sábado, 14 de novembro de 2015

As 3 vezes que Jesus Chorou.



O Novo Testamento nos informa que Jesus chorou em três diferentes ocasiões.

A primeira vez ele chorou junto ao túmulo do seu amigo Lázaro. Ele viu a dor das irmãs Marta e Maria. Ele refletiu sobre o salário do pecado e ele gemeu em seu espírito e chorou.
Quando ele vê o lugar onde colocaram Lázaro morto, diz João, "ele chorou".

Em segundo lugar Jesus chorou sobre a amada e impenitente cidade de Jerusalém.
E, como estivesse perto, viu a cidade e chorou sobre ela, dizendo: "Ah! se tu conhecesses também, ao menos neste teu dia, o que à tua paz pertence! Mas agora isto está encoberto aos teus olhos. orque dias virão sobre ti, em que os teus inimigos te cercarão de trincheiras, e te sitiarão, e te estreitarão de todos os lados; E te derrubarão, a ti e aos teus filhos que dentro de ti estiverem, e não deixarão em ti pedra sobre pedra, pois que não conheceste o tempo da tua visitação." (Lc. 19. 41-44).

Ele sofreu com os problemas que adviriam aos seus compatriotas.  Ao contrário  de Jonas que olhou para a cidade de Nínive e desejou que ela fosse destruída, Jesus olhou para cidade e chorou sobre Jerusalém, porque ela seria destruida, este é um dos motivos pelo qual ele disse que era maior do que Jonas.

A terceira ocasião que Jesus chorou está em Hebreus 5:7: “Ele, Jesus, nos dias da sua carne, tento oferecido, com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas a quem o podia livrar da morte e tendo sido ouvido por causa da sua piedade”. O texto refere-se à agonia do Getsêmani, quando Jesus não apenas suou sangue, mas também orou com forte clamor e lágrimas. Jesus demonstrou um grande peso pela culpa humana. Isso nos ensina como deveríamos olhar para a situação das pessoas. Por outro lado, essas foram as lágrimas do nosso substituto.

Provavelmente Jesus também tenha chorado quando ele se encontrou com a viuva de Naim em um cortejo fúnebre de seu unico Filho. Vemos isso registrado em Lucas 7. 12-15  E, quando chegou perto da porta da cidade, eis que levavam um defunto, filho único de sua mãe, que era viúva; e com ela ia uma grande multidão da cidade. E, vendo-a, o Senhor moveu-se de íntima compaixão por ela, e disse-lhe: Não chores. E, chegando-se, tocou o esquife (e os que o levavam pararam), e disse: Jovem, a ti te digo: Levanta-te. E o que fora defunto assentou-se, e começou a falar. E entregou-o à sua mãe.

Nestas ocasiões O Senhor Nosso Deus e Salvador demonstrou, sem qualquer deslustre, que se compadece conosco, com as suas meras criaturas.

a

Nenhum comentário:

Postar um comentário