quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Por que Caem os valentes?






Introdução:

A palavra de Deus diz que aqueles que estão em pé cuidem para que não caia, e que muitos por não darem frutos são cortados, que todo aquele que não esta nele é cortado e lançado no fogo.
Se existe a possibilidade dos homens se afastarem de Deus o que leva ele a sofrer isso.

1. Eles se afastam por que não experimentaram uma verdadeira conversão:

São aqueles que se afastaram por que na verdade eles nunca nasceram de novo.
(Jo. 3.1-7; Rm. 6.4-6).

2. Eles se afastam por falta de vigilância, e caem em tentação e em laços do diabo.

A oração é o recurso principal para não cairmos em tentação ".... e não nos deixei cair em tentação mas livra nos do mal" (Mt. 6.13). Jesus advertiu os seus discípulos por causa da insistência em dormir, no momento em que eles deveriam esta vigiando em oração (Mt. 40,41; Lc. 21.36) (Ef. 5.14; 1Co. 6.13).

3. Eles se afastam por que escandalizam e são escandalizados:

Nós não podemos nos envolver em escândalos, não estando em nosso devido lugar ou não fazendo as coisas como convém, se colocando como obstáculos para os novos convertidos, parar os fracos na fé e para aqueles que ainda não aceitaram a Cristo, muito menos nos escandalizarmos com nada.
O Divino Mestre nos advertiu acerca dessas coisas (Mt. 13.20,21; 18.7-9; 24.10-13; Lc. 17.1).
São escândalos causados por comportamentos contrários a santidade requerida por Deus em sua palavra (Hb.12.14; 1Pe. 1.15,16); e por falsos mestres e falsos profetas (2Pe. 2.1; Jd.4; 1Jo. 2.8; 2Tm. 3–4; 1Tm. 4.1-3; Lc. 12.42-48).

4. Eles se afastam por falta de crescimento (retardamento espiritual).

Na vida Cristã quem não cresce (Os. 6.3), regride (Hb. 6.1,2).
Lembremos que tanto o Senhor Jesus (Lc. 1.80; 2.52,40), como o apostolo Paulo (Fl. 3.14,15; 1Co. 13.11), cresceram em todas as áreas de sua vida.

5. Eles se afastam por causa da contaminação das heresias:

Um exemplo do mal que a heresias podem causar estar registrado na epístola aos Gálatas.
Em (Gl. 1.1) o apóstolo se descreve tão admirado de como tão depressa os crentes da Galáxia se deixaram contaminar por heresias pregada por falsos irmãos, que pervertiam evangelho (1.7); segundo Paulo os Gálatas não souberam resistir aos falsos irmãos (2.4), e se deixaram fascinar por falsas doutrinas (3.1).
·              Não são poucos que se deixam enganar por falsos irmãos e doutrinas estranhas (2Tm. 3.6; 2Pe. 2.1,2; Jd. 4).
Por isso não podemos nos deixar enganar (Hb. 13.9; Mt. 24. 4,24; At. 20.30; Rm. 16.17,18; Ef. 5.6; Cl. 2.4,8; 2Ts. 2.2; 1Tm. 4.1-3; 6.3-5,20; 1Jo. 4.1; Jd. 1.3).

6. Eles se afastam por causa da soberba:

O orgulho excessivo é considerado por Deus como uma abominação.
Deus tira o homem do monturo, do charco de lodo, e lhe dar dons e honra, ele se apodera disso com se fosse dele e se esquece de Deus, e passa a se achar superior aos seus semelhantes, se torna soberbo, e por isso caem pó que são entregue as suas próprias paixões (Rm. 1.21,22,25), se tornando um maldito por.

·        Passarem a confiar em suas próprias necessidades (Jr. 17.5);
·        Indo além do que esta escrito (1Co. 4.6).
·        Pregam outras doutrinas (2Tm. 4.6),
·        Arrastam pessoas após se.

São abomináveis aos olhos de Deus quem faz tais coisas e por isso não ficaram impunes (Pv. 16.5), e serão abatidos pelo Onipotente (Jó. 40.11,12; Pv. 8.3; 29.23; Lc. 14.11; 18.14; At. 12.23; Tg. 4.6; 1Pe. 5.5).

Conclusão:

Deus chamou a todos quanto quis, para receberem a salvação, não fazendo distinção de raça, língua, tribo ou nação (Mt. 11.28; 1Tm. 2.4; Ez. 18.32; Jo. 3.16; At.17.30; Tt. 2.11; 2Pe. 3.9),  a ultima mensagem evangelística da Bíblia deixa bem claro isso (Ap. 22.17), mas não são poucos que viram as costas para Cristo, que Deus nos abençoe e nos guarde disso. Amem!







O que separa o homem de Deus




Introdução:

Depois de sermos lavados remidos pelo sangue do cordeiro existe alguma coisa que pode fazer Deus se afastar de nós, capaz de fazer com que o homem não tenha comunhão com o Senhor.

• A santidade é a única coisa capaz de fazer com que um ser humano convertido tenha comunhão e intimidade com Deus. Quem ouve a palavra de Deus e a guarda, cumprindo o que nela esta escrito o Senhor se revela a ele “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele. João 14:21 . É por isso que as escrituras enfatizam tanto que nós devemos ser santos, por que a santidade nos aproxima de Deus. “Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós. Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Alimpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai os corações.
Tiago 4:7-8
. Vejam também (1Pe. 1.15,16; Hb. 3.14,; 2.10,11). Porém a falta de santidade nos afasta de Deus “Cobiçais, e nada tendes; matais, e sois invejosos, e nada podeis alcançar; combateis e guerreais, e nada tendes, porque não pedis. Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites. Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus. Tiago 4:2-4 . Vejam também (Is. 59.1,2; Rm. 3.23).

1. Vejamos alguns casos em que santidade mantinha a comunhão com Deus, e a falta dela resultou na separação com o Senhor.

1.1.       O caso de Adão e Eva.

Quando eles viviam no Éden, por serem santos e perfeitos “E criou Deus o homem à sua imagem: à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. Gênesis 1:27”. “Eis aqui, o que tão somente achei: que Deus fez ao homem reto, porém eles buscaram muitas astúcias.” Eclesiastes 7:29 , por isso usufruíam da presença de Deus “E ouviram a voz do SENHOR Deus, que passeava no jardim pela viração do dia...” Gênesis 3.8a. Porém quando pecaram, perdeu aquela comunhão, aquela intimidade que possuíam “O SENHOR Deus, pois, o lançou fora do jardim do Éden, para lavrar a terra de que fora tomado. E havendo lançado fora o homem, pôs querubins ao oriente do jardim do Éden, e uma espada inflamada que andava ao redor, para guardar o caminho da árvore da vida.” Gênesis 3:23-24 .

1.2.       O caso do povo de Israel.

Que o Senhor prometeu a eles que se andassem em santidade estaria no meio deles (Lv. 11.44; Nm. 16.3), porém o povo não andou em santidade, por isso o Senhor se afastou deles. “E naqueles dias fizeram o bezerro, e ofereceram sacrifícios ao ídolo, e se alegraram nas obras das suas mãos. Mas Deus se afastou, e os abandonou a que servissem ao exército do céu, como está escrito no livro dos profetas: Porventura me oferecestes vítimas e sacrifícios No deserto por quarenta anos, ó casa de Israel?” Atos 7:41-42

1.3.       O caso dos Crentes hoje.

Se nós retivermos a nossa comunhão, sendo pessoas santas estaremos com o senhor e Ele conosco, disse Jesus: “Se me amais, guardai os meus mandamentos. E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre;” João 14:15-16. “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele. Disse-lhe Judas (não o Iscariotes): Senhor, de onde vem que te hás de manifestar a nós, e não ao mundo? Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada.” João 14:21-13. Porém se não andarmos em santidade seremos separados de Cristo “Portanto, qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus. Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei também diante de meu Pai, que está nos céus.” Mateus 10:32-33 . “Considera, pois, a bondade e a severidade de Deus: para com os que caíram, severidade; mas para contigo, benignidade, se permaneceres na sua benignidade; de outra maneira também tu serás cortado.” Romanos 11:22

Conclusão:

Alguém quer se afastado de Deus, ver a sua mão recolhida e os seus ouvido tampado, então saiba. “Eis que a mão do SENHOR não está encolhida, para que não possa salvar; nem agravado o seu ouvido, para não poder ouvir. Mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça. “
Isaías 59:1-2


Criança Tem Anjo da Guarda?




“Vede, não desprezeis a qualquer destes pequeninos; porque eu vos afirmo que os seus anjos nos céus vêem incessantemente a face de meu Pai celeste” (Mateus 18:10).




 Introdução:


Em certa ocasião, desejando dar aos discípulos uma lição sobre humildade (Mt 18.1), o Senhor Jesus chamou uma criança para perto de si (v. 2) e ensinou aos discípulos a necessidade de alguém se tornar como uma delas para entrar no Reino (v. 3-4). Receber uma criança no nome do Senhor significa receber ao próprio Senhor (v. 5). Em seguida, o Senhor falou do castigo dos que colocam tropeços diante dos “pequeninos” que crêem nEle (v. 6-9) e advertiu os discípulos a que não os desprezassem, diante do cuidado vigilante de Deus por eles, através dos anjos (v. 10).

Este dito é difícil porque sugere a existência de “ anjos da guarda” de crianças, que estariam constantemente na presença de Deus, velando e cuidando das crianças. O conceito de que cada crente tem um anjo da guarda enviado por Deus sempre foi popular entre os cristãos, e tem se tornado ainda mais popular com a crescente onda de fascínio pelos anjos que tem invadido as igrejas evangélicas, acompanhando o aumento do misticismo e do ocultismo no mundo.

Há várias interpretações para este dito difícil de Jesus.

