segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Refutação Sobre a Teologia de Barth


salvação aos neomodernistas aprisionados nos seus próprios erros. Veja o que dizem as Escrituras a respeito dos temas abordados:

1. A BÍBLIA
A Bíblia é a Palavra de Deus, e, portanto, é:

a. o Livro infalível e imutável dos séculos (SI 119.89);
b. divinamente inspirada (2 Pe 1.21);
c. absolutamente digna de confiança (1 Rs 8.56; Mt 5.18);
d. pura (SI 19.8);
e. santa, justa e boa (Rm 7.12);
f. perfeita (SI 19.7; Rm 12.2);
g. verdadeira (SI 119.142).

2. O PECADO
Deus não é autor nem cúmplice do pecado, pois:

a. Ele não pratica perversidade, nem comete injustiça (Jó 34.10);
b. Ele fez o homem reto (Ec 7.29);
c. o homem foi advertido de não pecar (Gn 2.16,17);
d. o homem caiu em pecado por sua própria escolha (Gn 3.6,7);
e. aquele que confessa o seu pecado e o deixa, alcança do Senhor misericórdia e perdão (Pv 28.13; 1 Jo 1.9).


3. Cristo era uma Pessoa real:
a. Ele nasceu duma virgem (Is 7.14; Lc 1.27);
b. Ele foi isento de pecado (Hb 7.26);
c. Ele foi visto por João Batista (Jo 1.29), Anás (Jo 18.12,13), Pilatos (Jo 18.28,29) e Herodes (Lc 23.8).

1.3.4. A MORTE DE CRISTO
A morte de Cristo foi um fato histórico e real:

a. foi testemunhada pelo centurião romano (Lc 23.45-47);
b. foi testemunhada pelos soldados romanos (Jo 19.32,33);
c. José de Arimatéia e Nicodemos tomaram seu corpo, embalsamaram-no e o enterraram (Jo 19.38-42).



1.3.5. A RESSURREIÇÃO DE CRISTO
A ressurreição de Cristo foi um fato histórico e real. Após ressurreto Ele foi visto:

a. pelos guardas do sepulcro (Mt 28.11-23);
b. por Maria Madalena (Jo 20.16);
c. por dez dos seus discípulos (Jo 20.19-23);
d. por Tome (Jo 20.26-29);
e. por sete dos seus discípulos (Jo 21.1-14);
f. por Simão Pedro (Jo 21.15-19);
g. por mais de quinhentos irmãos (1 Co 15.6).


1.3.6. ESCATOLOGIA
A escatologia bíblica é clara, e, segundo ela, os acontecimentos finais obedecerão à seguinte ordem:

a. O arrebatamento da Igreja (1 Ts 4.17).
b. O comparecimento dos crentes ao tribunal de Cristo, nos céus (2 Co 5.10), enquanto na
Terra ocorrerá a Grande Tribulação (Mt 24.15-28).
c. A manifestação de Cristo em glória acompanhado dos seus santos e anjos (Mt 24.30).
d. A batalha do Armagedom (Ap 16.16).
e. O julgamento das nações (Mt 25.32).
f. A prisão de Satanás por mil anos (Ap 20.1-3).
g. A inauguração do reino milenar de Cristo na Terra (Is 2.2-4; 65.18-22).
h. A soltura de Satanás por um breve espaço de tempo, para logo ser preso para sempre (Ap
20.7-10).
i. O juízo do Grande Trono Branco (Ap 20.11-15).
j. O estabelecimento dos novos céus e da nova Terra (Ap 21.1).


1.3.7. A ressurreição dos mortos 
È um assunto tratado de forma abundante e inequívoca em toda a Escritura, sobre a qual falaram:

a. Jó (Jó 19.25-27);
b. Davi (SI 17.15);
c. Jesus (Mt 22.31; Lc 14.14; 20.35,36; Jo 5.29);
d. Marta (Jo 11.24);
e. Paulo (At 23.6; 24.21; 1 Co 15.13);
f. O autor da Epístola aos Hebreus (Hb 6.2);
g. João (Ap 20.5,6).


1.3.8. ACERCA DO CÉU
O céu existe, ele é real. Por que o crente o deseja e espera nele morar? Dentre outras razões sobressaem-se as seguintes:

a. No céu está a habitação e o trono de Deus (At 7.49).
b. Do céu foi derramado o Espírito Santo (Mt 3.16; At 2.33).
c. No céu está a nossa pátria (Fp 3.20).
d. Do céu virá Jesus (Mt 24.30).
e. O verdadeiro crente aguarda o estabelecimento dos novos céus e da nova Terra, onde habita a justiça de Deus (2Pe3.13).





Nenhum comentário:

Postar um comentário