terça-feira, 14 de maio de 2013

A Operação do Espírito Santo na Vida e no Ministério de Cristo.


Introdução:

O Novo Testamento cumprindo-se a promessa de que Deus derramaria do seu Espírito sobre toda a carne, que poria seu Espírito no coração de seu povo, e assim escrevendo suas leis em seu interior. Isso seria feito nos dias do Messias, o qual seria ungido com o Espírito Santo. Por conseguinte, verificamos no Novo Testamento que o Espírito Santo é descrito como: operando sobre, dentro, e por meio de Jesus Cristo. Os títulos, "Espírito de Cristo" e "Espírito de Jesus Cristo", indicam uma relação entre Cristo e o Espírito Santo na qual não participaram os seus discípulos. Por exemplo, não nos atreveríamos a falar do "Espírito de Paulo". Desde o princípio até ao fim de sua vida terrena, o Senhor Jesus esteve intimamente ligado ao Espírito Santo e ao Pai, por que os Três são um, agem e concordam Num (1Jo. 5.3-5). Tão íntima foi esta relação que Paulo descreve a Cristo como "um Espírito vivificante". O significado não é que Jesus é o Espírito, e, sim, que ele dá o Espírito, e através do mesmo Espírito exerce onipresença. O Espírito é mencionado em conexão com as seguintes crises e aspectos do ministério de Cristo:

1. Nascimento.

O Espírito Santo é descrito como o agente na milagrosa concepção de Jesus (Mat. 1.20; Luc. 1:35). Jesus esteve relacionado com o Espírito de Deus desde o primeiro momento da sua existência humana. O Espírito Santo desceu sobre Maria, o Poder do Altíssimo cobriu-a com sua sombra, e àquele que dela nasceu foi dado o direito de ser chamado santo, Filho de Deus. 

Deus, operando pelo Espírito Santo, é o Pai da natureza humana de Jesus, no sentido de que sua origem proveniente da substância da Virgem mãe foi um ato divino. Em maria foi gerada por Deus pela Operação do Espírito Santo a natureza humana de Cristo, e a união dessa natureza humana com a Divina, do natural com o Logos, do terreno com o celeste. Jesus sempre existiu como Filho de Deus e em Deus, mas foi gerado por Deus no ventre de maria pela operação do Espírito Santo. Maravilha de Deus!!! 

O efeito dessa intervenção divina revela-se no estado imaculado de Cristo, sua perfeita consagração, e seu senso permanente da Paternidade de Deus. Enfim, o poder do pecado foi destruído, e Um nascido de mulher, ao mesmo tempo que era homem e santo, era também o Filho de Deus. e Divino, O segundo Homem é do céu (1 Cor. 15:47). 

Sua vida era de cima (João 8:23); sua passagem pelo mundo representa a vitória sobre o pecado, e os resultados de sua vida foram a vivificação da raça (1 Cor. 15:45). Aquele que nenhum pecado cometera e que salva o seu povo dos seus pecados, necessariamente teria que ser gerado pelo Espírito Santo.

2. Batismo.

Com o passar dos anos, começou uma nova relação com o Espírito. Aquele que havia sido concebido pelo Espírito e que era cônscio da morada do Espírito divino em sua pessoa, foi ungido com o Espírito. Aquele que é completo e que o Espírito é dado sem medida, foi mais tarde revestido pelo Espírito
Alguns acreditam que assim como o Espírito desceu sobre Maria na concepção, assim também no batismo o Espírito desceu sobre o Filho, ungindo-o como Profeta, Sacerdote e Rei. A primeira operação gerou e santificou sua humanidade; a segunda consagrou sua vida oficial e ministerial. Assim como sua concepção foi o princípio da sua existência humana, assim também seu batismo foi o princípio de seu ministério ativo.

3. Ministério.

Logo foi levado pelo Espírito ao deserto (Mar. 1:12) para ser tentado por Satanás. Ali ele venceu as sugestões do príncipe deste mundo, as quais o teriam tentado a fazer sua obra duma maneira egoísta, vangloriosa e num espírito mundano, e a usar seu poder conforme o curso de ação da ordem natural. Ele exerceu seu ministério com o conhecimento íntimo de que o poder divino habitava nele. Sabia que o Espírito do Senhor Deus estava sobre ele para cumprir o ministério predito acerca do Messias (Luc. 4:18); e pelo dedo de Deus expulsou demônios. (Luc. 11:20; vide Atos 10:38.) Ele testificou do fato que o Pai, que estava nele, era quem operava as obras milagrosas.

