terça-feira, 15 de outubro de 2013

A pecaminosidade da humanidade (Rm. 1.18-3.20)

  
Introdução:

Paulo vai demonstrar a seguir que todos os homens precisam desesperadamente da justiça de Deus, por que todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus (Rm. 3), e por isso estão sobre condenação.

1. A idolatria e a depravação dos gentios (1.18-32).

Paulo começa pelos gentios a mostrar que toda humanidade esta sujeita ao pecado e afastada de Deus

1.1. Os gentios conhecem a Deus.
Como apóstolo vai demonstra que tanto gentios como os judeus estão todos debaixo da mesma condenação, e como a apóstolo vai demonstrar também que  gentios não poderão alegar que cometeram tais coisas por que não conheciam a Deus. Eles os alerta do seguinte:

1.1.1. A criação demonstra a existência de Deus (v. 20).
Ao analisarmos as coisas criadas sua predição, harmonia, o modo como os astros são sustentados, a precisão das estações do ano, a precisão harmoniosa dos organismo vivo, etc., etc.; temos nessas coisas evidencias claras da existência de Deus.
E é isto que a palavra de Deus nos informa (Sl. 19.1; At. 14.15-18; 17.17; Jr. 10.12; 32.17; 51.15).

1.1.2. A crença na existência de Deus é inerente no homem (v. 19,21).
Todas as pessoas já nascem, com a consciência, ou seja, sabendo em seu coração que Deus existe, bem como as suas exigências morais (v. 32; 2.14-15). é o que nós chamamos de consciência. 

2. Os principais erros dos gentios.

2.1. Impiedade, injustiça e detenção da verdade (v. 18).
Impiedade e injustiça – são todos pecados cometidos em todo o universo, é deixar de fazer o que é reto de acordo com a vontade de Deus.
Deter a verdade – é sustentar falsos pontos de vista ou teorias aquém das verdades bíblicas e da vontade moral do Senhor, é impedir o livre acesso a Deus ao conhecimento da verdade sobre a divindade e a moralidade de acordo com a palavra de Deus.

2.2. Mudaram a verdade de Deus em mentira (v.28a, 22,2521c).

2.3. Ateísmo (v. 20,21a).
Não glorificaram a Deus (Sl. 148.7-13; Ez. 28.2; 15.18).
São ingratos, não reconhecem que Deus é o Senhor de Tudo, e que tudo provem Dele (Tg. 1.17; Jr. 15.1; 1Co. 4.7; Sl. 103.1-6).

2.4. Idolatria (v. 23,25).
• Passaram a adorar imagem (v. 23; Dt. 4.16-18, 23; Sl.115.1-8; 135.14-17; Is. 44.9; 46.5; 1Co. 10.19-21).
• Passaram a amar as coisas criadas mais do que a Deus que é o criador (Fp. 3.19; Mt. 6.19-21).

Obs. Mesmos aqueles que se dizem ateus, muitos na verdade são idólatra, pois passaram a adorar a se mesmo, o seu eu (v. 25; Ez. 28.2,9; Gn. 3.5).

2.5. Consentimento com o mal (v. 32).
• Aprovam, sentem prazer e se divertem com a prática imoral dos outros, incentivam e levam os outros a fazerem (Sl. 50. 18).

3. Os gentios sob condenação.

3.1. Estão Debaixo da ira de Deus (Rm. 1.18a).

• Uma reação da sua Santidade em reprovação diante da impiedade (2. 5,8; 3.5; 5.9; 9.22; 12.19; 13.4,5).
• A ira de Deus é adversa a ira humana que esta sempre atrelada a vingança, hostilidade, ódio e paixão.
• A ira de Deus é perfeita (Sl. 95.11; Gn. 22.16), e acha-se relacionada ao seu amor, justiça e santidade (Tg. 1.20; Dt. 32.39; Sl. 7.11).

3.2. Deus os consideram inescusáveis, ou seja, sem desculpa (Rm. 1.20c).

Deus considera tanto gentios como judeus indesculpáveis  sem condição de alegarem ignorância diante Dele (2.1).

3.3. Deus os levou a loucura (Rm. 1.22).

A história esta repleta de homens que se recusaram a reconhecer que O Senhor é a única fonte de sabedoria, fazendo-se sábio a seus próprios olhos, por isso ficaram literalmente loucos (Sl. 14.1; 1Co. 1.19,20; Is. 33.18; 44.25).

3.4. Deus abandonou a humanidade a sua imoralidade sexual.

• Os entregou a concupiscência (v.24).
Obsessão por prazeres sexuais proibidos, sentimentos pervertidos, que degradam o corpo gerando toda a espécie de doença) (1Ts. 4.4; 2Co. 12.21; Gl. 5.19; Ef. 5.3).

• Deus os entregou as paixões infames (v.26).
Desejo impuro, prática homossexual e outras torpezas (v.27; 1Co. 6.19,10; Lv. 18.22; 20.13; Jz.19.22-25).

•Deus os entregou a sentimento perverso (v.28).
Práticas reprováveis, vícios, sentimento perverso (v. 29-31; 1Co. 5.10-11; 6.9,10; Gl. 5.19, Ef. 5.3-5), que procede do interior do homem (Mc. 7.21-23).

4. A impiedade dos Judeus e a justiça de Deus (2.1-29).

Os judeus se consideravam em uma situação privilegiada em relação aos gentios, por terem a lei de Moisés, e por isso se achavam com o direito de julga-los, porém o apóstolo Paulo vai demonstrar que eles se entregaram as mesmas práticas dos gentios.

4.1. A pecaminosidade do Judeus

• Os judeus receberam a lei de Deus mas não as guardaram.
(Rm. 2.17-20,23,25a; 3.1-3a), (Mt. 23.1-31; At. 7.53).

• Os judeus cometeram sacrilégio (2.22b).
Eles profanaram, ultrajaram, as pessoas, os ritos, objetos e lugares sagrados (Mt. 23.1-31).
Obs. Vejamos isso claramente no livro de Malaquias.

• Os judeus cometeram os mesmos pecados que os gentios (2.1,3, 21,23).
Eles cometeram os mesmos pecados sexuais e idólatra que os gentios.

• Os judeus julgavam injustamente.
Eles julgavam tendo o mesmo defeito, e procuravam erros nos outros, para justificarem a se mesmo a passarem por cima dos seus próprios defeitos, isso tudo para se auto justificarem nos outros (v.3; Mt. 7.1-5; Jo.7.24; Gl. 6.12,13).

• Dureza de coração.
(2.5; At. 7.51).

• Os judeus deram mal testemunho (2.24).
O pecado dos judeus deram motivos para que os gentios blasfemassem do nome de Deus. Do mesmo modo o pecado dos crentes dão motivo para que os gentios blasfemem do bom nome de Deus (2Sm. 12.13,14; Is. 52.5).

4.2. Os judeus sob condenação.

• Passaram a ser tratados por Deus como incircunciso (2.25-29).
Sua circuncisão passou a não ter mais valor.

•Os judeus serão julgados como gentios
(2.1-3,5,6,11).

5. Todos os homens estão debaixo do pecado.

Toda a humanidade esta sob condenação, por que a pecaminosidade é universal.

5.1. A necessidade é universal.

• Não havia ninguém que entendesse (3.11a).
Ignorância, afastamento do conhecimento de Deus.

• Não havia ninguém que buscasse a Deus (3.11b).
Diz respeito a adoração ao culto a Deus, todos se tornaram idolatras.

•Estavam todos extraviados (3.12a).
Todos se tornaram corruptos sem valor e sem dignidade.

• Não havia ninguém que fizesse o bem (3.12b).
São o caminho de pecado, a extinção moral da humanidade (3.13-17; Sl. 14.1,3).

• Não havia em ninguém temor (3.18).
Soberbos, altivos de espírito, acreditando que não haverá resposta para a sua imoralidade (Sl. 36. 1-4; 73. 6-11).

• Não há um justo sequer (3.10).
Todos foram pelo caminho da impiedade (Sl. 14.1-3; Ec 7.20; 1Rs. 8.46; 53.1).

5.2. O mundo estava  todo sob condenação.

• A depravação  da humanidade é total, por que todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus (3.23).

Conclusão:

Esta primeira parte da carta aos Romanos serve para nos mostrar o estado aterrorizador de violência e depravação moral que a humanidade se encontrava.
Mas serve também para mostrar de onde nós vinhemos, de que charco de lodo nós fomos tirados. E dessa forma conscientizarmos a cada crente i tamanho da graça que nos foi dispensada, e o tamanho da bondade de Deus.
E mais ainda para aqueles que ainda não reconheceram a Cristo como Senhor de suas vidas e estão presas ao pecado, que ainda estão nas trevas, que só a graça de Deus pode redimir o homem caído (Tt. 2.11,12; Ap. 22.17; Rm. 8.1).
Louvemos ao Senhor por que ele é maravilhoso. AMEM!








Nenhum comentário:

Postar um comentário