terça-feira, 10 de julho de 2012

Doutrina






Introdução:


"E aconteceu que concluindo Jesus esse discurso, a multidão se admirou da sua doutrina, por que ensinava com autoridade e não como os escribas. Mateus 7.28"
"Jesus respondeu e disse-lhes: A minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou. Se alguém quiser fazer a vontade dele, pela mesma doutrina, conhecerá se ela é de Deus ou se eu falo de mim mesmo. João 7.16,17.
"E o sumo sacerdote interrogou Jesus acerca de seus discípulos e da sua doutrina. Jesus respondeu: Eu falei abertamente ao mundo; eu sempre ensinei na sinagoga e no templo, onde todos os judeus se ajuntam, e nada disse em oculto. Para que me perguntas a mim? Pergunta aos que me ouviram o que é que lhes ensinei; eis que eles sabem o que eu lhe tenho dito.” João 18. 19-21.


Então o sumo sacerdote enviou representantes até você perguntando: Você é discípulo de Jesus? Ele está preso lá no templo e para que ele seja solto precisamos de alguém que responda. O que Jesus tem ensinado? Qual a sua doutrina?
O triste é saber que a maioria dos seus seguidores vai responder igual a Pedro
"Porém ele negou-o, dizendo: Mulher, não o conheço. Lucas 22.57


Umas das maiores necessidades da presente data, no seio das Igrejas são de termos uma base bíblica sólida, doutrinária ou teológica para a fé cristã.
É de suma importância que a teologia ou doutrina bíblica encontre o lugar que ela merece nos sermão, na educação e na vida cristã, de tal forma que as pessoas possam não só entender o ensino das escrituras, ou seja, a doutrina básica do evangelho de Cristo como colocar-los em prática para o seu desenvolvimento espiritual.


1. A natureza da doutrina bíblica:


"Doutrina" (sig. ensino ou instrução), pode-se afirmar assim: Doutrina é o estudo das verdades fundamentais da Bíblia disposta em forma sistemática, este estudo é chamado comumente de "teologia", ou seja, um tratado ou um discurso racional acerca de Deus.


Doutrina é a formulação teológica que tenta proporcionar uma declaração resumida dos ensinos fiel das escrituras, sobre um tema teológico particular. Doutrina significa literalmente ensino normativo, terminante, como regra de fé e prática.




2. O valor da doutrina:


 2.1. Há uma tendência em certos meios de não somente procurar diminuir o valor dos ensinos doutrinários, como também de dispensá-lo completamente, como sendo desnecessários. Esse ensino deve ser desdobrado em pormenores e embasado com a apropriada referenciação bíblica. Ela é chamada de "a sã doutrina" (Tt 2.1). 
A falsificação da doutrina ocorre quando se formula doutrina antibíblica, se perverte a sã doutrina com falsa base em textos bíblicos mutilados e quase sempre isolados do seu contexto. Isso é distorção, aberração, adulteração, desvio, inovação e trucagem das verdadeiras doutrinas bíblicas.
O surgimento cada vez maior de doutrinas falsas é um sinal dos tempos (1Tm 4.1; 2Pe 2.1; 1Jo 4.1; Cl 2.22; Mt 24.11 e 15.9). 




2.2. A importância da doutrina.


2.2.1.  A importância da doutrina para a igreja do Senhor.
• A importância da doutrina para igreja fica evidente nestes textos (Mt. 28.19; 2Tm. 2.2; 1Tm. 3.14,15; 1Co. 14. 26).
• a demais benefícios da doutrina para igreja, veremos na sua importância para o líder, os membros e para sociedade.


2.2.2. A importância da doutrina para o líder evangélico:
• O conhecimento, a pregação e o ensinamento doutrinário, suprem por parte do líder (Pastor, dirigente, responsável por departamento etc.), a necessidades de haver uma declaração autoritária e dogmática dos ritos, conduta e objetivos na igreja.  “... Se vocês guardarem as minhas palavras eles também guardarão a vossa."  João 15.20. “Retendo firme a fiel palavra da verdade, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar com a sã doutrina como para convencer os contradizentes Tito 1.9”.


