sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Entendendo o Sermão do monte




Introdução:

O sermão do monte é sem sombra de Dúvida o código de ética dos Cristãos, este sermão indica que a vida com Cristo requer a substituição do nosso padrão de justiça pelo padrão de justiça de Deus.
Ao contrário de que muitos pensam seguir esses ensinamentos dado por Jesus no sermão do monte, não significa anular a sua vida pessoal, mas é a descoberta de uma nova dimensão de vida, mais profunda, dinâmica e feliz.

Jesus nos ensinou que a felicidade oferecida por ele não deve depender do que temos ou fazemos, mas do que somos, e não pode ser importada mas deve brotar da alma, por isso o único meio para se viver esse elevado padrão ético desejado por Deus é somente pela Graça, ao contrário de que muitos pensam a graça de Deus não nos isenta de cumprir a lei Ela faz com que consigamos cumprir a lei.

Do mesmo modo que os dez mandamentos são à base da lei para os Judeus, o sermão do monte é a base para todos os ditos do novo testamento, não tem nada que os apóstolos tenham escrito ou falado que infrinjam um código de ética deste sermão.

As Bem aventuranças:


Bem aventurado, é a forma literária que vemos Jesus proclamar, para se referir a uma pessoa ou a um grupo de pessoas que são felizes, é uma referencia ao estado abençoado daqueles que tem uma experiência com Cristo.
Ser bem aventurado não significa ter momentos ocasionais e emocional de alegria, é mais do que isso, inclui ser feliz e abençoado, é um bem estar espiritual e uma garantia futura de êxito após uma aprovação Divina.

Ao começar o sermão do monte pelas bem-aventuranças o mestre dar ensinamentos que expressam virtudes e obrigações espirituais e qualidades morais estabelecidas aos cidadãos do Reino de Deus, que lhe proporcionaram a verdadeira felicidade da parte do Senhor.
Ao estudarmos as bem-aventuranças perceberemos que elas estão no cerne das afirmações que ele faz no sermão do monte e na sua mensagemu, as bem-aventuranças proclamam os princípios espirituais para igreja no Novo testamento

Entendendo o sermão do monte:

O evangelho de Mateus foi escrito para os Judeus com o intuito de apresentar Jesus como  o único que cumpre as escrituras do Velho Testamento com relação aos messias. Mateus sabendo que os judeus aguardavam ansiosos pela vinda do messias prova para os seus leitores que Jesus é O  Messias, O Reis dos Judeus .
Os primeiro capitulo mostra que Jesus tinha direito legal ao trono:
Na genealogia – Ele e demonstrado como sendo da descendência de Davi.
No seu nascimento – Ele demonstra o cumprimento que ele é o messias.
No reconhecimento dos magos – Ele demonstra que Jesus é O rei também para os gentios.
No testemunho de João batista – Ele demonstra que Jesus é Rei Sacerdote.
Na tentação do deserto – Mateus mostra o direito Moral de Jesus com rei dos Judeus, mediante o seu triunfo sobre satanás.
No inicio de seu ministério – Mateus apresenta Jesus como o Rei que convida as pessoas para o seu Reino.
No sermão do monte – Jesus é apresentado como O Rei que ensina aos seus súditos o que é preciso para fazerem parte do seu Reino.

Obs. Com a vinda do messias os reinos da terra tinham que se entregues a Ele, e também o sacerdócio, e isso foi feito através de João Batista, que legalmente deveria ser sumo sacerdote por que ele era filho de Zacarias.

Os dois ângulos abordados do sermão do monte:

Alguns estudiosos divergem acerca do significado deste sermão dito por Jesus, eles têm dado dois significados distintos para este sermão.
Há aqueles que acham que o sermão do monte é apenas escatológico vinculando ele penas como uma manifestação futura do Reino de Deus, e que é impossível de ser cumprido em qualquer época senão no Milênio, no entanto temos que admitir que só quando o Reino de Deus se manifestar de forma literal e física aqui na terra, e que esses mandamentos serão observados de forma perfeita e absoluta aqui na terra.
Por outro lado á outros que acham que o sermão do monte é o padrão ético do Cristão e deve ser observado sempre por aqueles que fazem parte do Reino de Deus.
Em minha opinião se analisado buscando harmonizar tudo isso veremos que este discurso de Jesus tem não dois mais três significados.

a)    O sermão do monte é uma autorevelação do cararter de Jesus (Mt. 7.28). Do mesmo modo que em Jo. 5 é uma auto declaração da sua divindade.
b)   È um texto escatológico (Mt. 6.9,10).
c)    O sermão do monte traz o código de ética para o cidadão do Reino de Deus (Mt. 5.48)

Para quem foi dirigido o Sermão do Monte?

