domingo, 12 de maio de 2013

CUIDADO: Com o MUNDO GOSPEL:

Gospel quer dizer nada. É uma classificação industrial criada através de um processo de composição híbrido-matemático: crente + pentecostal+ evangélico + mercado = Gospel. É um projeto para desenvolver nas igrejas evangélicas tudo o que revele algum potencial para ser produzido em série. É possível que enxerguemos alguma incoerência linguística no processo de criação da palavra, mas devemos reconhecer que seu caráter estratégico é de um cinismo brilhante. 


Gospel é um conceito moderno para designar qualquer coisa que extraída das igrejas e enlatada à norte-americana pode alcançar altos índices de venda. Atente-se para o cosmopolitismo da palavra Gospel, ela é perfeitamente incorporável a qualquer idioma. É auto-explicativa, seu significado está em si mesma. É verdade que é uma palavra um tanto amorfa, mas, de uma maneira ou de outra, todos têm mais ou menos uma pálida noção do que significa. E isso sem nenhum plano piloto para auxiliar. O que prova que Gospel atingiu um plano da consciência humana ainda pouco penetrado.

O projeto Gospel da indústria se perfaz na transformação de fiéis em nichos de consumidores fiéis, é a invenção de uma cultura comercial que tem como maiores expoentes falsos adoradores agrupados em ridículos espectros de bandas americanas deploráveis. Gospel não é proposta artística que surge para atender necessidades estéticas imanentes ao homem. Nesse sentido, podemos considerar apenas que sua natureza é, digamos, antropofágica, porque se nutre essencialmente de apropriações e empréstimos da cultura pop, mas como toda proposta pop, culmina na elaboração de marcas e produtos.

Na nova ordem Gospel não há mais espaço nas igrejas para os cânticos dos hinários e suas feições de construção coletiva. O louvor Gospel é publicitário, articulado à consolidação de grandes selos fonográficos. O caso brasileiro é especial, com

algumas peculiaridades, por que não dizer, tropicais. É curioso observar que, no Brasil, quando Deus suscita um grupo de adoradores para promover um grande avivamento espiritual através do louvor, Deus nunca os recruta no semi-árido, há sempre por parte de Deus uma predileção pelos grupos e bandas dos grandes centros econômicos do país, mais especificamente, por grupos e bandas do centro-sul, região geoeconômica industrializada. Talvez Deus também goste de praticidade.

Longe de ser um movimento de afirmação de valores cristãos, Gospel é a transformação de pequenos ministérios eclesiásticos locais em corporações globalizadas, é a transformação de cantores dominicais em celebridades milionárias e idolatradas. Gospel é uma ética de consumo, é a capitalização de um gigante que, outrora em repouso, desperta com uma fúria voraz. Gospel é uma proposta de requalificação e reciclagem à qual todos os cultos evangélicos são constrangidos a aderir. É a igreja convertida em agências de pseudo-talentos com vocação e carisma para reunir atrás de si um séquito de imitadores, de senso-crítico completamente embotado, dispostos a seguir modelos de comportamento e consumo propagados pelo ícone. 


Gospel é um ideal de novo espírito cristão integrado a boutiques, a falsas noções de juventude e modernidade, a festivais patrocinados por operadoras de telefone celular e fábricas de refrigerantes. Gospel é o culto à pessoa, é a admiração degenerada em idolatria.

Gospel quer dizer tudo. Quer dizer o fim de igrejas ortodoxas  e de seus cultos a Deus com uma liturgia e um movimento sóbrios. 


Gospel é a Besta que emerge do MARketing.



Dossiê do Astro Gospel


Ser um astro gospel não é fácil. Administrar fama e grana não é pra qualquer um. Nessa mistura maluca de mercado e “adoração”, muita “unção” tem surgido como novidade fazendo com que os empresários da fé mexam mais e mais nesse caldeirão de investimento.

As performances impressionantes e melodias super emotivas não conseguem me comover quando parto para investigar o que pensam e fazem as estrelas da música gospel. Como ex-frequentador de shows, e testemunha de fatos pitorescos, escrevi um breve dossiê sobre o “astro gospel” cujas aparências, com certeza, não enganam:

O “astro gospel” se posta como uma celebridade cheia de exigências: toalhas caríssimas, bons camarins, transportes sofisticados, hospedagens em hotéis de luxo, entrevista com hora pré-marcada e muita privacidade.

O “astro gospel” para justificar sua fama, exige uma forte equipe de seguranças que o protege de frenéticos fãs que se auto declaram adoradores (extravagantes).

O “astro gospel” evita se apresentar em locais pequenos, igrejas, praças, escolas – quanto menor for o público, menor a notoriedade, e para se esquivar desse incômodo, cobram um alto cachê pra espantar rapidamente a negociação de pouca expressão.

Para o “astro gospel”, tocar de graça nem pensar! Mas há exceções, uma apresentação no Raul Gil, Faustão, Gugu, dá pra fazer sem cachê ou até pagar, pois cai bem para o marketing.