Foi o exemplo que Jesus nos deixou.
“Eu não posso de mim mesmo fazer coisa alguma. Como ouço, assim julgo; e o meu juízo é justo, porque não busco a minha vontade, mas a vontade do Pai que me enviou.”  João 5:30
“Jesus lhes respondeu, e disse: A minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou. Se alguém quiser fazer a vontade dele, pela mesma doutrina conhecerá se ela é de Deus, ou se eu falo de mim mesmo.”  João 7:16-17
“Porque eu não tenho falado de mim mesmo; mas o Pai, que me enviou, ele me deu mandamento sobre o que hei de dizer e sobre o que hei de falar.”  João 12:49


Devemos todos, líderes ou não, sermos como o Apostolo Paulo, e não ir além do que estar escrito. “E eu, irmãos, apliquei estas coisas, por semelhança, a mim e a Apolo, por amor de vós; para que em nós aprendais a não ir além do que está escrito, não vos ensoberbecendo a favor de um contra outro.” 1Coríntios 4:6. Ou seja, o Apostolo Paulo nunca quis colcar outro fundamento além do que já tinha sido posto, que é Jesus Cristo. “Segundo a graça de Deus que me foi dada, pus eu, como sábio arquiteto, o fundamento... Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo.” 1Coríntios 3:10-11. 


Ele além de não querer por outro fundamento, não queria construir o seu ministério, estratégias, visão, se não fosse de acordo com o alicerce, de acordo com este fundamento. “Segundo a graça de Deus que me foi dada, pus eu, como sábio arquiteto, o fundamento, e outro edifica sobre ele; mas veja cada um como edifica sobre ele.  1 Coríntios 3:10b. E não só isso além de Paulo não poder por outro fundamento, e ter construído de acordo com este fundamento, sem acrescentar ou diminuir, o material que ele usou, ou seja a qualidade da sua obra  foi a melhor, como pedras preciosas, por  ele sabia que só assim sua obra seria aprovada. “E, se alguém sobre este fundamento formar um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, A obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um. Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão. Se a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo. ”1 Coríntios 3:12-15
O apostolo Paulo deu um testemunho acerca dos judeus que nós deveríamos ficar atentos. “Porque lhes dou testemunho de que têm zelo de Deus, mas não com entendimento.”  Romanos 10:2
“Eles têm zelo por vós, não como convém; mas querem excluir-vos, para que vós tenhais zelo por eles.” Gálatas 4:17.


Obs. Muitos lideres afirmam que as coisas mudaram, que o tempo hoje são outros e que por isso fica muito difícil não aceitar e não se adaptar aos apelos modernos e manter uma igreja na "doutrina bíblica" é quase impossível.
"Nunca digas: Por que razão foram os dias passados melhores do que estes; porque não provém de sabedoria esta pergunta." Eclesiaste 7.10.


• O que eles ignoram é que os tempos nunca foram favoráveis para o evangelho, por isso eles mataram o autor da vida e perseguiram  e perseguem a Igreja de Cristo até hoje.
• O que eles ignoram é que os Apóstolos sempre enfrentaram um problema seriíssimo de imoralidade, idolatria, agnosticismo, legalismo etc. inclusive na igreja. 
Milhares de pessoas se converteram ao mesmo tempo, e cada dia o Senhor acrescentava centenas e centena de pessoas a igreja, dá para imaginar que loucura foi isso, como essas pessoas vieram com todas as suas manias e costumes como eles se comportaram diante dessa situação.
"De sorte que foram batizados, os que de bom grado receberam a palavra, e naquele dia agregaram-se quase três mil almas. E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão e no partir do pão, e nas orações." Atos 2.42,43.


Vejam os problemas que Paulo enfrentou na Igreja de Coríntios, por exemplo, havia naquela igreja ao mesmo tempo divisão, incesto, imoralidade sexual, idolatria e avareza, sacrilégio etc. Tudo isso porque em uma sociedade tão mergulhada na imoralidade, na filosofia e na idolatria, que em Coríntios havia mais de mil prostitutas a disposição no templo, até as mulheres casadas pelo menos uma vez na vida se prostituiam como culto, e aquele povo consideravam socialmente aceitável que os homens tivessem uma prostituta particular. Os cultos pagãos daquela época, ao deus da fertilidade aconteciam com muitas bebida e bacanal e muitos participavam.
E foi doutrinariamente que os apóstolos combateram os problemas que eles enfrentavam.


 Obs. 2. Uma outra coisa que eles alegam é que o foco na experiência pessoal que faz Deus se revelar, no entanto não é isso que Jesus afirma, O Divino mestre disse que quanto mais nós seguimos a sua doutrina é que Deus se revala.
“Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele.”  João 14:21 “Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada.”  João 14:23


Obs. 3. Outra coisa que eles alegam é que a doutrina divide, mas de onde vem a nossa diferença senão por falta de uma doutrina bíblica definida, e são justamente eles que dizem que a doutrina divide que deixam um rastro de divisão aonde quer que eles passem. A maioria das divisões nas igrejas é por questão ideológica, e quase nunca por questão teológica.


2.2.3. A importância da doutrina para o cristão.
• O conhecimento doutrinário é essencial para o pleno desenvolvimento do caráter cristão.
As crenças firmes produzem caráter firme, crenças bem definidas produzem convicções bem definidas (2Tm. 2.2.; Rm. 6.16; T. 1.9; 2.7,10; 2Jo. 9; 1Tm. 6.3,4).


O que vemos hoje em dia é que muitas pessoas constroem a sua teologia particular com base mais na sua experiência pessoal ou de outrem do que na palavra de Deus, colocando a experiência no mesmo nível da Palavra de Deus, e isso é um absurdo, misticismo religioso. O resultado disso existe um número enorme de Cristãos inconstantes, inseguros, supersticiosos, fracos na fé, escandalizados etc.


2.2.4. A importância da doutrina para o mundo.
Quando falamos e vivemos conforme a sã doutrina, provocamos um sentimento de admiração no povo, confesso que muitas vezes é uma mistura de admiração e ódio, mas desperta neles o desejo de saberem quem somos a quem servimos em quem acreditamos.
• Como aconteceu na época com o Senhor Jesus (Lc. 2.46-47,52; Mt. 7.28,29; Mc. 1.22; 6.2; Luc. 4.32).
• Com os discípulos (At. 2.47; 4.13; 5.13,14; Rm. 14.17,18).


3. O conhecimento doutrinário é um baluarte contra o erro (At. 20.30; Gl. 1.6,7; 2Pe. 2.1).


• Os erros doutrinários, as falsas doutrinas e o modismo evangélicos é um mal sequíssimo que precisamos estar firmes contra eles (Mt. 16.6.12; 1Co. 11.19; Ef. 6.13,14; Hb. 13.9).


3.1. Diferença básica entre doutrina e dogma.
"Doutrina" – É a revelação da verdade conforme se encontra nas escrituras.
"Dogma" – São ensinos ou declaração de homens acerca da verdade, quando apresentada em um credo, ou seja, que são. Oficialmente aceitos pela igreja.


3.2. Diferença básica entre doutrina e costume.
• Há costumes bons e maus, no entanto as genuínas doutrinas bíblicas conduzem ao bom costume (Tt. 2.6-10; 1Co. 15.33; 2Ts. 3.6).
"Doutrina" – De origem Divina, tem um alcance universal e é imutável, por isso que a palavra de Deus é atemporal e transcultural.
"Costume" – pode se entender como um ensinamento humano, com um alcançar local e temporal.
 E não pode de modo algum se imposto por alguém, mas deve ser algo comum e voluntário do homem para Deus.


3.3. Formas diferentes de doutrina.
Há pelo menos três formas de doutrina, uma ê sublime e santa, as outras são perniciosas, nocivas, prejudiciais e maléficas.


• Doutrina de Deus – (Dt. 32.1-2; Pv. 4.2; Mt. 7.28; Jo. 7.16; At. 2.42; 13.12; Tt. 1.14).
• Doutrina de homens – (Jr. 33.16; Mt. 15.9; 16.12; Cl. 2.22; Tt. 1.14).
• Doutrina de demônios (1Tm. 4.1; Mt. 13.19; Tg. 3.15; 1Jo. 4.1; 2Jo. 7).


Conclusão:


A distorção da doutrina bíblica vem em grande parte das igrejas neopentecostais e de outros grupos similares. Também vem das seitas falsas, como Ciência Cristã, Igreja Local, Igreja da Unificação, Igreja Messiânica, Testemunhas de Jeová, Mormonismo, Tabernáculo da Fé, Voz da Verdade, Igreja "Só Jesus" etc. 


Grande parte dos falsos ensinos está relacionada às operações, ministérios e manifestações do Espírito Santo. Escrevendo a Timóteo, o apóstolo Paulo falou sobre os desviados da doutrina (2Tm 2.18; 4.4). 



Prof. L. C. Soares.




Um comentário:

  1. Igrejas tradicionais pentecostais fazem dos costumes a porta do céu,não importa o fruto do espirito mas o fruto do exterior palito,gravatas,combinações etc.são sinais de santidade um dos primeiros requisitos para chegar até a presença de Deus,falo com convicção porque infelizmente fui treinado e robotizado nesse farizaismo,hoje considero como esterco todo o aprendizado que recebi sobre costumes sem contar que foram criados com versículos isolados e experiencias de humanas.Somos ocidentais a doutrina é uma só mas os costumes são vários,não podemos obrigar as pessoas a trajarem de acordo com a minha opniao de santidade,paulo escreve a igreja no dia da ceia que cada um examine a si próprio,em outra ocasião portanto vede prudentemente como andais,nesse versículo o sentido esta deixando para própria pessoa autoexaminar,e não ser bitolado no que deve vestir ou comer,no meu caso a nossa igreja impunha o uso e costume com risco de se não obedecerem seriam disciplinados ou excluídos,sinto nojo disso só em recordar que ja fui fariseu!Graça e paz.

    ResponderExcluir