4. Crucificação.

O mesmo Espírito que o conduziu ao deserto e o sustentou ali, também lhe deu força para consumar seu ministério sobre a cruz, onde, "pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus" (Heb. 9:14). Ele foi à cruz com a unção ainda sobre ele. O Espírito manteve diante dele as exigências inflexíveis de Deus e o inflamou de amor para com o homem e zelo para com Deus, para prosseguir, apesar dos impedimentos, da dor e das dificuldades, para efetuar a redenção do mundo. O Espírito Santo encheu-lhe a mente de ardor, zelo e amor persistentes, os quais o conduziram a completar seu sacrifício. Seu espírito humano estava de tal modo saturado e elevado pelo Espírito de Deus que vivia no eterno e invisível, e pôde "suportar a cruz, desprezando a afronta" (Heb. 12:2).

5. Ressurreição.

O Espírito Santo foi o agente vivificante na ressurreição de Cristo. (Rom. 1:4; 8:11.) Alguns dias depois desse evento, Cristo apareceu a seus discípulos, soprou sobre eles, e disse: "Recebei o Espírito Santo" (João 20:22; vide Atos 1:2). Essas palavras não podem significar o revestimento de poder pelo qual o Senhor, antes de sua ascensão, lhes havia mandado que esperassem. Alguns eruditos crêem que esse sopro foi meramente um símbolo daquilo que havia de ocorrer cinqüenta dias depois, isto é, um lembrete do Pentecoste vindouro. Outros crêem que algo de positivo foi concedido aos discípulos, nesse ato. Uma comparação com Gên. 2:7 indica que o sopro divino simboliza um ato criador. Mais tarde Cristo é descrito como um espírito vivificante,
ou o que dá vida. (1 Cor. 15:45.) é de supor que nessa ocasião o Senhor da vida fizesse conhecer a seus discípulos, por experiência, "o poder de sua ressurreição"? Os onze discípulos seriam enviados ao mundo para cumprirem uma nova missão; continuariam a obra de Cristo. Em si mesmos eram incapazes para tal missão, assim como um corpo inanimado é incapaz de efetuar as funções dum homem vivo. Dai inferimos a necessidade do ato simbólico de dar a vida. Assim como a humanidade antiga recebeu o sopro do Senhor Deus, assim também a nova humanidade recebeu o sopro do Senhor Jesus. Se concedermos que nessa ocasião houve uma verdadeira concessão do Espírito, devemos lembrar, porém, que não foi a Pessoa do Espírito Santo que foi comunicada, mas a inspiração de sua Vida. O Dr. Westcott assim frisa a distinção entre o Dom da Páscoa e o "Dom do Pentecoste": "O primeiro corresponde ao poder da Ressurreição, e o outro ao poder da Ascensão." Isto é, o primeiro é a graça vivificante; o outro é a graça de dotação.

6. Ascensão.

Notem os seguintes três graus na concessão do Espírito a Cristo:
1) Na sua concepção, o Espírito de Deus foi, desde esse momento, o Espírito de Jesus, o poder vivificante e santificador, pelo qual ingressou na sua carreira de Filho do homem e pelo qual viveu até o fim.
2) Com o passar dos anos começou uma nova relação com o Espírito. O Espírito de Deus veio a ser o Espírito de Cristo no sentido de que descansava sobre ele para exercer seu ministério messiânico.
3) Depois da ascensão, o Espírito veio a ser o Espírito de Cristo no sentido de ser concedido a outros. O Espírito veio para habitar em Cristo, não somente para suas próprias necessidades, mas também para que ele o derramasse sobre todos os crentes. (Vide João 1:33 e note-se especialmente a palavra "repousar".) Depois da ascensão o Senhor Jesus exerceu a grande prerrogativa messiânica que lhe foi concedida — enviar o Espírito sobre outros. (Atos 2:33; vide Apo. 5:6.) Portanto, ele concede a bênção que ele mesmo recebeu e desfruta, e nos faz co-participantes com ele mesmo. Assim é que não somente lemos acerca do dom, mas também da "comunhão" do Espírito Santo, isto é, participando em comum do privilégio e da bênção de ser o Espírito de Deus concedido a nós, não somente comunhão dos crentes uns com os outros mas também com Cristo; eles recebem a mesma unção que ele recebeu; é como a unção preciosa sobre a cabeça de Arão, que desceu sobre a barba e até à orla de seus vestidos. Todos os membros do corpo de Cristo, como reino de sacerdotes, participam da unção do Espírito que mana da sua cabeça, nosso grande Sumo Sacerdote que subiu aos céus.

Conclusão:

O Espirito opera nas nossas vidas assim como operou na vida de Jesus, no nosso caso: Nos gerando de novo, nos revestindo com poder para realizarmos a Obra de Deus, operando através de nós, nos conduzindo até o fim de nossa morada neste tabernáculo,e operando em nós a ressurreição. Aleluia!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário