teologia da prosperidade, etc”. Permita-me discordar. As Escrituras mostram, implicitamente, a necessidade de o crente tomar certas atitudes e dar certas ordens a fim de que possamos alcançar vitórias em vários aspectos da nossa vida. O fato inegável, presente no espírito das Escrituras, é que o crente precisa aprender a DETERMINAR para poder alcançar bênçãos e vitórias em sua vida. Como pessoas chamadas a ser cabeça, e não cauda, não podemos e nem devemos simplesmente esperar as coisas acontecerem, ou as bênçãos caírem do céu. Precisamos DETERMINAR a fim de que realmente as bênçãos nos alcancem e nos tragam a vitória que tanto precisamos.

Assim, apresento alguns aspectos da vida cristã em que precisamos DETERMINAR para alcançarmos a nossa vitória.

Primeiramente, DETERMINE que a partir de agora você vai se esforçar para ser um cristão melhor. A partir de hoje, você vai determinar, exercer a sua fé e se esforçar ao máximo no sentido de orar mais, jejuar mais, ler mais a Bíblia. Determine quanto tempo e quantas vezes por dia você vai orar. Determine quantos minutos por dia você vai ler a Palavra. Determine a frequência semanal que você vai jejuar. Determine um horário para suas devocionais diárias. Determine, e lute para cumprir suas próprias determinações!

DETERMINE que de agora em diante irá frequentar mais os cultos regulares de sua Igreja, principalmente os cultos de oração, doutrina e Escola Bíblica. São os passos básicos para que você aprenda mais acerca de Deus e da sã doutrina. Determine neste aspecto que irá se esforçar mais a chegar à Igreja antes do início do culto (afinal, você não faz isso no seu trabalho todos os dias?) e que vai participar dos cultos com reverência e temor.

DETERMINE também que a partir de agora você vai participar mais ativamente das atividades da sua Igreja, como evangelismo, trabalho social etc, e vai se engajar em algum departamento da Igreja, trabalhando não para a liderança, mas para Deus.

DETERMINE acerca daquelas áreas de maior fraqueza em sua vida: inclinações para a carne, pornografias, mentiras, enganos, roubos, adultérios etc. DETERMINE que você irá combater ferrenhamente contra estes pecados, se preciso até o sangue (Hb 12:4).

DETERMINE que você se tornará mais sensível às necessidades de seus irmãos. Passe a ajudar ao próximo em suas necessidades financeiras, não se afaste do pobre e faça o que estiver ao seu alcance para saciar sua fome, pois fomos ensinados pelo Senhor Jesus que “mais bem-aventurada coisa é dar do que receber” (At 20:35). Procure fazer isso nos moldes ensinados pelo Senhor Jesus: “quando tu deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita” (Mt 6:1-4).

DETERMINE que você se tornará mais liberal nas ofertas para a sua Igreja, ofertando com fé, alegria e disposição, contribuindo com missionários que têm compromisso com a pregação do verdadeiro Evangelho.

DETERMINE que buscarás o controle da tua língua, de sorte que doravante vigiarás tua boca para não falar mal do teu próximo, nem difamá-lo, e que também não emprestarás teus lábios para propagar qualquer doutrina falsa, mas que permanecerás fiel ao são Evangelho da graça de Deus.

DETERMINE que você moldará seu caráter, tomando como base o caráter de Deus. Se você roubava, DETERMINE que de hoje em diante não mais roubará. Faça o mesmo em relação às fornicações, adultérios, fraudes, mentiras etc. DETERMINE que, se aparecer algum dinheiro misterioso em sua conta bancária, você procurará o gerente de seu banco e devolverá o que não é seu. DETERMINE que se você encontrar uma carteira na rua, devolverá ao legítimo dono com tudo o que nela esteja, inclusive o dinheiro.

DETERMINE que você se tornará um cidadão cumpridor de seus deveres e obrigações. Determine que não mais sonegará impostos. Determine que pagará as suas contas em dia, e não mais dará calotes no comércio, zelando assim pelo nome de Cristão que carregas.

Agora, depois de tantas e necessárias DETERMINAÇÕES, você vai compreender que a determinação cristã tem seus limites. Você tem poder para determinar coisas em sua vida, novos alvos, novos rumos, desde que estejam dentro de sua alçada, desde que você tenha o poder de fazer algo para que sua determinação possa ser alcançada com seu esforço. Entretanto, qualquer determinação para que Deus realize seus desejos de prosperidade, cura, vitória, sustento etc, não estão em seu poder!

O ato de determinar coisas para a nossa vida é bíblico. Um dos maiores exemplos disto é o episódio da visita do Senhor Jesus à casa de Zaqueu. No ápice desta visita, o dono da casa determinou coisas profundas para a sua própria vida, e que com certeza o transformaram de forma profunda, de dentro para fora: “Senhor, eis que dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado” (Lc 19:8).

O problema é que a famigerada e antibíblica “teologia da prosperidade” desvirtuou completamente o sentido das verdadeiras determinações que o homem precisa fazer. O que se observa é que as pessoas estão muito mais interessadas em determinar coisas físicas e materiais para si mesmas, de forma egoísta e mesquinha, do que determinar coisas realmente importantes, coisas que refletirão em sua vida e seu caráter, moldando-o como legítimo cidadão do reino de Deus.

Existem dois tipos de “determinações”: as que estão dentro de nossa alçada e autoridade e as que não estão. As que nos dizem respeito são aquelas que englobam a mudança de vida. As acima de nossa alçada, como, por exemplo, determinar coisas para Deus, exigindo que Ele cumpra nossos caprichos, mormente os financeiros, não são bíblicas e são, na verdade, placebos — pílulas de farinha! Deus não se compromete com a realização de nenhum dos nossos pedidos que estejam fora da Sua vontade, e muito menos com ordens ufanas e antibíblicas. Deus, o Eterno Criador, não se submete aos nossos caprichos e nem se obriga a atender determinações tolas. Ele é o Oleiro, e nós somos apenas barro em suas mãos! Tentar-lhe dar ordens, determinar coisas para Ele satisfazer obrigatoriamente vai de encontro à mensagem das Escrituras, como bem afirmou Isaías, o profeta messiânico: “Vós tudo perverteis! Como se o oleiro fosse igual ao barro, e a obra dissesse do seu artífice: Não me fez; e o vaso formado dissesse do seu oleiro: Nada sabe” (Is 29:16), e “Ai daquele que contende com o seu Criador! O caco, entre outros cacos de barro! Porventura dirá o barro ao que o formou: Que fazes? ou a tua obra: Não tens mãos?” (Is 45:9). Paulo, apóstolo aos gentios, afirma: “Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas? Porventura a coisa formada dirá ao que a formou: Por que me fizeste assim?” (Rm 9:18).

Imaginem um soldado raso dando ordens a um general! Eis a mais adequada comparação a ser feita em relação ao crente adepto da “teologia da prosperidade” dando ordens a Deus.

Mas o fato inegável é que a verdadeira “Doutrina da Determinação” é bíblica. Somos chamados a negarmo-nos a nós mesmos e tomarmos a nossa cruz e seguir o Senhor (Mt 16:24), e para isto é necessária MUITA DETERMINAÇÃO! Mas estas determinações se limitam àquilo que podemos lutar para mudarmos nosso caráter, nossas atitudes e nossas ações a fim de nos tornamos cristãos melhores, mais zelosos, mais fieis. O que disso passar, é maligno, e se enquadra perfeitamente nas palavras de Tiago, irmão do Senhor e pastor da Igreja em Jerusalém: “Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites” (Tg 4:3).

Antes de erguer sua voz de forma insolente, prepotente e desrespeitosa ao Criador para dar-lhe ordens e determinações, lembra de determinar primeiro a mudança para tua própria vida, e lutar em prol destas determinações! Depois disto, entenderás por que Cristo nos ensinou com o próprio exemplo acerca de fazermos a vontade de Deus, e não de Deus fazer Se submeter às nossas vontades egoístas (Mt 6:10; Mt 26:39, 42)!

Fonte: Genizah

segunda-feira, 4 de abril de 2016

O Caminho da Humilhação de Cristo.

Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo...”

O nosso Deus é Trino: Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito santo.
E é um Deus incognoscível, isso faz parte de seus atributos incomunicáveis como: Infinitude e Imensidão, quando se trata de tudo em relação a Deus, ele é infinitamente incomparável, até mesmo o seu ser e a sua existência, por isso jamais poderá esquadrinha-lo como Ele é realmente em essência e glória.
A grandeza de Deus ultrapassa os limites do raciocínio humano. Ele transcende tudo que é matéria, tudo que é finito e todo o universo. Deus abrange tudo que existe.

Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens; Nem tampouco é servido por mãos de homens, como que necessitando de alguma coisa; pois ele mesmo é quem dá a todos a vida, e a respiração, e todas as coisas; E de um só sangue fez toda a geração dos homens, para habitar sobre toda a face da terra, determinando os tempos já dantes ordenados, e os limites da sua habitação; Para que buscassem ao Senhor, se porventura, tateando, o pudessem achar; ainda que não esteja longe de cada um de nós; Porque nele vivemos, e nos movemos, e existimos; como também alguns dos vossos poetas disseram: Pois somos também sua geração. 
Atos 17:24-28


O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação;  Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele 
Colossenses 1:15-17


O deus revelado nas escrituras é pessoal, transcendente e imanente. Deus não pertence a esta criação e transcende a tudo o que foi Criado, inclusive todo universo. E Jesus que:

“... sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus...”
Usurpação: Apoderar-se astuciosa ou violentamente de uma coisa de que alguém legitimamente usufruiu ou que lhe pertence; alcançar sem direito; adquirir por fraude

“Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo...”
Kenosis (ke/nwse - ekénose, ekenõsen) é um conceito na teologia cristã que trata do esvaziamento da vontade própria de uma pessoa e a aceitação do desejo divino de Deus.  É encontrado no novo testamento como o esvaziamento de Jesus.
Na doutrina da Trindade esta relacionado a sua divindade, mas precisamente ao deixar de lado seus atributos divinos sem perder sua natureza divina. Jesus deixa de depender de seu poder divino para depender do Espírito Santo.Kenótica à kenosis, doutrina do esvaziamento do logos divino. Na “Teologia precisamente na matéria da Cristologia é conhecida como ‘A DOUTRINA DO ESVAZIAMENTO DE JESUS CRISTO”.

“... fazendo-se semelhante aos homens;
Mas Ele não ficou como um servo celestial ele se fez semelhantes aos homens, passou a ser da mesma espécie, qualidade, natureza ou forma que os homens; se tornou parecido, próximo, similar, quase igual: produtos semelhantes.
O que Cristo fez foi se esvaziar dos seus atributo divinos tais como; transcendência, onisciência, onipotência, onipresença, sua total Glória e esplendor tomando outra forma.

·      Ele que é o Criador (isso através de sua substância-Deidade, logos-divino), torna-se "semelhante as criaturas"(forma sintética, pois a divindade não possui forma alguma).
·      Antes Ele era ilimitado (infinito em sabedoria, substancia e poder), torna-se limitado.
·      Antes vivia em sua transcendência (em Si mesmo na forma das Três Pessoas da Trindade) agora sujeita-se ao tempo e ao espaço (criação).
·       Antes Ele que era O Todo Poderoso, torna-se um humilde servo (criatura) como é retratado no Evangelho de Marcos.

“... E, achado na forma de homem...”
Precisamos ter em mente que já foi uma humilhação sem igual Ele ter se feito em forma de homem, ter descido de seu trono, ter deixado de ser só plenamente Deus, ter deixado a sua Glória e passar a ser plenamente Deus e plenamente Homem.
Ele já se humilhou (de uma maneira que não da para nós dimensionar plenamente) o fato Dele ter se despido de sua glória, se esvaziado em Si mesmo e ter tomado a forma de servo, se fazendo Igual ao homens. O que falar do fato Dele ter sido obediente até a morte, e ainda por crucificação (a pior condenação que poderia ser dada a alguém naquela época).

humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.   Filipenses 2:6-8

Ele mesmo disse que seria obediente até a morte de Cruz.

Desde então começou Jesus a mostrar aos seus discípulos que convinha ir a Jerusalém, e padecer muitas coisas dos anciãos, e dos principais dos sacerdotes, e dos escribas, e ser morto, e ressuscitar ao terceiro dia. (Mt. 16.21)

E, subindo Jesus a Jerusalém, chamou à parte os seus doze discípulos, e no caminho disse-lhes: Eis que vamos para Jerusalém, e o Filho do homem será entregue aos príncipes dos sacerdotes, e aos escribas, e condená-lo-ão à morte. E o entregarão aos gentios para que dele escarneçam, e o açoitem e crucifiquem, e ao terceiro dia ressuscitará. (Mt. 20. 17-19)

Como uma Criança Part1


Jesus deixou claramente que nós devemos ser humilde como uma Criancinha 

Portanto, aquele que se tornar humilde como este menino, esse é o maior no reino dos céus. (Mt. 18.4)



A Criança depende do Pai para tudo: para comer, beber, se vestir a calçar, pra ter um lugar para morar. Para andar segura por onde ele não conhece, para obter conhecimento, para lhe proteger dos inimigos etc., mas acida de tudo para Criança o seu pai é um herói.

Tem gente que não depende de Deus para nada, acham que podem fazer tudo e são capazes de tudo, tem outros que acham que Deus deve fazer tudo a seu favor, e que ele não devem passar por nada ruim ou de estranho, o equilíbrio é tudo, mas uma coisa é certa seremos exaltados por Ele ou nessa vida, mas com certeza na outra.

Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada.
Romanos 8:18

Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia.   Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente;  Não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas.
2 Coríntios 4:16-18


Uma coisa é certa, só serão exaltados por Deus (do modo que Deus exalta e não do modo que os homens querem ser exaltados), aqueles que se humilharem 

Senti as vossas misérias, e lamentai e chorai; converta-se o vosso riso em pranto, e o vosso gozo em tristeza. Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará. 

Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem fala mal de um irmão, e julga a seu irmão, fala mal da lei, e julga a lei; e, se tu julgas a lei, já não és observador da lei, mas juiz. Há só um legislador que pode salvar e destruir. Tu, porém, quem és, que julgas a outrem? 

Eia agora vós, que dizeis: Hoje, ou amanhã, iremos a tal cidade, e lá passaremos um ano, e contrataremos, e ganharemos; Digo-vos que não sabeis o que acontecerá amanhã. Porque, que é a vossa vida? É um vapor que aparece por um pouco, e depois se desvanece. Em lugar do que devíeis dizer: Se o Senhor quiser, e se vivermos, faremos isto ou aquilo.  Mas agora vos gloriais em vossas presunções; toda a glória tal como esta é maligna. 
Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado. (Tg. 4. 9-17)