segunda-feira, 17 de março de 2014

A Bíblia é necessária para o conhecimento exato da vontade de Deus


Qualquer pessoa quando nasce tem algum conhecimento da vontade de Deus através de sua consciência. Mas este conhecimento é muitas vezes indistinto e só pode lhe dar certeza da existencia de Deus emuito pouco e fragmentado da sua  vontade. Na verdade, se não houvesse palavra de Deus escrita, não poderíamos estar certos quanto à vontade de Deus por outros meios, tais como a consciência, o conselho dos outros, o testemunho interior do Espírito Santo, as circunstâncias em mudança, e o uso de raciocínio santificado e do senso comum.Tudo isso pode nos dar uma aproximação com a vontade de Deus de maneira mais ou menos confiável, mas esses meios só não pode atingir qualquer certeza quanto à vontade de Deus, pelo menos em um mundo decaído pelo pecado, onde distorce a nossa percepção do bem e do mal, insira raciocínio defeituoso no nosso processo de pensamento, e fazer-nos de vez em quando para suprimir o testemunho da nossa consciência ( [Cf.Jer 17:9, Romanos 2:14-15, 1 Coríntios 8:10, Hb 5:14, 10:22; também 1 Tm 4:2, Tito 1:15)].

Na Bíblia, ainda temos demonstrações claras e definitivas sobre a vontade de Deus. Deus não revelou todas as coisas, mas tem revelado suficiente para conhecer a sua vontade: "As coisas encobertas pertencem ao Senhor nosso Deus, mas as reveladas pertencem a nós ea nossos filhos para sempre, obedecer a todos palavras desta lei "(Deuteronômio 29:29).Como era no tempo de Moisés, eo mesmo com a gente agora, Deus revelou suas palavras para nós obedecer às suas leis e, portanto, fazer a sua vontade. Aqueles que são "irrepreensíveis" diante de Deus são "aqueles que andam de acordo com a lei do Senhor" (Salmo 119:1). O homem "feliz" não é seguir a vontade dos ímpios (Sl 1:1), mas se deleita "na lei do Senhor" e medita sobre a lei de Deus "dia e noite" (Salmo 1: 2). Amor de Deus (e, portanto, agir de uma maneira que agrada a ele) é "manter os seus mandamentos" (1 João 5:3). Para ter um certo conhecimento da vontade de Deus, então, devemos tentar fazê-lo através do estudo da Bíblia.

Na verdade, em certo sentido, podemos dizer que a Bíblia é necessária para o verdadeiro conhecimento de nada. O filósofo poderia argumentar da seguinte maneira: O fato de que não sabemos tudo o que não requerem segurança quanto à pretensão de saber tudo. Isso é porque todos os dados até então desconhecidos para nós poderia emergir e provar que o que pensávamos era verdadeiro é realmente falso. Por exemplo, nós pensamos que sabemos que a nossa data de nascimento, nosso nome, nossa idade, e assim por diante. Mas devemos reconhecer que é possível que algum dia podemos descobrir que nossos pais nos deram informações falsas e nosso conhecimento do "certo" é incorreto. Em relação aos eventos que eu, pessoalmente, tenho experiência, todos nós percebemos como é possível que "lembrar" as palavras ou eventos incorretamente e mais tarde vemos corrigidos para informações mais precisas. Nós normalmente temos mais certeza sobre os eventos da nossa experiência presente, enquanto ela continua presente (mas mesmo que se poderia argumentar, poderia ser um sonho, e descobrir que só quando acordamos!). Em qualquer caso, é difícil responder à pergunta do filósofo: Se você não tem todas as informações sobre o universo, passado, presente e futuro, como podemos ter certeza de que temos a informação correta sobre alguma informação?

Em última análise, só há duas soluções possíveis para este problema: (1) deve adquirir todos os dados do universo para ter certeza de que os dados não poderiam ser descobertos posteriormente mostra presente que as nossas ideias são falsas, ou (2) alguém que de fato tem todos os fatos do universo, e que nunca se encontra, poderia oferecer alguns dados reais para que possamos ter certeza de que nunca vai ser contrariada.

Esta segunda solução é, de fato, o que temos nas palavras de Deus na Bíblia. Deus sabe todos os dados que sempre existiram e que existem, e este Deus que é onisciente (sabe tudo) tem conhecimento absoluto, não pode haver quaisquer dados que ele já não conhece, e, portanto, nunca pode ser qualquer coisa mostrando que algo está errado Deus pensa. É este conhecimento espera infinita certeza do que Deus, que nunca mente, ele falou na Bíblia, em que temos dito muitas verdades sobre si mesmo, sobre nós mesmos e sobre o universo que ele fez. Não há dados pode nunca parecem contradizer a verdade eu disse isso onisciente Ser.

Há, portanto, que temos mais certeza quanto às verdades da Bíblia que lemos sobre qualquer outro conhecimento que temos.Se estamos a falar de graus de certeza de nosso conhecimento, o conhecimento que adquirimos da Bíblia teria o maior grau de certeza, se 'certo' a palavra pode ser aplicada a qualquer tipo de conhecimento humano, podemos aplicar esse conhecimento.

Este conceito de certeza do conhecimento que começa a partir da Bíblia, em seguida, dá-nos uma base razoável para afirmar a correção de grande parte do resto do nosso conhecimento. Lemos a Bíblia e achar que seu mundo ao nosso redor, a natureza humana e nos aproxima da informação que temos obtido a partir de nossas próprias experiências sensoriais do mundo ao nosso redor. Então, somos encorajados a confiar em nossas experiências sensoriais do mundo ao nosso redor, nossas observações corresponde à verdade absoluta da Bíblia, portanto, as nossas observações são verdadeiras e geralmente confiável. Essa confiança na fiabilidade global das observações feitas com nossos olhos e ouvidos é ainda confirmada pelo fato de que é Deus quem fez esses poderes e que a Bíblia nos incentiva a usá-los com freqüência (compare Provérbios 20:12: "Os ouvidos para ouvir e olhos para ver: casal bonito que o Senhor fez-los ").

Assim, o crente que toma a Bíblia como a Palavra de Deus escapa de ceticismo filosófico sobre a possibilidade do conhecimento verdadeiro com nossas mentes finitas. Neste sentido, então, é correto dizer que, para pessoas que não são oniscientes, a Bíblia é necessário ter certo conhecimento de nada.

Isso é importante para a discussão que se segue, onde dizemos que os incrédulos podem saber algo sobre Deus da revelação geral visto no mundo em torno deles.Embora isto seja verdade, devemos reconhecer que em um mundo caído o conhecimento adquirido pela observação do mundo é sempre

imperfeito e sempre sujeito a erro ou má interpretação. Portanto, o conhecimento de Deus e da criação que vem da Bíblia a ser usado para interpretar corretamente a criação que nos rodeia. Usando termos teológicos Vamos definir a seguir, podemos dizer que precisamos de uma revelação especial de interpretar corretamente a revelação geral.


Autor desconhecido


Nenhum comentário:

Postar um comentário