O sermão do monte foi dirigido para aqueles que já eram seguidores e discípulos de Jesus, que o conheciam e que eram seguidores da lei mosaica e dos ensinos dos escribas e fariseus. Por isso nâo pode ser ezigido o seu cumprimento por aqueles que não nasceram denovo, porque as coisas eapieituais se diacerne espiritualmente.


observem que Jesus primeiro liberta o povo das trevas ( Mt. 4.12-25), depois Ele lhe ensina os princípios ético de uma vida espiritual autentica, o qual é gerada pelo novo nascimento (Jo. 3).

Os assuntos abordados por Jesus:

Jesus começa o seu discurso dizendo para os seus ouvintes o que era preciso para eles serem felizes. Provavelmente essa primeira parte do sermão de Jesus deve ter deixado os seus ouvintes surpresos, por que para eles serem bem aventurado, ou seja, felizes era necessário que eles fossem tudo aquilo contrário que eles sempre acreditaram.

O que Jesus estava ensinando neste sermão era inédito para os seus seguidores: ao mesmo tempo em que Ele responsabilizava cada um por suas ações, Ela garantia consolo e vitória para os chorosos, humildes, famintos e sedentos por justiça.

Como que na lógica humana, os mansos herdarão a terra, e não os valentes, e ainda ter que viver tendo fome e sede de Justiça, podendo ir lá e fazer justiça com as próprias mão, “olho por olho dente por dente”, lembram E ainda mais sofrendo perseguições e tendo que ser pacificadores; mas ele alivia quando diz que eles eram exemplo para o mundo, nos comparando com o sal da terra, com uma lâmpada e com uma cidade edificada sobre o monte. Mas veja que ele teve que dizer que aqueles mandamentos não eram para anular a lei, e que isso era verdade por que ele mesmo ira cumprir toda a lei.
No entanto a coisa piora no fato de que Jesus diz para os seus ouvintes que a justiça deles deveria ultrapassar aos dos fariseus. Como eles poderiam ter ouvido isso com naturalidade, se eles acreditavam que os escribas e fariseus era um exemplo de justiça, e que eles teriam a garantia de entrarem no Reino dos Céus se seguissem os seus passos.

Os assuntos abordados por Jesus no Sermão do monte foram muitos e em todos eles exigiam um posicionamento ético, firme e inegociável de seus seguidores.
Dessa maneira o Senhor rejeitou tanto, a interpretação como a pratica farisaica da lei, servindo-se da lei de modo legítimo condenando a superficialidade que como naquela época é tão comum hoje em dia. Entretanto alguns que o ouviam não conseguiam notar a ligação nem a continuidade, das palavras do messias e da Lei e os Profetas (Ef. 2.20).

A divisão feita por Jesus - No sermão do Monte Jesus começa o seu discurso se mostrando cumpridor da lei (5.17-20), em seguida ele rejeita a interpretação tradicional da lei segundo os fariseus (5.21-48); rejeita a tradição e a pratica farisaica da lei, por que ensinavam que Deus estava interessado apenas nos atos exteriores e não na interior (6.1 – 7.6) e conclui o seu sermão dando-lhe instrução aos que desejam entrar no Reino lhes ensinado a respeito de oração, verdadeira justiça, do acesso ao reino mediante a fé nas suas palavras, da cautela com os falsos profetas  e do verdadeiro fundamento (7.7-27).


O coração do cristão em relação ao Sermão do Monte

Em parte alguma da Bíblia a atenção do cristão é levado com tanto vigor, para exigência da vida espiritual como o sermão da montanha. Aqui Jesus desafia os seus ouvintes a uma entrega total e completa e a um estilo de vida radical, que se assemelha claramente com o Dele. Lembram as pessoas disseram que Ele falava com autoridade.
O Sermão da Montanha era e é a principal doutrina aos seguidores de Jesus, primeiro aos seus discípulos direto agora, a cada um de nós. Ela é a exata expressão do propósito de Deus para o seu povo (1Pe. 1.13-16; Mt. 5.48; Ef. 5.1.).
Se o sermão do monte não se aplica a nós hoje as promessas, as benção nelas contidas também não se aplicam
É bem provável que os ensinos do sermão do monte tenha sido repetidas em diversas ocasiões (Mc. 9.49,59; Lc 6.20-30, 37-38, 41-42, 46-49; 11.2-4, 9-13; 34-36; 13.24; 14.334,35; ).


O crente que não manifesta o desejo de aperfeiçoar a sua vida cristã a cada dia nos moldes do sermão da montanha, é certo que ele não tenha experimentando a verdadeira transformação interior ou a tenha perdido no meio do caminho, por que só um coração transformado poderá ser compelido a expressar em vida esse padrão ético deseja do por Deus (Sl.42.2; 63.1)

O que precisamos entender é que Cristo relacionou a lei com a vida de fé. Mostrando que as exigências justas revelada no Antigo testamento são necessárias para aqueles que fazem parte do Reino (5.17).
·       A lei que o crente é obrigado a cumprir consiste nos princípios éticos e morais do Antigo testamento (7.12; 22.36-40), bem como os ensinamentos de Cristo e dos apóstolos (28.20; 1Co.7.19; Gl. 6.2). Essas leis revelam a natureza e a vontade de Deus (5.48; 44,45) e continuam até hoje em vigor. As leis do Antigo testamento destinada diretamente a nação de Israel como leis cerimoniais, sacrificais, sociais e cíveis (Hb. 10.1-4; Lv. 1.2,3; 24.10), já não são obrigatórias por isso não devem ser cumpridas por que foi por Cristo abolida (2Co. 3.14; Gl. 3.1-5; 4.1-8).
·       O crente não deve considerar a Lei como um sistema de mandamentos legais pelo qual ele alcançara o favor de Deus o perdão e a salvação (Gl. 2.16,19; Ef. 2.8-10), pelo contrario a lei deve ser vista como  um código moral para aqueles que já alcançaram o favor de Deus e estão vivendo um relacionamento com ele. O cumprir lei é estar tendo um relacionando salvífico com Deus (Rm. 6.15-22) expressando a vida de cristo dentro de se mesmo (2Co.6.17,18; Gl. 4.6; Ef. 4.6).
·       A fé em cristo é o ponto de partida para o cumprimento da lei, foi mediante a fé nele que Deus se tornou nosso pai (Jo. 1.12); e é mediante a fé nele que o crente pela graça de Deus (Rm. 5.11), e pala operação do espírito santo que nele habita (Gl. 3.5,14), recebe o impulso interior e o poder de cumprir a lei (Rm. 16. 25,26). O crente que é liberto do pecado esta debaixo da lei de cristo (1Co. 9.21).

Duas aplicações do sermão do monte:

O sermão do Monte e o evangelismo:

Muitas igrejas organizam campanhas de evangelismo, trçando estratégica para conseguir chamar atenção das pessoas para traselas para igreja, porem o mais eficais chamariz do incrédulo é a vida piedosa daqueles que são filhos do Reino.

Devemos viver a ética do Reino como uma regra pessoal e buscar por meio desta prática dessa ética influenciar o mundo ao nosso redor (Rm 12.1). Cidadão do céu como luz do munsdo chama a atenção dos outros para se, e como sal da terra influencia os que estão a sua volta. (At. 2.46,47; 11.26; 16.1-3)

 Sermão do monte um código de bem estar para família:

As cinco áreas de conflito de uma família são Dinheiro, Sexo, Parentes, Filhos, e a comunicação,e para todas essas e um principio para se obter a resolução nessas áreas e ter uma família bem aventurada


a)    Dinheiro (Mt. 6.19-34).
b)   Sexo (Mt. 5. 27-32; v.22).
c)    Parentes (5. 42,46,47).
d)    Filhos (Mt. 5.19,20).
e)    E comunicação (Mt. 5. 34-37).

·       E para resolver os problemas e conflito que surgem é necessário não falte duas coisas, que são essências para que se consiga viver em família e resolver os conflitos: Oração (Mt. 6.6-8) e Jejum (Mt. 6.16). E Perdão (Mt. 6. 12,14,15).
·       E tem mais para família aqui que na verdade é para o indivíduo, por que a família é composta de indivíduos,e se há algum problema na família o problema esta com eles, se quiser ter uma família abençoada seja: Uma pessoa boa (Mt. 5.43-46). Ajude o próximo e de esmola (Mt. 5.42; 6.1-4; 7.12). Seja uma pessoa correta diante de Deus para que possa exortar o seu irmão (Mt. 7.1-6). Peça a Deus o que quiser em oração (Mt. 7. 7-11), não busque atalhos, ou as coisas mais fácil (Mt. 7.13,14). Toma cuidado com as mensagens de quem você lê e ouve (Mt.7.15-19). E faça tudo de acordo coma palavra de Deus para que a sua família permaneça (M.7.24-27).
Tudo um dia entra em crise, família, empresa, Igreja etc. Até o céu entrou em crise quando teve a rebelião de lúcifer, mas só fica em pé o que esta de acordo com a palavra de Deus (Mt. 7.25-27).




Nenhum comentário:

Postar um comentário