sábado, 25 de maio de 2013

A Característica do Ministério de Paulo


Paulo de Tarso, também chamado de Apóstolo PauloSaulo de Tarso e São Paulo, foi um dos mais influentes escritores do cristianismo primitivo, cujas obras compõem parte significativa do Novo Testamento. A influência que exerceu no pensamento cristão, chamada de "paulinismo”, foi fundamental por causa do seu papel como proeminente apóstolo do Cristianismo durante a propagação inicial do Evangelho pelo Império Romano.
Conhecido como Saulo antes de sua conversão, ele se dedicava à perseguição dos primeiros discípulos de Jesus na região de Jerusalém. De acordo com o relato na Bíblia, durante uma viagem entre Jerusalém e Damasco, numa missão para que, encontrando fiéis por lá, "os levasse presos a Jerusalém", Saulo teve uma visão de Jesus envolto numa grande luz. Ficou cego, mas recuperou a visão após três dias e começou então a pregar o Cristianismo.
Juntamente com Simão Pedro e Tiago, o Justo, ele foi um dos mais proeminentes líderes do nascente cristianismo. Era também cidadão romano, o que lhe conferia uma situação legal privilegiada.
Treze epístolas no Novo Testamento são atribuídas a Paulo, mas a sua autoria em sete delas é contestada por estudiosos modernos. Agostinho desenvolveu a ideia de Paulo que a salvação é baseada na fé e não nas "obras da Lei" . A interpretação de Martinho Lutero das obras de Paulo influenciou fortemente sua doutrina de "sola fide".

Credenciais do apostolado de Paulo

Autenticado pelo Senhor – II Cor.1.1,21,22; 3.5,6; 4.6.
Pelas obras – II Cor. 12.12.
Pelos perigos e sofrimentos – II Cor.6.4-10; 11.23-27.
Pelas revelações divinas – II Cor.12.1-5.
Paulo se admira de que os coríntios estivessem se deixando levar pela idéia de exigir-lhe credenciais. Eles próprios eram frutos do trabalho de Paulo. "Vós sois a nossa carta, escrita em nossos corações", disse o apóstolo (II Cor.3.2). Eles seriam ainda a glória de seu ministério diante de Deus (II Cor.1.14).

Característica Do ministério de Paulo

  • Sem lucro pessoal. II Cor.11.9.
  • Exercido com grande esforço e sacrifício (6.3-10; 11.23-29).
  • Consolador – 1.4-7.
  • Sofredor – 1.5-9; 4.8-12; 5.4; 6.4-10; 7.5; 11.24-28.
  • Santo, simples, sincero, verdadeiro – 1.12; 2.17; 4.2; 7.2.
  • Constante – 1.17-19; 4.1,16.
  • Interessado pelo bem da igreja, zeloso – 2.3-4; 7.7-8; 11.2-3,7; 12.20-21.
  • Triunfante – 2.14; 4.8-9; 12.10.
  • Abnegado (desprendido) – 4.5,11; 5.13; 11.7,9.
  • Motivado pelo amor de Cristo – 4.5,11; 5.14.
  • Espiritual – 4.18; 5.16; 10.4.
  • Persuasivo – 5.11,20; 6.1; 10.1-2.
  • Reconciliador – 5.19-21.
  • Produtivo – 12.12.
  • Com autoridade – 2.9; 13.2; 10.1-11.
  • Capacitado por Deus – 3.5

Paulo um homem que se Gloriava na Tribulação:

Paulo nos surpreende quando se gloria na tribulação (II Cor.11.30). Isso nos parece estranho, mas tal atitude se dá porque Paulo tem em vista o resultado de um processo, e também considera uma honra sofrer pelo nome de Jesus. Como escreveu aos Romanos, "a tribulação produz perseverança" (Rom.5.3). A tribulação não é inútil. Ela produz alguma coisa. Nisso está o seu valor. Assim como uma cicatriz é um tecido mais resistente do que a pele normal, a tribulação vai produzindo em nós maior resistência, de modo que nos tornamos cada vez mais capazes para enfrentarmos diversas dificuldades futuras.

Paulo até se gabava de ter sofrido mais do que outros que se diziam servos de Deus (11.23-28; 12.10). Aquele que nada sofre, que nenhum risco corre, que nenhum fruto produz, poderá ter o seu ministério desacreditado até por si mesmo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário