quinta-feira, 9 de maio de 2013

Como Um Missionário é Visto?



Há crentes, ministérios, pastores e igrejas que veem o missionário como um cidadão de segunda classe, alguém que não “deu certo na vida" e que por isso se aventurou-se pelo campo missionário por pura incompetência. Os chamados cultos de Missões quando são anunciados, são sem duvidas os mais vazios dos cultos de domingo. uma pesquisa recente revelou que mais de 60% dos evangélicos não compartilharam com ninguém acerca da sua fé nos ultimos seis meses, um absurdo, mesmo por que nós trabalhamos, estudamos, vivemos em sociedade e gostamos de conversar. e uma pergunta fica a ser feita, sobre o que então estamos falando?

Os Missionários são vistos como preguiçosos, fracassados, pessoas inconveniente etc., no fundo os cristãos sentem até vergonha quando veem uma pessoa evangelizando ou entregando um simples folheto, vejam a reação delas na rua. o mais interessante é que eles não sentem o mesmo respeito do pregadores televisivos.

A missionária Kelem gaspar disse: Se a visão é essa? (e é isso mesmo não tem como negar), ninguém tem o menor desejo de orar por eles, contribuir ou ajudar. Dá-se qualquer coisa, doa-se para o missionário, sem o menor pudor ou vergonha, o ventilador sem hélice, a roupa usada em péssimo estado, a geladeira sem motor, o ferro sem resistência, enfim, tudo o que é sem valor ou que dificilmente teria alguma utilidade. Crentes semeando lixo na obra mais importante da terra, investindo sobras na obra pela qual o Cordeiro deu sua vida. 

Existe em nosso meio uma ideia equivocada de que missionário tem que ser miserável, que o missionário deve andar mal vestido, passar fome e, depender da caridade, da caridade não das migalhas alheia para sobreviver para provar sua devoção, ou por que escolheu esse ministério (como se é Deus que escolhe). e a ordem para evangelizar, "O IDE" é para toa a Igreja e não só para os missionários. é claro que em alguns casos em que o missionário esta em uma região inóspita sofrerá detrimento. Mais isso é em todo caso? Em todos os lugares? Em todo tempo? Até Paulo teve momento que viveu abastardo de pois que recebeu oferta dos irmãos (Fp. 4.10-20)

Kelem Gaspar faz um comentário acerca desse pensamento: "É do diabo essa forma de pensar, e ele tem feito um excelente trabalho de marketing, porque são muitos os cristãos que pensam dessa maneira. Uma vez, enquanto eu estava no campo missionário nas inóspitas selvas bolivianas, recebi de uma irmã um par de sapatos de cores e modelos diferentes, amarrados com uma cordinha e com um bilhete que dizia: missionária, aqui está esse par de sapatos, sei que são diferentes, mas você não se importa, não é? Afinal de contas, você é missionária...

Encontrei certo dia, um amigo, também missionário, em uma feira na cidade boliviana de Guajará Mirim, ele estava indo dirigir uma reunião com os índios quéchuas, quando parei para cumprimenta-lo, percebi que ele usava uma calça jeans muitos números maior que o seu manequim, quando lhe perguntei o porquê, ele me disse que uma irmã, proprietária de uma grande loja, havia percebido que ele só tinha uma calça e lhe ofereceu uma, que por sinal, ela nunca havia conseguido vender, por ser muito grande e feia. Olhe aí, o marketing do diabo dando certo novamente. 

Jesus disse para os seus discípulos "...se alguém os recebe a mim me recebe...", "aquele que der um copo de água fria..." (muito difícil naquele época), não perderia o seu galardão. Jesus disse também: "nada leveis pelo caminho... por que digno é trabalhador de seu salário". Neste contes o Senhor disse que eles deveriam comer o que fosse colocado na mesa, mas as pessoas, pelo menos os crentes deveriam colocar na mesa o mesmo que colocam para se mesmos. Na verdade todos nós deveríamos receber o missionário como recebemos a Jesus. Visto que neste mesmo texto Ele disse que se alguma casa ou cidade não os recebessem, que haveria menos rigor para cidade de Sodoma e Gomorra no dia do juízo do que para os tais (Mateus 10). Opa! Essa palavra não é para nós, visto que somos filho do Rei, e vivemos na graça. Mas o nosso Deus faz acepção de pessoas?

Na prática o que vemos é o seguinte: O que não presta? Doe para missões. Está velho demais? O missionário reaproveita. Quebrou? Dê para o filho do missionário. Rasgou? A missionária remenda e usa. 
Uma atitude ou um pensamento assim agride, ofende e desonra a santidade de Deus, Ele deu seu único filho por essa obra, Jesus deu sua vida para torna-la possível e nós não podemos desvalorizá-la ao ponto de nossa oferta ser uma vergonha diante dos céus. Quer abençoar um missionário, dê algo novo ou em perfeitas condições de uso, lembre-se, sua contribuição é uma excelente régua para medir seu compromisso. e com a medida com que medires Deus te medirá também e ainda acrescentará outro tanto (Lc. 6.38; Mc. 4.24)

Conclusão:

 Como uma pessoa não pode gostar de fazer aquilo que  Jesus fez, e usou para que ela fosse salva. Se você hoje esta em Cristo é por Ele usou uma pessoa  para te evangelizar, usou pessoas para interceder por você etc.
Uma pessoa que não gosta de evangelizar precisa rever o seu conceito como cristão. Por que para o que os cristãos acham que jesus nos mantem aqui depois que somos salvos, para sermos abençoados? NÃO!!!! É para ganhar almas.
Pense: Se Paulo não gostasse de evangelizar, e os demais irmãos, como almas seriam regatadas visto que os anjos foram proibidos de Realizar essa Obra.
Uma Igreja que não é evangelística não é Igreja. Para isso O Filho de Deus colocou a Igreja aqui na Terra, para derrubar as portas do inferno e resgatar as almas que estão cativas lá, e a Igreja prevalecerá. Disse Jesus. Aleluia!!! Glórias a Deus!!!


Nenhum comentário:

Postar um comentário