1. Os anjos no céu são as almas das crianças quando morrem.

De acordo com este entendimento, Jesus ensinou que as almas das crianças (os “anjos” delas) vão para o céu após a morte das crianças, e ficam continuamente na presença de Deus. De acordo com esta interpretação, Jesus mandou que os discípulos não desprezassem as crianças pois elas, quando morrem, vão, na forma de anjos, morar na presença de Deus. Alegam que Jesus se referiu aos “seus anjos no céu”, indicando que se refere ao que acontece após a morte. A dificuldade óbvia com esta interpretação é que identifica alma com anjo, uma associação impossível à luz do Novo Testamento. A alma faz parte da personalidade humana, enquanto que um anjo é um ser distinto do homem. As pessoas não se transformam em anjos quando morrem, conforme a crendice popular, mas suas almas comparecem, como almas, à presença de Deus.

2. Cada criança tem um anjo da guarda.

Outra interpretação entende que a expressão “seus anjos” se refere a anjos destacados por Deus para guardar cada criança, e que neste labor, eles ficam subindo constantemente ao céu, na presença de Deus, para dar relatórios de suas atividades e interceder em favor das crianças. Esta doutrina é defendida pela Igreja Católica, que diz que no batismo cada criança recebe seu anjo da guarda, que é enviado por Deus para proteger e aconselhar esta criança toda a sua vida. Esse anjo é também chamado, na teologia católica, de "anjo custódio".

Há várias passagens bíblicas usadas para defender esta interpretação. “O anjo do SENHOR acampa-se ao redor dos que o temem e os livra” (Salmo 34:7) é uma das mais conhecidas. Também Gênesis 48.16, onde Jacó se refere a um anjo que o teria livrado de todo o mal (na verdade, refere-se ao anjo do Senhor). Menciona-se também o anjo que veio em socorro de Daniel (Dn 6.22). Estas e outras passagens entretanto não provam o ponto, apenas mostram que Deus envia anjos para proteger e salvar seus servos em determinados momentos. A idéia de “ anjo da guarda” para cada criança é bastante estranha à luz da doutrina bíblica, muito embora esteja claro que uma das funções dos anjos é proteger os filhos de Deus. Nenhuma das passagens geralmente usadas para provar a existência de “anjo da guarda” realmente prova coisa alguma. Ao final, existe muita influência da crendice e da superstição popular sobre o assunto.

3. Os “pequeninos” são os crentes em Jesus Cristo.

A outra interpretação defende que a chave para entendermos este dito difícil de Jesus é a palavra “pequeninos”. A quem Jesus se refere? O termo pode ser tomado literalmente como se referindo às crianças, como as duas interpretações acima o fazem, ou figuradamente, como se referindo aos discípulos de Jesus. Esta última possibilidade resolve o problema e tem apoio bíblico. Primeiro, Jesus usa regularmente o termo “pequeninos” para se referir aos discípulos, cf Mt 10.42; 18.6; Mc 9.42; Lc 17.2. Note que nos versos 1-5 Ele se referiu claramente às “crianças”, e nos versos 6-10 Ele menciona os “pequeninos”. Segundo, os discípulos são comparados com crianças, no que diz respeito à confiança em Deus. Terceiro, a passagem se encaixa no ensino geral do Novo Testamento sobre o ministério dos anjos em favor dos filhos de Deus, como Hebreus 1.14. Portanto, a melhor explicação para esta passagem é que Jesus está ensinando que Deus envia seus anjos para assistir aos “pequeninos”, que são os seus discípulos, os filhos de Deus pela fé, comparados a crianças, e que, portanto, nós não devemos desprezar estes “pequeninos”. Esse ministério angélico para com os “pequeninos” faz parte do cuidado geral que os anjos desempenham, pelo povo de Deus (cf. Sl 91.11; Hb 1.14; Lc 16.22).


Conclusão

A passagem não está ensinando que cada crente ou criança tem seu próprio “anjo da guarda”, como era crido popularmente entre os judeus na época da igreja primitiva. Fazia parte desta crença que o “anjo guardião” poderia tomar a forma do seu protegido (cf. At 12.15). Ela simplesmente expressa o cuidado geral de Deus por seu povo através dos anjos.



Por Augustus Nicodemus Lopes
Fonte: O Tempora! O Mores!

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

A tríplice Santificação na Vida do Crente.


Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor; (Hb. 12.14)


Introdução.

A Santificação do crente esta pautada em três vertentes

1. Santidade posicional. 

Neste caso a nossa santificação é completa e perfeita, por que em Cristo Jesus nós somos santos (Ef. 2.6; Cl. 2.10), ou seja a santidade do Senhor Jesus passa a ser a nossa santidade (1Jo. 4.17b), assim nós somos visto por Deus como um "Povo Santo" (1Pe. 2.9).

2. Santificação progressiva: 

É a santidade alcançada com o novo viver diário.
É passar a ter uma vida separada e irrepreensível, é ter uma vida no altar, ser puro, é ser afastado do pecado do erro e do mundanismo.

• santidade progressiva é o processo em que o crente gradual e continuamente, é conduzido ao aperfeiçoamento do seu caráter, para que ele seja cada vez mais parecido com Cristo (Pv. 4.18; 2Co. 3.18).

3. A santificação futura: 

Nesta ocasião a nossa santificação será completa e final (1Jo. 3.2), e ocorrerar na ocasião do arrebatamento da Igreja e da ressurreição dos mortos, quando todos os santos terão os seus corpos transformados (1Ts. 4.16-18; 1Co. 15.53).
E assim estaremos para sempre com o Senhor e assim como Ele é, nos seremos.


conclusão:


Santificação é um processo provido por Deus, em que o crente fica cada vez mais parecido com Cristo, ou sja, santo. Esta é a única coisa que juntamente com a fé possibilitar ao crente ter a certeza da salvação, e que as suas orações estão sendo ouvidadas e por fim alcançar a vida eterna.

Como Devemos Pensar Em Cristo.




Precisamos pensar em Cristo em termos elogiosos. Irmãos, é adequado que vocês pensem em Cristo como pensam em Deus — como o Juiz dos vivos e dos mortos. E não nos convém pensar levianamente de nossa salvação; se pensamos pouco nEle, também esperaremos obter senão pouco dEle. E aqueles de nós que ouvem falar negligentemente destas coisas, como se fossem de pequena monta, pecam, não sabendo de onde fomos chamados, por quem e para que lugar, e o quanto Jesus Cristo se submeteu para sofrer por nossa causa.
Que retorno lhe daremos, ou que fruto será digno do que Ele nos deu? Pois quão grandes são os benefícios que lhe devemos! Ele nos tem dado luz graciosamente; como Pai, Ele nos chamou de filhos; Ele nos salvou quando estávamos prestes a perecer. Que louvor lhe ofereceremos, ou que lhe daremos pelas coisas que recebemos?
Éramos deficientes no entendimento, adorando pedras, madeira, ouro, prata e metal, trabalhos das mãos de homens; e nossa vida era nada mais que morte. Envolvidos em cegueira e com tais trevas diante dos olhos, recebemos visão e, por sua vontade, pusemos de lado aquela nuvem em que estávamos envolvidos. Ele teve compaixão de nós e misericordiosamente nos salvou, observando os muitos erros nos quais estávamos emaranhados, bem como a destruição a qual estávamos expostos e da qual não tínhamos esperança de salvação, exceto a que nos deu.
Ele nos chamou quando ainda não existíamos e nos quis para que do nada alcançássemos uma existência real.



Segunda Epístola de Clemente

As Aparições de Jesus Ressuscitado.


E,chegando Jesus às partes de Cesaréia de Filipe, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens ser o Filho do homem?E eles disseram: Uns, João o Batista; outros, Elias; e outros, Jeremias, ou um dos profetas. Disse-lhes ele: E vós, quem dizeis que eu sou? E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus. Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus. Então mandou aos seus discípulos que a ninguém dissessem que ele era Jesus o Cristo. Desde então começou Jesus a mostrar aos seus discípulos que convinha ir a Jerusalém, e padecer muitas coisas dos anciãos, e dos principais dos sacerdotes, e dos escribas, e ser morto, e ressuscitar ao terceiro dia.


Introdução.

Depois que Pedro disse para Jesus que ele era o Cristo, O Filho do Deus bendito, O Divino Mestre começou a dizer para os seus discípulos que era necessário que Ele fosse entregue aos principais dos judeus, entregue aos gentios, que Ele fosse escarnecido, que cuspiriam nele, que fosse morto mas que ao terceiro dia ele ressuscitaria.

1. A ressurreição foi profetizada por Jesus

(Mt. 16.21; 17.22-23; 20.17-19; Mc. 9.9,31; 10.34; Lc. 18.33; Jo. 2.19-22; 10.17; 14.19).

1.1. Profetizada pelos Anjos (Mt. 28.5-7).

1.2. Proclamado pelos discípulos (At. 1.22; 2.24-36; 3.15; 4.2,10,33; 5.30; 10.40; 13.30,37; 17.31).

1.3. Escritas nas cartas Paulinas (Rm. 1.4; 4.24,25; 6.4,9,10; 8.11,34; 10.9; 1Co.15; 2Co. 4.14; Gl.1.1; Ef. 1.19-21; 1Ts. 1.10; 2Tm. 2.8).

1.4. Descrita em outras cartas apostólicas (Hb
13.20; 1Pe. 1.3,21; 3.18,21-22; Ap.1.5,18)
2. A ultima semana de Jesus.

• Domingo - Entrada triunfal em Jerusalém (Mt. 21.1-11; Mc. 11.1-11; Lc. 19.28-40; Jo. 12.12-15)
• Segunda-Feira - Purificou o templo, expulsando os vendilhões (Mt. 21.12,13; Mc. 11.15-17; Lc. 19.45,46). E depois de sair do templo amaldiçoou a figueira (Mt. 21.18,19; Mc. 11.12-14, 20-24),
• Terça-feira - Jesus teve a sua autoridade desafiada e colocada em dúvida (Mt. 21.23-27; Mc. 11.27-33; Lc. 20.1-8); Jesus ensinou nos átrios do templo (Mt. 21.28—23.29; Mc. 12.1-40; Lc. 20.9-47). Os anciões planejam conseguir uma maneira de tirar a vida de Jesus (Mt. 26.1-5; Mc. 14.1,2; Lc. 22.1,2; Jo.11.45-53), Jesus foi ungido na cabeça em Betânia, casa de Simão o leproso (Mt. 26.6-13; Mc. 14.3-9).
• Quarta-feira - A conspiração contra Jesus, e o pacto da traição (Mt. 26.14-16; Mc. 14.10-11; Lc. 22.3-6).
• Quinta-feira - Jesus realizou a ultima ceia com os seus discípulos (Mt. 26.17-29; Mc. 14.12-26; Lc. 22.7-20), e nesse ínterim: O traidor é indicado (Mt. 26.20-25; Mc. 14.17-21; Lc. 22.21-23; Jo.13-21-30), Pedro é avisado da sua negação (Jo. 13.36-38; Lc. 22.31-34; Mc. 14-27-31; Mt. 31-35); Jesus consola os seus discípulos e lhes dão as ultimas recomendações (Jo.13.38—16.33), Jesus faz a oração sacerdotal (Jo. 17.1-26). Jesus vai para o getsêmani, e ora ali intensamente (Mt. 26.36-46; Mc. 14.32-42; Lc. 22.39-46).
• Sexta-feira- Jesus é preso e julgado injustamente (Mt. 26.47—27.26;).
Jesus é levado perante o Sinédrio(Mt. 26.57-68; Mc. 14.53-65; Lc. 22.63-71; Jo.18.12-14, 19-24), Jesus é negado por seu discípulo (Mt. 26.69-75; Mc. 14.66-72; Lc. 22.55-72; Jo. 18.15-18, 25-27). Jesus é entregue por Pilatos para ser crucificado e morto no Golgota (Mt. 27.27-56;). Jesus é sepultado (Mt. 27.57-66).
• Sábado - Jesus permaneceu no sepulcro, sabat "o dia do descanso".
• Domingo - Jesus ressuscitou, aparece para os seus discípulos (Mc. 16
1-8; Lc. 24.1-12; Jo. 1-10), e os guardas são subornados para negarem este fato (Mt. 28.11-15).

3. As aparições de Jesus ressuscitados.


• Domingo da Ressurreição - Jesus aparece a Maria Madalena no jardim em Jerusalém (Mc. 16.9-11; Jo. 20.11-18). A duas pessoas no caminho quando eles iam para Emaús (Mc. 16.12-13; Lc. 24.13-32). A Pedro em Jerusalém (Lc. 24.34; 1Co. 15.5) e aos dez discípulos em uma casa (Mc. 16.14; Lc. 24.36-43; Jo. 20.19-25).

• No Domingo seguinte - Aos onze díscípulo em uma casa em Jerusalém (Jo. 20.26-31; 1Co.15.5).

• Algum tempo depois - Aos sete discípulos que pescavam no Mar da Galileia (Jo. 21.1-25).

• Algum tempo depois - aos onze discípulos em um monte na galileia (Mt. 28.16-20; Mc. 16.15-18). A mais de quinhentos irmãos em um local desconhecido (1Co. 15.6), e a Tiago (1Co. 15.7).
• Quarenta dias depois - aos seus discípulos no Monte das Oliveiras (Lc. 24.44-51; At. 1.3-9; 1Co. 15.7).

• Vários anos depois - Jesus apareceu a Paulo no caminho para Damasco (At. 9.1-19; 22.3-16; 26.9-18).
4. O sentido da ressurreição para o cristão.

(Rm. 4.25; 6.4; 1Co. 15.4,12-17; Ef. 1.20; Cl. 2.12; 3.1; 1Ts. 4.14-16).

Conclusão:

Os relatos Bíblicos acerca da ressurreição de Cristo, são provas suficiente de que isso é uma verdade, os livros e as cartas escritas pelos apóstolos são documentos que comprovavam essa afirmação, de que Jesus ressuscitou, e que mais tarde foi acrescentada aos demais livros das escrituras, a Bíblia.

Observem uma coisa: O que prova que o Brasil foi descoberto pelos Portugueses, é uma carta escrita por Pero Vaz de Caminha para D. Manuel, o rei de Portugal. O que comprova a sua e a minha existência, é um pequeno pedaço de papel e o testemunho de seus pais, e isso tudo é documento e provas suficientes de que isto é verdade.

Como eu não posso acreditar em relatos feitos por homens idôneo contemporâneos a Jesus, documentados por eles, que não ganharam nada com este fato, mas a morte. mas com tudo o cristão vive pela fé. Amem!


_______________________________________________________
http://centralizadosemcristo.blogspot.com.br/p/contribua.html








quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Crescer no Conhecimento Sem Esquecer o Poder do Alto



Antes crescei na graça e conhecimento de Nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo. A Ele seja dada a glória, assim agora, como no dia da eternidade. Amém”, 2 Pe 3.18. 

O apóstolo Pedro teve suas dificuldades no início da sua fé em Cristo, e também ao longo dela, como registra o Novo Testamento. Jesus, antes do calvário, chegou a adverti-lo de que Satanás estava a tramar contra os Doze, inclusive ele, Pedro, para arruinar a sua fé. “Disse-lhe também o Senhor: Simão, Simão, eis que Satanás vos pediu para vos cirandar como trigo; mas eu roguei por ti, para que tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres, confirma teus irmãos”, Lc 22.31,32. O texto bíblico que abre este artigo mostra-nos que na vida espiritual, do crente mais simples ao líder cristão mais destacado, o elemento basilar é a fé em Cristo, priorizada, mantida, fortalecida, purificada, renovada e, ao mesmo tempo, seguida do conhecimento de Deus.  

“Crescei na graça e conhecimento”, diz o texto sagrado. Essa ordem jamais deve ser invertida. Cuidar da nossa fé é cuidar do nosso crescente relacionamento e comunhão com Deus. Estamos falando da fé como elemento da natureza divina, como atributo de Deus (Atos 16: “...a fé que é por Ele...”; Gálatas 5.5: “...pelo Espírito da fé...”). 

A fé em Deus, basilar e primacial como é na vida do cristão, deve ser seguida do conhecimento espiritual. “Criado com as palavras da fé e da boa doutrina”, 1 Tm 4.6. Veja também 2 Pedro 1.5, onde o conhecimento deve seguir-se à fé. Fé sem conhecimento, segundo as Escrituras, leva ao descontrole, ao exagero, ao misticismo, ao sectarismo e ao fanatismo final e fatal. Sobre isso adverte-nos o versículo 17, anterior ao que abre o presente artigo, que os leitores farão bem em lê-lo. É oportuno observarmos que o dito versículo remete-nos claramente ao versículo 18, que estamos destacando. “Antes” é um termo conclusivo; refere-se a uma conclusão à qual se chega. 

“Antes crescei” – A vida cristã normal deve ser um crescer constante para a maturidade espiritual, como mostra 2 Coríntios 3.18: “Somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.” Esse crescimento transformador deve ser homogêneo, uniforme, simétrico; caso contrário virão as anormalidades com suas consequências. Lembremo-nos do testemunho do apóstolo Paulo sobre si mesmo em 1 Coríntios 13.11, e o comparemos com o depoimento bíblico de Atos 9.19-30 e 11.25-30.

  • Um crente sempre imaturo na graça e conhecimento de Deus é também um problema contínuo para ele mesmo, para outros à sua volta e para a sua congregação como um todo. E pior ainda é quando o cristão desavisado cuida apenas de seu conhecimento secular, terreno, humano, social, e também quando cuido do conhecimento bíblico e teológico sem antes e ao mesmo tempo renovar-se no poder do Alto, o poder do Espírito Santo, que nos vem pela imensurável graça de Deus em suas riquezas (Ef 2.7). Tudo mediante Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. 

Crescimento do crente na graça de Deus – A graça de Deus é seu grandioso favor imerecido por todos nós pecadores. Essa maravilhosa graça divina é multiforme e abundante (1Pe 4.10; Ef 2.7). Nosso Deus é “o Deus de toda a graça” (1Pe 5.10). Menosprezar essa inefável graça divina é insultar o Espírito Santo, “o Espírito da graça” (Hb. 10.29). Só haverá crescimento na graça de Deus por parte do crente se este invocá-la, apoderar-se dela pela fé e cultivá-la em sua vida. “Minha graça te basta”, disse o Senhor a Paulo quando este orava por livramento (2 Co 12.8-10). 

Crescimento do crente no conhecimento – Esse conhecimento do crente na esfera da salvação, de que nos fala a Escritura, nos vem pelo Espírito Santo (Ef. 1.17, 18; Cl 1.9; 1Co 12.8). Cristo é a fonte e manancial da graça de Deus (Jo. 1.16, 17) e também o alvo do nosso conhecimento (Fp. 1.8,10). O conhecimento de Deus nos vem também pela comunhão com Ele, é óbvio, sendo um meio de usufruirmos mais de Sua graça (2Pe 1.2). Quem está crescendo na graça e no conhecimento de Deus ainda tem muito a crescer. Afirma o texto de João 1.17 “...e graça por graça...”. Se alguém estacionar no desenvolvimento de seu andar com Deus, virá o colapso. É como alguém sabiamente disse: “A verdadeira vida cristã é como andar de bicicleta; se você parar de avançar, você cai!”.

  • O Senhor Jesus ensinou, dizendo: “Se permanecerdes na minha Palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”, Jo. 8.31,32. Não é, portanto, o conhecimento em si que liberta; ele é um meio provido por Deus para chegarmos à verdade. Há muitos na igreja com vasto conhecimento secular, teológico e bíblico, contudo repletos de dúvidas, interrogações, suposições e enganos quanto a Deus, quanto à salvação, quanto às Sagradas Escrituras etc. 

Como pode o crente crescer na graça e no conhecimento de Deus:
  • Primeiro: Orando sem cessar (1Ts 5.17; 2Co 12.8, 9; Jr 33.3). A oração é um precioso e eficaz meio de comunhão com Deus. 
  • Segundo: Lendo e estudando a Bíblia continuamente (At 17.11; 1Pe 2.2; Sl 1.2, 3), e obedecendo a Deus, a partir da Sua Palavra (Sl 119.9. 11; Jo 14.21, 23). E também vivendo de modo agradável a Deus (e não somente em obediência a Deus) (Cl 1.10; 1Jo 3.22); testemunhando de Cristo e de Sua salvação (At 1.8; 5.42); permanecendo na doutrina do Senhor (At 2.42; Rm 6.17; 3Jo vv.3,4).
  • Frequentando a Casa de Deus (Hb 10.25; Lc 2.37; Sl 27.4); sendo ativo no serviço do Senhor (Mt 21.28).
  • vivendo continuamente em santidade (Lc 1.75; 2Co 7.1); mantendo-se renovado espiritualmente (2Co 4.17; Ef 5.18) e experimentando a progressiva transformação espiritual pelo Espírito Santo, tendo Ele em nós plena liberdade para isso (2Co 3.18). 

Sinais de “meninice” (não-crescimento) espiritual – Os cristãos da igreja de corinto tiveram este problema (1 Co 3.1, 2). Ver também Hebreus 5.12- 14. Crianças, no sentido físico, são fáceis de detectar; no sentido espiritual, também – havendo exceções, é evidente. A criança fala muito, mas não diz nada ou quase nada. A criança, por natureza, é egoísta. Tudo sou “eu” e o todo é “meu”. A criança brinca muito e também “briga” muito. A criança normal dorme muito – e dorme em qualquer lugar! A criança gosta muito de ruído, de barulho, e geralmente no momento e no lugar impróprios para os adultos. Quanto mais barulho, mais a criança gosta! A criança gosta muito de doces (Ler Provérbios 25.16,27 e Levítico 2.11). Doces engordam, mas engordar não é crescer, e nem sempre é sinal de saúde. 

A criança é muito sentimentalista. Ela vive pelo que sente. Por coisa mínima, a criança chora, amua-se e some da cena. A criança é muito crédula. Ela não discute nem questiona as coisas da vida em geral. Ela crê em tudo, sem argumentar. Ela aceita praticamente tudo sem averiguar, sem filtrar, sem discutir. 

A criança não gosta de disciplina. Ela não gosta de obedecer. Também a criança é fantasiosa. Ela exagera as coisas. Ela cria o seu próprio mundo de fantasia para si e vive esse seu mundo. A criança pequena não tem equilíbrio. Não tem firmeza. Com facilidade, ela tropeça, escorrega, cai e levanta-se. A criança é imitadora. Ela, se puder, imita tudo, inclusive o ato de trabalhar dos adultos, mas tudo imitação, e às vezes machuca-se por isso. A criança, em geral, é fraca; ela não tem a resistência dos adultos. Finalmente, a criança não entende coisas difíceis, coisas de gente grande. 

Essas verdades e realidades devem ser aplicadas à nossa vida cristã para vermos se estamos crescendo para a maturidade ou se ainda permanecemos quais criancinhas incipientes e crédulas. O procedimento correto para o crente evitar um colapso na sua vida espiritual é “crescer na graça e no conhecimento de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo”. 

Artigo publicado no jornal Mensageiro da Paz - Número 1513 - Junho de 2011, CPAD 

"Quem nos separará do amor de Cristo?




"Quem nos separará do amor de Cristo?" Rm 8:35

A ênfase desta última seção é sobre a segurança do cristão. Não precisamos temer o passado, o presente ou o futuro, pois estamos seguros no amor de Cristo. Paulo oferece cinco argumentos para provar que o cristão não pode ser separado de seu Senhor.

Deus é por nós (v. 31). O Pai é por nós e provou esse fato entregando seu Filho (Rm 8:32). O Filho é por nós (Rm 8:34) e o Espírito também (Rm 8:26). Deus faz todas as coisas cooperarem para nosso bem (Rm 8:28). Deus é por nós em sua Pessoa e em sua providência. Por vezes, lamentamos como Jacó: "Todas estas coisas me sobrevêm" (Gn 42:36), quando, na verdade, tudo está trabalhando em nosso favor. A conclusão é óbvia: "Se Deus é por nós, quem será contra nós?".

O cristão precisa começar cada dia ciente de que Deus é por ele. Não há nada a temer, pois o Pai amoroso deseja apenas o que é melhor para seus filhos, mesmo quando precisamos passar por provações para receber o que ele tem de melhor a oferecer. "Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que desejais" (Jr 29:11).

Cristo morreu por nós (v. 32). Vemos aqui uma argumentação em ordem crescente. Se, quando éramos pecadores, Deus nos deu seu melhor, agora que somos filhos de Deus, acaso ele não nos dará tudo de que precisamos? Jesus empregou essa mesma argumentação quando tentou convencer as pessoas de que era inútil se preocupar e temer. Se Deus cuida dos pássaros e das ovelhas, e até mesmo dos lírios, certamente cuidará de nós! Deus se relaciona com seus filhos com base na graça do Calvário, não com base na Lei. Deus concede todas as coisas em abundância aos que lhe pertencem!

Deus nos justificou (v. 33). Isso significa que nos declarou justos em Cristo. Satanás deseja nos acusar (Zc 3:1-7; Ap 12:10), mas, em Cristo Jesus, somos justos diante de Deus. Somos os eleitos de Deus - escolhidos em Cristo e aceitos em Cristo. Uma vez que é Deus quem nos justifica, por certo não nos acusa. Para ele, acusar os seus seria o mesmo que dizer que sua salvação falhou e que continuamos vivendo em nossos pecados.

Podemos experimentar paz no coração quando entendemos o significado da justificação. Quando Deus declara que o pecador que crê foi justificado em Cristo, trata-se de uma declaração inalterável. Nossas experiências com Cristo mudam cada dia, mas a justificação é sempre a mesma. Podemos nos acusar a nós mesmos ou sofrer a acusação de outros, mas Deus jamais nos acusa. Jesus já pagou o castigo, e estamos seguros nele.

Cristo intercede por nós (v. 34). A segurança do que crê em Cristo se deve a uma intercessão dupla: o Espírito intercede (Rm 8:26, 27) e o Filho de Deus intercede (Rm 8:34). O mesmo Salvador que morreu por nós intercede por nós no céu. Como nosso Sumo Sacerdote, pode nos dar a graça de que precisamos para superar a tentação e derrotar o inimigo (Hb 4:14-16). Como nosso Advogado, pode perdoar nossos pecados e restaurar nossa comunhão com Deus (1Co 1:9 - 2:2). Essa intercessão significa que Jesus Cristo nos representa diante do trono de Deus e que não precisamos nos defender.

Paulo deixa esse ministério de intercessão subentendido em Romanos 5:9, 10. Não apenas somos salvos por sua morte, mas também por sua vida. "Por isso, também pode salvar totalmente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles" (Hb 7:25). Pedro pecou contra o Senhor, mas foi perdoado e restaurado à comunhão por causa de Jesus Cristo."Simão, Simão, eis que Satanás vos reclamou para vos peneirar como trigo! Eu, porém, roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; tu, pois, quando te converteres, fortalece os teus irmãos" (Lc 22:31,32). Ele está rogando por todos nós, e esse ministério garante que estamos seguros.

Cristo nos ama (vv. 35-39). Em Romanos 8:31-34, Paulo prova que Deus não falha conosco; mas será que podemos falhar com ele? E se vacilarmos em meio a alguma grande provação ou tentação? O que será de nós? Paulo trata desse problema nesta última seção e explica que nada nos separará do amor de Jesus.

Em primeiro lugar, Deus não nos protege das dificuldades da vida, porque precisamos delas para nosso crescimento espiritual (Rm 5:3-5). Em Romanos 8:28, Deus garante que as dificuldades da vida trabalham a nosso favor, não contra nós. Deus permite que venham as provações, a fim de usá-Ias para nosso bem e para a sua glória. Uma vez que suportamos as provações por amor a ele (Rm 8:36), é possível nos abandonar? De modo algum!

Antes, quando passamos pelas dificuldades da vida, ele está mais próximo de nós. Além disso, ele nos dá o poder de conquistar a vitória (Rm 8:37). Somos "mais que vencedores"; literalmente, somos "supervencedores" por meio de Jesus Cristo! Ele nos dá vitória sobre vitória! Não precisamos temer a vida nem a morte, nem as coisas do presente, tampouco as do futuro, pois Jesus Cristo nos ama e deseja nos dar a vitória.

Não se trata de uma promessa condicional: "Se fizermos isso, Deus fará aquilo". Essa garantia em Cristo é um fato comprovado, e nos apropriamos dele porque estamos em Cristo. Nada pode nos separar de seu amor!

Podemos crer nessa verdade e nos regozijar!

Warren W. Wiersbe
Comentário Bíblico Expositivo


terça-feira, 21 de agosto de 2012

A Esterelidade Atrapalha o Triunfo

E dizia esta parábola: Um certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha, e foi procurar nela fruto, não o achando;  E disse ao vinhateiro: Eis que há três anos venho procurar fruto nesta figueira, e não o acho. Corta-a; por que ocupa ainda a terra inutilmente? E, respondendo ele, disse-lhe: Senhor, deixa-a este ano, até que eu a escave e a esterque; E, se der fruto, ficará e, se não, depois a mandarás cortar. E ensinava no sábado, numa das sinagogas.(Lc. 13:6-8)


Introdução:

  Tudo aquilo em que não há vida, que não produz, que não fecunda para gerar outras vidas, que é ingrato é estéril, e no Reino de Deus para nada mais presta.

  1. O significado da parábodo da parábola:la:

1.1. O contexto da parábola
Jesus ensinava a muitas pessoas quando o interromperam para falar-lhe de um trágico acontecimento (Lc. 13:1). Como resposta a aquela referencia Cristo lhe disse que se eles não se arrependessem todos de igual modo pereceriam (Lc. 13:3); e para reforça a sua tese Jesus fez uma pergunta alusiva a outro fato igualmente trágico (Lc. 13:4), diante dos dois acontecimentos Jesus indagou se os vitimados nos dois casos eram mais culpados que os habitantes de Jerusalém, sem esperar por qualquer resposta o mestre concluiu (Lc. 13:5).

1.2. A figueira e seu significado: (v.6)
Ao analisar o texto, no contexto em que estar inserido, segundo os estudiosos das santas escrituras, conclui-se que a “figueira” representa a Israel. (Jr. 24:1-7)

1.3. A vinha e seu significado: (v.6)
A vinha simboliza as outras nações; a figueira no meio da vinha, simboliza Israel no meio das outras nações. (são todas as árvores dita por Jesus em Lc. 21:29).
Uma figueira plantada em sua “vinha”; é porque, “do Senhor é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam” (Sl. 24:1).

1.4. O dono da vinha e seu significado: (v.6a)
“Um certo homem...” este personagem representa a Deus.

1.5. O vinheiro e seu significado: (v.7)
Por analogia e com base bíblica esse personagem representa Jesus, que foi enviado para
cuidar de Israel, a figueira no meio da vinha (Mt. 15:24; Jo. 1:11).

1.6. A paciência do vinheiro: (vs. 8,9)
O dono da oliveira ia procurar nela fruto e não encontrava, por isso deu ordem para o corte da figueira para que não ocupasse a terra inutilmente mais o vinheiro recebendo a ordem pediu a desse mais uma chance (v.8) e se ela nem assim desse fruto seria cortada (v.9)



  2. O corte da figueira:

E a figueira realmente foi cortada. E tudo isso foi predito pelo Senhor Jesus ( Lc. 19:41; Mt 23:37,38; Lc. 19:42,44). para que nós a igreja viéssemos a dar os seus frutos.

2.1. E que frutos são esses?

são os frutos dignos de arrependimento, os espirituais (Mt.3:8; Gl. 5:22; Ef. 4:32,5,9)
É dessa maneira que Cristão é, e deve ser conhecido pelos frutos. (Mt. 7: 15-20; 12:33,34)

OBS: (1) – Se uma bananeira pudesse falar e lhe dissesse que é um coqueiro, você acreditaria ?
OBS: (2) – Quem é que diz que o fruto da árvore é bom, apropria árvore ou quem colhe e come dos seus frutos ?
OBS: (3) – Para quem serve o fruto da árvore? ou quem se delicia nela? Á árvore ou o fruto da árvore?
OBS: (4) – Existem árvores que os seus frutos é desprezado, mas o produto derivado deste fruto é muito almejado: A amêndoa.
Se dermos bons frutos, seremos agradáveis ao Senhor e se formos agradáveis ao Senhor, a palavra de Deus nos diz que nós teremos uma vida triunfante (Jo 15:7; 2Co 2:14-16) e cheia de bênçãos; Isso se continuar dando bons frutos, porque se não também seremos cortados. (Rm. 11:19b-22; Jo. 15:2a; Mt. 7: 18-19)

3. O segredo para se dar bons frutos:

• É estar enxertado na videira, ou seja estar em Jesus (Jo15:1-5)
• Porém é importante que o nosso fruto permaneça (Lc 8:15)
• Aqueles que foram cortados, mais se arrependerem, Deus é poderoso para de novo enxertá-los na videira (Rm 11:23), E para essas coisas não há acepção de pessoas (Rm. 2:11).

Conclusão

A parábola da figueira refere-se primeiramente a Israel, mais suas verdades aplica-se a qualquer pessoa que professa seguir ao senhor Jesus e não abandonam o pecado, embora Deus de a todos ampla oportunidade de se arrependerem, Ele não tolera para sempre o pecado a falta de bons frutos.
O Senhor nos dá vitória, por amor de Seu nome, por amor as Suas palavras e por amor a nós mesmos, nos admoestam para que venhamos a produzir aquilo que o agrada, para que nunca nos afastemos Dele, a misericórdia do Senhor está sobre nós, aproveitemos esse tão glorioso momento. Amém !

sábado, 18 de agosto de 2012

Como o novo Código Civil afetará as igrejas




A Lei 10.406, de 10 de janeiro 2002, que institui o novo Código Civil Brasileiro, traz várias mudanças que, de forma geral, só vêm reafirmar o que os tribunais brasileiros já aplicavam na prática, devido a desatualização do atual código em relação À realidade dos nossos tempos. No entanto, há nele algumas modificações que merecem toda a atenção dos pastores e igrejas de todo o Brasil. São as que dizem respeito ao regime jurídico das associações.

As igrejas passam a ser associações

A partir de 11 de janeiro de 2003, quando o novo Código Civil entrará em vigor, todas as igrejas passarão a ser associações. A antiga lei as denominava "sociedade pias e religiosas", se bem que os juristas e tribunais já costumavam a tratar as igrejas como associações. Até aí, tudo bem. No entanto, com a cristalização dessa compreensão, algumas mudanças vieram.

A principal mudança é a limitação do poder de auto-regulação por parte das associações. Isso significa que, a exemplo do que já acontece com outros tipos de sociedades e de comunhão de interesses - como os condomínios de edifícios, por exemplo -, a nova lei traz, do seu artigo 53 até o 61, uma série de regras que devem ser observadas obrigatoriamente pelas associações em seus estatutos. Se essas regras não forem adotadas pelas igrejas, elas estarão em situação de ilegalidade irregularidade perante os órgãos competentes, comprometendo a validade de todos os seus atos.

O novo código em seu artigo 2.031, estabelece um prazo improrrogável de um ano para que as associações que já existiam ao tempo da entrada em vigor da nova lei adaptem seus estatutos às novas regras. ou seja, as igrejas terão até janeiro de 2004 para mudar seus estatutos.

Segundo os juristas, essa modificação se deve ao fato de que, nos últimos anos, as igrejas despertaram o interesse do administrador público. E a atenção não se dá apenas na área cívil, mas também nas demais áreas do Direito, em especial nas questões administrativas, tributária e penais.

"Constitui-se imperioso que os administradores eclesiásticos entendam que não se admite mais que as igrejas vivam na busca de grandes conquistas e realizações no que tange a construção de magníficos templos e insistência em isenções e tratamentos especiais. Procurar atalhos é se expor ao crivo dos poderes públicos constituídos, cujo risco vai de uma simples multa ou a punição alternativa, com cumprimento de obrigações de entidades beneficentes, até uma pena de reclusão para os seus dirigentes

As igrejas devem ter uma contabilidade formal e real de seu movimento financeiro; filiação de seus empregados ao INSS e dos ministros com dedicação integral à igreja, pois são considerados contribuintes obrigatórios; elaboração e entrega anuais de Imposto de Renda da igreja, de seu pastor e dos membros da diretoria; atas em livros próprios e registros equivalentes; escritas públicas e registros dos bens imóveis Notarial de Registros de imóveis; inventário e controle dos bens móveis e imóveis e semoventes (animais); controle pessoal e direto da guarda de veículos deixados no estacionamento da igreja por ocasião dos cultos; plantas dos templos de acordo com o CREA - Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura, com o objetivo de atender às exigências relativas à construção civil e aos direitos de vizinhança e impacto ambiental; e reforma adequação do estatuto.

Disciplina e exclusão nas igrejas

Uma outra novidade diz respeito à exclusão e disciplinas nas igrejas. O artigo 57 do novo código concede direitos ao associado (membro da igreja) que está para ser excluído. A exclusão só é admitida "havendo justa causa, obedecido o disposto no estatuto; sendo este omisso, poderá também ocorrer, se for reconhecida a existência de motivos graves, em deliberação fundamentada, pela maioria absoluta dos presentes à assembléia-geral, especialmente convocada para este fim". Em outras palavras, antes de excluir algum de seus membros, as igrejas devem observar agora três coisas:

a) O motivo da exclusão deve estar expressamente previsto

Para que haja justa causa, é preciso que o fato que deu ensejo à exclusão já esteja previsto no estatuto da igreja. Cada igreja deve apresentar em seu estatuto, ou em um regimento disciplinar que seja elaborado e aprovado conforme se dispuser no estatuto, quais serão as transgressões que darão ensejo à exclusão ou à aplicação de penalidade ao membro. É preciso que sejam relacionadas todas as transgressões. Não se pode aceitar cláusulas genéricas como "pecados", "transgressões contra a Palavra de Deus", "condutas contrárias a Bíblia Sagrada" ou similares. Além disso, nas definições das transgressões, devem ser adotados, tanto quanto possível, termos técnicos jurídicos, para que se possa evitar no futuro eventuais questões que sejam levadas ao Poder Judiciário por conta dessas imprecisões terminológicas. "Deve se evitar, por exemplo, o uso de termos como "adultério", que tem um conceito técnico -jurídico bem restrito e diferente do adotado nas igrejas locais", exemplifica o Presbítero Caramuru Afonso Francisco, da Assembléia de Deus no Belenzinho, SP, e doutor em Direito Civil pela Universidade de São Paulo (USP).

b) Definir com clareza as penalidades que poderão ser aplicadas e em que casos deverão ser aplicadas, devendo sempre ser observado o princípio da proporcionalidade.

A desproporção de uma penalidade pode ser questionada nos tribunais. Porém, isso não significa que caso um membro pratique uma transgressão que não seja prevista no estatuto e constitua-se uma infração à sã doutrina, ele não possa ser disciplinado. Será preciso, no entanto, que haja uma assembléia-geral especialmente convocada para este fim e que a maioria absoluta da assembléia seja favorável à disciplina. Se aprovada, ainda será necessário instaurar-se um processo legal, com a oportunidade para que o acusado possa se defender.

c) O Novo Código Civil prevê a possibilidade de recurso à assembléia-geral sempre que for decretada a exclusão.

Em outras palavras, é instituído o direito de defesa ao excluído. "Foi tirado o direito de auto-regulação das normas referentes à exclusão, fazendo com que, obrigatoriamente, haja um procedimento que prime pela possibilidade de defesa e pelo duplo grau de julgamento garantindo às associações aquilo que é próprio do domínio privado: o processo legal", esclarece Caramuru.

Com essas modificações, todo estatuto de igreja deve ter capítulo específico sobre o procedimento de disciplina, criando um rito pelo qual se estabelecerá a apuração e penalização de transgressões, e serão identificados os órgãos que poderão apurar os fatos e os que julgarão esses fatos, havendo uma certa dissociação entre os órgãos que investigarão os fatos e o que os julgará.

Outros detalhes a serem observados são a entrega, por escrito, a cada membro, do regimento disciplinar da igreja, para que não possa alegar desconhecimento das normas da igreja perante a justiça; e o uso do AR/MP (Aviso de Recebimento em Mãos Próprias), o que significa que o acusado deverá ser informado do processo de suspensão da Santa Ceia através de notificação via postal, executada pelos correios.

Os bens dos administradores

Pela norma do artigo 50 do novo Código Civil, os bens particulares dos administradores - no caso, os pastores de igrejas - respondem pelos prejuízos causados às igrejas no caso de desvio de finalidade. Esse artigo não tem correspondente no Código Civil em vigor, é inovação. "Um exemplo de desvio de finalidade é usar o dinheiro ou outro bem da igreja em benefício próprio ou de outrem, sem autorização da igreja. Pela confusão patrimonial, significa dizer colocar um bem da igreja em seu nome", explica desembargador Júlio Aires, da Assembléia de Deus no Maranhão.

Pareceres de Juristas das Assembléias de Deus indicam que não haverão mudanças radicais

Nas palavras do Desembargador Júlio Aires, da Assembléia de Deus no Maranhão, as igrejas não têm muito o que se preocupar com a entrada em vigor do novo Código Civil. "De forma geral, os direitos, deveres e garantias fundamentais dos membros das igrejas, tanto individuais como coletivos, são os constantes da Constituição Federal em vigor, em seu artigo 5°. As conquistas obtidas até agora - liberdade de consciência e de crença, livre exercício de culto e proteção aos locais de sua celebração, entre outras - estão todas garantidas na Constituição Federal. Quanto aos estatutos das igrejas, acredito deverão continuar essencialmente como estão. Se necessário reformá-los, a reforma será de conformidade com os interesses peculiares de cada igreja. A meu ver, o novo Código Civil e o em vigor não disciplinam essa questão que é matéria de interesse interna corporis, ou seja, de interesse privativo das igrejas", argumenta.

Apesar de ser positivo quanto às implicações, o desembargador só faz uma ressalva: "Ao elaborar seus estatutos, as associações, o que inclui as igrejas, devem fazê-lo nos moldes do artigo 54 do novo Código Civil, cujo artigo não tem correspondente no Código Civil vigente. Nesse ponto, vejo, sim, algo novo. Merece destaque aqui os requisitos para admissão e exclusão dos associados, que são os membros; a especificação de direitos e deveres dos associados; e a clarificação das fontes de recursos para sua manutenção. Ocorre que esses requisitos já constam praticamente em todos os estatutos das igrejas, pelo menos as Assembléias de Deus. Se não constar, deverão ser alterados", esclarece.

Sobre as novas competências privativas das assembléias das associações, o desembargador Júlio Aires também analisa alguns pontos: "Lendo-se os artigos 57 e 59 do novo Código Civil, vemos que os motivos para exclusão de um membro deverão estar previsto no estatuto. Caso haja omissão quanto aos motivos para exclusão, a assembléia-geral poderá excluir o membro, desde que saiba tratar-se de um motivo grave. Acredito, à luz do segundo inciso do artigo 59, que uma igreja reunida possa, em assembléia geral, destituir seu pastor, desde que se tenha assegurado o direito de ampla defesa. Mas não só isso. A destituição também poderá se dar por decisão judicial em ação proposta por qualquer membro da igreja, mas sempre assegurado o direito de defesa. Essa questão poderá ou não constar do estatuto. Se o estatuto for omisso, mesmo assim poderá ocorrer a destituição pela assembléia regularmente convocada, a qual tem competência para isso".

A questão da exclusão

O Pr Humberto Schmitt, da justiça federal no Rio Grande do Sul e membro da Assembléia de Deus gaúcha, chama atenção para as más interpretações que alguns irmãos estão fazendo do texto da lei. "A gente ouve muitos boatos, frutos de uma leitura apressada e de má interpretação. Dentre elas está a idéia de que, a a partir da vigência do novo Código Civil, as igrejas não mais poderão excluir o membro apóstata", destaca.

É oportuno lembrar que, acima da lei, está a Constituição federal. Toda lei que contrariar a Constituição poderá ser declarada inconstitucional. Antes de analisar a legislação que nos afeta como membros de uma igreja, é preciso ver o que a Constituição nos garante. Esse assunto é tratado no seu artigo 5°, que fala dos direitos individuais e coletivos fundamentais", argumenta o Pastor Schimitt.

"É vedada a interferência estatal no funcionamento de qualquer associação religiosa. A impossibilidade da exclusão do membro apóstata, ferindo a liberdade de crença da coletividade, estaria interferindo diretamente no funcionamento da associação religiosa, caracterizando-se como reprovável interferência estatal. Se a igreja é uma associação de pessoas que comungam da mesma crença, vedar que essa associação desligue o indivíduo que não compartilha dos mesmos princípios seria negar o próprio direito de associação, que é pleno, nos dizeres do inciso 15 do artigo 5° da Constituição", conclui Schimitt.

Pastor Schimitt atenua também a preocupação com as hipoteses de exclusão no estatuto das igrejas. "A enumeração das hipóteses não precisa ser exaustiva, mas aberta, permitindo a aplicação da analogia e da interpretação extensiva. Uma enumeração com interpretação extensiva seria: - São causas de exclusão do membro a prática de apostasia; atitudes que ofendam aos princípios bíblicos ou que, mesmo não sendo ofensas aos princípios bíblicos, impliquem ilícito penal, com condenação com trânsito em julgado a moral e os bons costumes, impliquem escândalo ou prejuízo à imagem e bom nome da igreja".

Abner Apolinário, juiz e membro da Assembléia de Deus em Recife-PE, também analisa a exclusão afirmando que torna-se plenamente justificável a proteção dos direitos dos integrantes da comunidade societária. Ocorre, no entanto, que na dimensão espiritual, a igreja se pauta nos ditames da Bíblia. Logo a conduta que no texto sagrado se configura pecado e motiva o desligamento do membro algumas vezes despe-se de relevância jurídica. Por exemplo, a mentira, exceto no caso de falso testemunho, não tem importância jurídica. A prática sexual entre duas pessoas adultas desimpedidas de casar não tem repercussão no direito. Contudo, nno prisma espiritual, são condutas pecaminosas ensejadoras do desligamento do rol de membros. Situação mais delicada se configura quando ocorre um relacionamento extraconjugal", argumenta.

"Os delitos espirituais devem receber a reprimenda ou sansão na esfera da igreja, desapartada do poder temporal. Se na administração da sansão for atingida a dignidade do cultuante, poderá se fazer o reparo pelos meios-jurídicos processuais. A excomunhão, no traçado da nova lei, torna-se inexequível. A meu ver, o disciplinamento da exclusão dos membros na nova legislação deve ser rechaçado, por ser inconstitucional. Aos pastores cabe amadurecer o entendimento, juntamente com o rebanho e, assim, definirem se ficarão sujeitos à legislação ou, de outro lado, procurarão o Poder Judiciário, foro apropriado para a discussão", esclarece Abner.



Artigo estraido do site:   http://www.jesussite.com.br/acervo.asp?Id=471

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Curiosidades


Introdução:


Nada que vai fazer de você um conhecedor Bíblico, usar isso como respaldo de conhecimento é inútil, mas são curiosidades bíblicas que descontrai e a vista de alguns pode acrescentar algo ao conhecimento.



1. Quais os livros da Bíblia que tem apenas 1 capítulo ?
R: Obadias, Filemom, II João, III João e Judas.

2. Quais os livros da Bíblia que terminam com um ponto de interrogação ?
R: Lamentações, Jonas e Naum.

3. Qual o menor livro da Bíblia ?
R: II João (possui somente 13 versículos).

4. Qual o maior livro da Bíblia ?
R: Salmos (possui 150 capítulos).

5. Qual o menor capítulo da Bíblia ?
R: Salmo 117 (possui 2 versículos).

6. Qual o maior capítulo da Bíblia ?
R: Salmo 119 (possui 176 versículos).

7. Qual o menor versículo da Bíblia ?
R: Êxodo 20-13 (possui 10 letras).

8. Qual o maior versículo da Bíblia ?
R: Ester 8-9 (possui 415 caracteres).

9. Quantas palavras a Bíblia contêm aproximadamente ?
R: 773.693 palavras.

10. Quantas letras a Bíblia contêm aproximadamente ?
R: 3.566.480 letras.

11. Quantos capítulos e quantos versículos a Bíblia possui ?
R: 1.189 capítulos e 31.102 versículos.

12. Em quais os livros da Bíblia não encontramos a palavra Deus ?
R: Ester e Cantares de Salomão.

Gênesis

13. Quem foi o primeiro bígamo citado na Bíblia e quais eram os nomes das esposas ?
R: Lameque. Ada e Zilá. Gênesis 4-19.

14. Quem foi o pai dos que habitam em tendas e possuem gado ?
R: Jabal. Gênesis 4-20.

15. Quem foi o pai de todos os que tocam harpa e flauta ?
R: Jubal. Gênesis 4-21.

16. Quem era rei e sacerdote ao mesmo tempo ?
R: Melquisedeque. Gênesis 14-18.

17. Qual é a única mulher cuja idade é mencionada na Bíblia ?
R: Sara. Gênesis 23-1.

18. Onde lemos na Bíblia de camelos se ajoelhando ?
R: Gênesis 24-11.

19. Quais os nomes dos filhos de Abraão ?
R: Zinrá, Jocsã, Medã, Midiã, Jisbaque, Sua (filhos de Quetura), Isaque (filho de Sara) e Ismael (filho de Hagar). Gênesis 25-2,9.

Êxodo

20. Qual a mãe que recebeu um salário para criar o seu próprio filho ?
R: Joquebede, mãe de Moisés. Êxodo 2-8,9,10.

21. Qual o nome do homem acusado por sua esposa de derramar sangue ?
R: Moisés. Êxodo 4-24,25.

22. Qual o sobrinho que se casou com a sua tia ?
R: Anrão, pai de Moisés. Êxodo 6-20.

23. Onde se lê na Bíblia que as águas, por serem amargas, não serviam para consumo, porém tornaram-se doces depois ?
R: Êxodo 15-23,24,25.

24. Onde se encontra a lei, por meio da qual um escravo ganhava liberdade por perder um dente ?
R: Êxodo 21-27.

25. Onde se lê na Bíblia que os israelitas foram advertidos para obedecerem a um Anjo ?
R: Êxodo 23-20,21.

Números

26. Qual o rei teve os seus inimigos abençoados pelo profeta que ele tinha chamado para os amaldiçoar ?
R: Balaque, rei de Moabe. Números 22-5,6,12 + Números 23-11,12.

27. Qual o cavaleiro que teve o seu pé imprensado contra o muro?
R: Balaão. Números 22-25.

Deuteronômio

28. Onde se lê na Bíblia sobre a conservação da natureza ?
R: Deuteronômio 20-19.

29. Quais os alimentos que o povo de Israel não comeu durante os 40 anos de peregrinação pelo deserto ?
R: Pão e vinho. Deuteronômio 29-5,6.

30. Quais as 4 cidades mencionadas na Bíblia destruídas por causa da ira de Deus ?
R: Sodoma, Gomorra, Admá e Zeboim. Deuteronômio 29-23.

31. Quem foi sepultado por Deus em um vale ?
R: Moisés. Deuteronômio 34-5,6.

Josué

32. Que homem, citado na Bíblia, era o mais alto no meio do seu povo (que era formado por gigantes) ?
R: Arba. Josué 14-15.

33. Onde se lê na Bíblia o nome de um estado brasileiro e de sua capital ?
R: Pará – Josué 18-23 e Belém – Josué 19-15.

Juízes

34. Que rei reconheceu que Deus fez com ele o mesmo que ele tinha feito aos seus inimigos ?
R: Adoni-Bezeque, rei de Bezeque. Juízes 1-6,7.

35. Qual o rei citado na Bíblia pelo seu peso ?
R: Eglom, rei dos moabitas. Juízes 3-17.

36. Qual o juiz de Israel que libertou o seu povo, usando um ferrão de tocar bois ?
R: Sangar. Juízes 3-31.

37. Qual o comandante de Israel que disse que só iria à batalha se uma mulher fosse com ele ?
R: Baraque. Juízes 4-4,6,8,9.

38. Qual a mulher que acolheu o seu inimigo e depois o matou ?
R: Jael. Juízes 4-18,21.

39. Qual a mãe que aguardava ansiosamente seu filho, olhando pela janela ?
R: Mãe de Sísera. Juízes 5-28.

40. Qual o filho de um juiz de Israel que, depois da morte do seu pai, se declarou rei junto a seus irmãos e depois os matou ?
R: Abimeleque. Juízes 9-1,2,3,4,5,6.

41. Qual o juiz de Israel tinha 30 filhos, que cavalgavam 30 jumentas e tinham 30 cidades ?
R: Jair. Juízes 10-4.

42. Que personagem bíblico prometeu sacrificar ao Senhor a 1ª pessoa que visse ao voltar vitorioso da batalha e quem foi sacrificado ?
R: Jefté. Sua filha. Juízes 11-30,31,32,34,35,39,40.

43. Qual o homem que, depois de morto, matou mais pessoas que em sua vida ?
R: Sansão. Juízes 16-30.

Rute

44. Qual era o nome da bisavó de Davi ?
R: Rute. Rute 4-13,16,17.

I Samuel

45. Qual o juiz que morreu após cair da cadeira para trás ?
R: Eli. I Samuel 4-18.

46. Que mulher que, ao saber que a Arca do Senhor tinha sido tomada e de que seu marido e seu sogro tinham morrido, teve um parto prematuro e, depois, morreu ?
R: A mulher de Finéias. I Samuel 4-19,20.

47. Que povo foi derrotado na batalha por causa dos trovões ?
R: Os filisteus. I Samuel 7-10.

48. Quem ganhou um reino quando procurava as jumentas do seu pai ?
R: Saul. I Samuel 9-2,3,17.

49. Qual o homem que, engatinhando, venceu uma batalha e contra que povo ele estava guerreando ?
R: Jônatas, filho do rei Saul. Filisteus. I Samuel 14-13,14.

50. Onde se menciona o queijo na Bíblia pela 1ª vez ?
R: I Samuel 17-18.

II Samuel

51. Quem foi condenado à morte por ter matado um rei de Israel ?
R: Um moço amalequita. II Samuel 1-1 a 16.

52. Quais os 2 irmãos que, depois de mortos, tiveram suas mãos e pés decepados ?
R: Recabe e Baaná. II Samuel 4-8,9,10,11,12.

53. Que homem israelita era celebrado por sua beleza ?
R: Absalão. II Samuel 14-25.

54. Quem cortava os cabelos no fim de cada ano, pois os mesmos muito lhe pesavam ?
R: Absalão. II Samuel 14-25,26.

55. Qual o nome do amigo do rei Davi, que disse que estaria a seu lado em qualquer situação ?
R: Itai. II Samuel 15-21.

56. Quais os 2 homens que, ajudados por uma mulher, se esconderam em um poço, conseguindo, assim, enganar os seus inimigos ?
R: Jônatas e Aimaás. II Samuel 17-17,18,19,20,21.

57. Quem foi o 1º homem, citado na Bíblia, que se enforcou ?
R: Aitofel. II Samuel 17-23.

58. Quem matou o irmão quando o beijava ?
R: Joabe. II Samuel 20-9,10.

59. Quem matou um gigante que tinha 6 dedos em cada mão e em cada pé ?
R: Jônatas, irmão de Davi. II Samuel 21-20,21.

60. Quais os 3 melhores guerreiros do exército do rei Davi ?
R: Josebe-Bassebete, Eleazar e Samá. II Samuel 23-8,9,10,11,12.

I Reis

61. Qual o personagem bíblico que morreu por ir em busca dos seus escravos fugitivos ?
R: Simei. I Reis 2-40,42,46.

62. Quantos provérbios escreveu Salomão ?
R: Três mil. I Reis 4-32.

63. Quantos cânticos Salomão compôs ?
R: Mil e cinco. I Reis 4-32.

64. Por que o rei Davi não pôde construir um Templo para Deus ?
R: Por causa das muitas guerras que ele teve de enfrentar contra os seus inimigos. I Reis 5-3.

65. De onde foi tirada a madeira para a construção do 1º Templo de Jerusalém ?
R: Do Líbano. I Reis 5-6.

66. Quais os reis que praticaram comércio marítimo entre os seus reinos ?
R: Hirão, rei de Tiro e Salomão, rei de Israel. I Reis 9-27.

67. Quantas vezes Deus apareceu a Salomão ?
R: Duas vezes. I Reis 11-9.

68. Qual o nome do rei de Israel cujo filho morreu quando sua mãe entrou em casa ?
R: Jeroboão. I Reis 14-1,2,17.

69. Qual o rei de Israel que morreu queimado em seu próprio castelo ?
R: Zinri. I Reis 16-18.

II Reis

70. Onde se lê na Bíblia a morte de um grupo de rapazes por terem zombado de um servo do Senhor, chamando-o de careca ?
R: II Reis 2-23,24.

71. Quem morreu de dor de cabeça ?
R: O filho da mulher de Suném. II Reis 4-17,18,19,20.

72. Quem foi a 1ª pessoa na Bíblia que realizou o milagre da multiplicação de pães ?
R: Eliseu. II Reis 4-42,43,44.

73. Quem fez o ferro flutuar na água ?
R: Eliseu. II Reis 6-6.

74. Qual o nome que deram à serpente de bronze levantada por Moisés no deserto ?
R: Neustã.II Reis 18-4.

75. Quem, pela oração, teve sua vida aumentada por 15 anos ?
R: Rei Ezequias. II Reis 20-1,2,3,4,5,6.

76. Qual o rei que adivinhava pelas nuvens, praticava feitiçaria e queimou o seu filho em sacrifício ?
R: Manassés, rei de Judá. II Reis 21-6,11.

I Crônicas

77. Por que Rubens, o filho mais velho de Jacó, perdeu a sua primogenitura ?
R: Por ter profanado o leito do seu pai. I Crônicas 5-1.

78. Qual o nome da mulher fundadora de duas cidades ?
R: Seerá. I Crônicas 7-24.

79. Por que o rei Saul morreu ?
R: Por causa da sua transgressão contra o Senhor, por não ter guardado a Palavra do Senhor e por ter consultado uma necromante. I Crônicas 10-13,14.

80. Quem perdeu a vida por ter tocado na arca de Deus ?
R: Uzá. I Crônicas 13-9,10.

81. Quem recebeu a visita de um anjo quando debulhava trigo ?
R: Ornã. I Crônicas 21-20.

82. Qual homem que, além de profetizar, regia os seus 6 filhos com harpas em ações de graças e louvores ao Senhor ?
R: Jedutum. I Crônicas 25-3.

II Crônicas

83. Quais as 3 festas anuais que a Lei Mosaica estabelecia e o rei Salomão obedecia ?
R: Festa dos Pães Asmos, Festa das Semanas (Pentecostes) e Festa dos Tabernáculos. II Crônicas 8-13.

84. Qual o profeta que foi esbofetiado ?
R: Micaías. II Crônicas 18-23,24.

Esdras

85. Onde se lê que o barulho do choro não era ouvido, porque os gritos de alegria eram maiores ?
R: Esdras 3-12,13.

Ester

86. Quais os nomes dos 3 reis citados na Bíblia, que tiveram insônia ?
R: Assuero, rei da Pérsia – Ester 6-1,2 ; Nabucodonosor, rei da Babilônia – Daniel 2-1 e Dario, rei da Pérsia – Daniel 6-18.

87. Quem morreu pelo instrumento que pretendia matar seu inimigo ?
R: Hamã. Ester 7-10.



88. Qual o nome do servo de Deus que teve seus filhos mortos por um tufão ?
R: Jó. Jó 1-18,19.

89. Quem chamou os médicos de mentirosos ?
R: Jó. Jó 13-4.

90. Que personagem bíblico que se vestia de justiça e era pai dos necessitados ?
R: Jó. Jó 29-14,16.

91. Qual a ave, citada na Bíblia, que trata os seus filhos como se não fossem seus ?
R: A avestruz. Jó 39-13,14,15,16.

Salmos

92. Quais os 2 salmos que são idênticos ?
R: Salmo 14 e Salmo 53.

93. Qual é o versículo que se encontra no meio da Bíblia ?
R: Salmo 118-8.

94. Onde se lê na Bíblia que as estrelas têm nomes ?
R: Salmo 147-4.

Provérbios

95. Onde se lê que o coração alegre é bom remédio ?
R: Provérbios 17-22.

Eclesiastes

96. Onde se lê que a mágoa é melhor que o riso ?
R: Eclesiastes 7-3.

Isaías

97. Qual rei que teve o seu coração agitado como árvores no bosque ?
R: Rei Acaz. Isaías 7-2.

98. Onde se lê que o lobo, o cordeiro e o leão comerão palha juntos ?
R: Isaías 65-25.

Jeremias

99. Qual a mãe animal que abandona suas crias por falta de água ?
R: Veada. Jeremias 14-4,5.

100. Que falso profeta lutou contra um profeta de Deus e morreu naquele mesmo ano por sua rebeldia contra o Senhor ?
R: Hananias. Jeremias 28-15,16,17.

101. Qual o profeta mentiroso que Deus disse que não teria mais descendentes e não veriam o bem que Ele iria fazer ?
R: Semaías. Jeremias 29-31,32.

102. Onde a Bíblia compara o coração dos valentes com o coração da mulher que está com dores de parto ?
R: Jeremias 49-22.

103. Que profeta escreveu um livro falando dos males que aconteceriam a uma determinada cidade ? Qual o nome da cidade e qual o nome do rio dessa cidade onde o livro deveria ser lançado, após sua leitura em voz alta ?
R: Jeremias. Babilônia e rio Eufrates. Jeremias 51-60,61,62,63,64.

104. Qual o nome do 1º aposentado da Bíblia ?
R: Rei Joaquim. Jeremias 52-33,34.

Ezequiel

105. Quem recebeu uma ordem de Deus de usar uma balança para fazer um penteado ?
R: Filho do homem, isto é, Ezequiel. Ezequiel 5-1.

106. Que profeta a quem Deus determinou que profetizasse contra Israel ?
R: Ezequiel. Ezequiel 21-1,2,3.

107. Onde se lê na Bíblia que o Senhor ficou a favor da Babilônia e contra o povo do Egito ?
R: Ezequiel 30-25.

Daniel

108. Qual o rei que teve suas unhas crescidas como as das aves ?
R: Nabucodonosor, rei da Babilônia. Daniel 4-33.

109. Quem perdeu o sono por causa de um jejum ?
R: Rei Dario. Daniel 6-18.

110. Que rei mandou matar um servo de Deus e depois não conseguiu comer nem dormir ?
R: Rei Dario. Daniel 6-16 a 19.

Oséias

111. Qual o povo foi comparado a uma vaca rebelde ?
R: O povo de Israel. Oséias 4-16.

112. Qual o povo que iria tremer de medo por causa de um simples bezerro ?
R: O povo de Samaria. Oséias 10-5.

113. Qual o rei que foi comparado a um pedaço de madeira na superfície da água ?
R: O rei de Samaria. Oséias 10-7.

Amós

114. De onde eram as mulheres que oprimiam pobres e induziam os seus maridos a beberem e a que animal elas foram comparadas ?
R: Basã. Vaca. Amós 4-1.

115. Quem, em visão, contemplou o Senhor com um instrumento de pedreiro na mão ?
R: Amós. Amós 7-7,8.

116. Onde lemos na Bíblia que Israel passou 3 meses sem chover ?
R: Amós 4-7.

Miquéias

117. Onde se lê que os sacerdotes ensinavam por interesse e os profetas adivinhavam por dinheiro ?
R: Miquéias 3-11.

Zacarias

118. Qual a frase que será gravada nos apetrechos dos cavalos no dia do Senhor ?
R: Santo ao Senhor. Zacarias 14-20.

Mateus

119. Quais os nomes dos 12 discípulos de Jesus ?
R: Simão Pedro, André, Tiago (filho de Zebedeu), João, Filipe, Bartolomeu, Tomé, Mateus, Tiago (filho de Alfeu), Judas Tadeu, Simão (o Zelote) e Judas Iscariotes. Mateus 10-2,3,4.

Marcos

120. Quem foi a 1ª pessoa para a qual Jesus apareceu após a sua ressurreição ?
R: Maria Madalena. Marcos 16-9.

Lucas

121. Quem ficou mudo após falar com um anjo ?
R: Zacarias. Lucas 1-18,19,20.

122. Quem disse que não morreria sem conhecer o Cristo ?
R: Simeão. Lucas 2-25,26.

123. Onde se encontram na Bíblia os 4 pontos cardeais ?
R: Lucas 13-29 e Gênesis 13-14.

124. Qual é a única pessoa de quem diz as Escrituras haver subido em uma árvore ?
R: Zaqueu. Lucas 19-4.

125. Onde se lê na Bíblia que Jesus escreveu ?
R: João 8-6,7,8.

126. Em quais idiomas foi escrito o título “Jesus Nazareno, o Rei dos Judeus”, colocado em cima da cruz de Cristo ?
R: Hebraico, latim e grego. João 19-19,20.

Atos

127. Qual acontecimento extraordinário que foi visto por todos os habitantes de Lida e Sarona ?
R: Enéias, homem que era paralítico havia oito anos, foi curado por Pedro. Atos 9-33,34,35.

128. Onde os discípulos foram chamados cristãos pela primeira vez ?
R: Em Antioquia. Atos 11-26

129. Qual o profeta que previu uma grande fome nos dias do Imperador Romano Cláudio ?
R: Ágabo. Atos 11-27,28.

130. Quais os personagens bíblicos que foram chamados por nome de planetas ? Quais os nomes dos planetas ?
R: Barnabé foi chamado de Júpiter e Paulo, de Mercúrio. Atos 14-12.

131. Quem foi a 1ª mulher convertida na Europa pelo apóstolo Paulo ?
R: Lídia. Atos 16-14.

132. Qual o profeta que através de um cinto, previu a prisão do dono do cinto?
R: Ágabo. Atos 21-10,11.

133. Quem foi professor do apóstolo Paulo ?
R: Gamaliel. Atos 22-3.

134. Onde se lê na Bíblia que mais de 40 homens juraram não comer nem beber até matar uma pessoa e quem era esta pessoa ?
R: Atos 23-12,13,14. Paulo.

135. Qual dos apóstolos foi mordido por uma cobra, porém não sofreu mal nenhum ?
R: Paulo. Atos 28-3,5.

Romanos

136. Qual o nome das 3 mulheres, mencionadas pelo apóstolo Paulo, que muito o ajudaram na causa do Senhor ?
R: Trifena, Trifosa e Pérside. Romanos 16-12.

137. Quem escreveu a carta de Paulo aos Romanos ?
R: Tércio. Romanos 16-22.

I Tessalonicenses

138. Onde se lê que não se deve apagar a luz do Espírito Santo ?
R: I Tessalonicenses 5-19.

I Timóteo

139. Quantas vezes na Bíblia é encontrada a palavra imortal ?
R: Uma vez. I Timóteo 1-17.

140. Quais os nomes dos 2 homens que o apóstolo Paulo entregou a Satanás para serem castigados ?
R: Himeneu e Alexandre. I Timóteo 1-20.

Tiago

141. Quem foi chamado de “amigo de Deus” ?
R: Abraão. Tiago 2-23.

Apocalipse

142. Na visão de Jesus glorificado que João teve, o que significavam as 7 estrelas e os 7 candeeiros ?
R: 7 candeeiros = 7 igrejas da Ásia e 7 estrelas = 7 anjos das igrejas. Apocalipse 1-20.

143. Onde se lê que um homem recebeu ordem para não chorar ?
R: Apocalipse 5-5

144. Quais são as únicas mulheres que a Bíblia menciona sua idade ?
R: É Sara, esposa de Abraão, veja Gn.23.1 e a profetisa Ana, veja Lc.2.36,37.

145. Existem 2 livros diferentes na Bíblia que são semelhantes em seus capítulos?
R: O segundo capítulo de Esdras é semelhante ao sétimo capítulo de Neemias.

146. Existe dois Salmos iguais veja quais são:
R: O Salmo 14 é igual ao Salmo 53.

147. A Bíblia faz menção a um livro que nós não conhecemos ?
R: O livro chamado: Livro das Guerras do Senhor,Nm 21.14.

148. Qual é o nome de personagem bíblico que mais aparece na Bíblia ?
R: É o nome de Davi, e parece cerca de 1105 vezes.

149. Qual é a única mulher que a Bíblia registra seus sonhos ?
R: É A mulher de Pilatos, Mt 27.19.

150. Em quantas linguas foi escrita a Bíblia?
R: Em hebraico, aramaico e grego.

151. O que significa a palavra El Shaddai, e quantas vezes ela aparece ?
R: Significa Deus todo poderoso e ocorre 50 vezes na Bíblia sendo 31 vezes somente no livro de Jó.

152. Quantas letras, palavras, versículos e capítulos são encontrados em uma edição da Bíblia ?
R: São encontrados : 3.566.480 letras, 810.697 palavras, 31.173 versículos e 1.189 capítulos

153. Qual o versículo central da Bíblia?
R: O versículo está no livro de Salmos 118.8





http://www.evangelismoemslides.com.br/?p=564