Contratar o show de um “astro gospel” sempre custa caro pois visa cobrir as cláusulas contratuais e engordar a poupança do “letiva” do Senhor.

O “astro gospel” também costuma se vestir de uma capa de marketagem que vai de tratamentos de pele a novos hábitos no falar e no vestir, e tudo isso porque agora ele não mais se pertence, ele é um produto de investimento.

O “astro gospel” geralmente grava canções compradas, professa testemunhos duvidosos e sem autonomia alguma, por estratégia de mercado, sempre se adapta como camaleão ao modismo do momento.

Se há uma coisa boa para o “astro gospel”, com certeza é viajar pelo país fazendo shows, só assim convertem o trabalho num turismo e suvenir frequente; esses shows estão mais comprometidos com o lucro do investimento do que com as almas alcançadas.

O “astro gospel” é uma figura de difícil acesso. Pra se chegar a ele é preciso fazer sacrifícios tipo: ir à porta do camarim e esperar longas na esperança de que ele(a) tenha um surto de simpatia, apareça e conceda, quem sabe, um autógrafo.

“Astro gospel” olha e vê a massa, não a pessoa. Ele domestica consumidores, desconstrói adoradores.

O “astro gospel” não está comprometido com a saúde espiritual dos seus seguidores. Ele canta o que o povo quer ouvir, não o que precisa ouvir, além disso passa distante de ser um formador de opinião.

“Astro gospel” não tem posicionamento teológico sobre o que crê. Muitas vezes não sabe nem o que canta, e entende mais de jargões do que de Bíblia.

“Astro gospel” se parece mais com “astro global” do que com os “heróis da fé”. Ostentam e almejam as mesmas coisa que as celebridades seculares sob a desculpa de que querem ganhar o Brasil para Cristo.

Pois bem. Quando você se encontrar com um desses “astros” e notar que existe nele boa parte desse dossiê, não duvide, as aparências não enganam! Ele é isso mesmo que você vê!

Chega de tanta mentira no meio dessa música e movimento gospel!

Por que não faço sucesso no mundo gospel?

O que é "sucesso" na mentalidade evangélica brasileira É o arrebatar das multidões. A produção frenética do êxtase. O ecoar ensurdecedor dos aplausos. É a milagromania sedutora. É o acúmulo da bajulação. A agenda tão lotada que sacrifica o espaço sagrado da convivência familiar. É o palco e suas luzes. A exposição repetitiva da mídia. A escravização do retorno. É a enfermidade da visibilidade.

Pois bem, eu não faço sucesso no mundo gospel. Não tenho essa mídia toda. Ainda desfruto da glória oculta do anonimato. Meu telefone não toca alucinadamente. Ainda sou um rosto na multidão. Meus e-mails ainda são espaços de relação com meus amigos. Ainda brinco com meu filho. Ainda ministro a Palavra de Deus em igrejinhas da periferia. Ainda durmo em paz com minha consciência. Ainda sirvo a Deus, e não a Mamon (Mt. 6.24; Lc. 9.13).

Não faço sucesso no mundo gospel porque não sou filho de pastor presidente ou televisível. Não tenho as "costas quentes". Não tenho "padrinhos ministeriais". Não ando por atalhos, vielas, corredores subterrâneos ou portas secretas de acesso fácil ao poder. Não tenho alianças políticas. Não beijo os anéis dos poderosos. Ainda posso abraçar pessoas anônimas. Gente caracterizada apenas como "membresia desprezível". Não tenho sobrenome imponente. Não faço parte de nehum clã denominacional. Graças a Deus...

Não faço sucesso no mundo gospel porque não tenho uma conta bancária obesa. Não moro em mansão. Não tenho uma coleção de carros importados. Não sou empresário. Não dou um dízimo astronômico que me garanta privilégios e manias. Minha realidade é a da maioria esmagadora dos brasileiros, irmãos na luta por uma vida melhor, porém digna, honesta. Não vivo de milagres como quem busca entorpecentes para fugir de sua realidade. Meu milagre é continuar honesto. Ainda preciso fazer contas para não avermelhar o mês. Não faço compras na Daslu. Por isso não posso mandar o povo tocar no meu terno, ele não é Armani...

Não faço sucesso no mundo gospel porque tenho a irritante mania de pesquisar a Bíblia. Não consigo aderir à homilética dos enlatados. Não faço massagens, ministro mensagens! Não sei decretar, determinar, encostar Deus na parede. Não consigo violentar textos bíblicos para que eles legitimem meus malabarismos financeiros risíveis. Aliás, minha Bíblia não é uma bússola para o reino encantado do moneycentrismo. Ainda prego umas mensagens retrógradas: cruz, salvação, pecado, graça, retorno de Cristo... Essas coisas que não garantem sucesso.

Não faço sucesso no mundo gospel, mas "prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus" (Fp. 3.14).


----------------------------------------
Fontes: 
Israel Pinheiro em Só Artigos
Antognoni Misael em seu blog
Alan Brizotti em seu Blog



Nenhum comentário:

Postar um comentário