segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

A Ordem de Melquisedeque



O sacerdote rei Melquisedeque é um personagem misterioso na Bíblia. Ele aparece apenas três vezes nas Escrituras (Gênesis 14.18 a 20; Salmos 110.4; Hebreus 6.20; 7.1 a 10). 
Vejo com muita tristeza que os cristãos falam muito pouco -ou quase nada -a respeito de Melquisedeque. Se o leitor pesquisar sobre Melquisedeque no site de busca Google, encontrará milhares de referências sobre ele em sites de místicos, esotéricos, bruxas, mas em sites cristãos - na maioria das vezes - fala-se somente o básico sobre Melquisedeque. 


Quem foi Melquisedeque? 

O nome Melquisedeque é a combinação de duas palavras dos cananeus: melchi = rei, zadok = justiça (rei da justiça). Melquisedeque era rei de Salém, uma cidade de Canaã e este nome Salém significa “paz” na língua dos cananeus. O nome cananeu dessa cidade iria mais tarde fazer surgir a saudação hebraica Shalom e seu equivalente árabe, Salaam. Salém contribuiria com suas cinco letras para formar a última parte do nome Jerusalém, cujo nome significa “o fundamento da paz”. Porém, ainda mais interessante do que a cidade de Salém propriamente dita era o rei que reinava sobre ela, Melquisedeque. 

Os cananeus foram um povo famoso por seus sacrifícios de crianças, prostituição nos templos, homossexualismo legalizado e muita idolatria. Mas, o que fazia o rei da paz entre eles? Melquisedeque além de rei era sacerdote do Deus altíssimo (Gênesis 14.18). 
Segundo Don Richardson, autor do livro “O Fator Melquisedeque”, a resposta parece estar no que cada um deles representava na economia de Deus: “Melquisedeque representava a revelação geral de Deus para a humanidade; Abrão representava uma revelação especial de Deus à humanidade, baseada na aliança, conforme registrada na Bíblia. A revelação geral de Deus é superior a sua revelação especial de duas maneiras: ela é mais antiga e tem influenciado toda a humanidade (Sl 19). Assim era apropriado que Abraão, como representante de um tipo de revelação mais recente e menos universal, pagasse o dízimo de reconhecimento ao representante da revelação geral”. 

Melquisedeque é um tipo de Cristo, pertence a uma ordem sacerdotal superior a ordem levítica da lei de Moisés. A ordem levítica foi temporária, mas a ordem sacerdotal de Melquisedeque, a qual Cristo pertence, é eterna e vai além dos limites dos tempos. Melquisedeque é como se fosse o próprio Cristo reinando entre os pagãos, pois ele é uma figura do Filho de Deus: 

“...Jesus, como precursor, entrou por nós, tendo-se tornado sumo sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque”. (Hebreus 6.20) 

“Porque este Melquisedeque, rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, que saiu ao encontro de Abraão, quando voltava da matança dos reis, e o abençoou, para o  qual também Abraão separou o dízimo de tudo (primeiramente se interpreta rei de justiça, depois também é rei de Salém, ou seja, rei de paz; sem pai, sem mãe, sem genealogia; que não teve princípio de dias, nem fim de existência, entretanto, feito semelhante ao Filho de Deus), permanece sacerdote perpetuamente”. (Hebreus 7.1 a 3) 

Uma coisa interessante é que Abraão ao encontrar-se com Melquisedeque aceitou o título “Deus Altíssimo” usado por ele, e o identificou com o “Senhor” (Gênesis 14.22). Assim Abraão deu testemunho do Deus único e verdadeiro, a quem Melquisedeque dizia ser servo, e provavelmente Abraão já tinha ouvido falar acerca desse sacerdote de Deus. 
A palavra Deus Altíssimo no hebraico é El Elyon. Segundo o comentário da Bíblia de Estudo Almeida “El Elyon era o deus supremo dos habitantes da Jerusalém pré-israelita. Ao identificar essa divindade com Javé, o SENHOR, Deus de Israel, o texto bíblico quer mostrar que Abrão, o pai do povo judeu, e Melquisedeque, um rei e sacerdote não-israelita, veneravam sob nomes diferentes o mesmo Deus criador”.

Essa diferença entre os nomes de Deus -um deles usado no paganismo -não afetou  Abraão em nada. Se Abraão fosse cheio de orgulho, arrogância e altivez como muitos no meio cristão, ele diria: “Um momento Melquisedeque! O nome correto do Deus 
Altíssimo é El Shaddai (Deus Todo-poderoso) e não El Elyon! Além disso, não posso aceitar uma benção oferecida sob esse nome cananeu El Elyon, visto que todo conceito cananeu deve estar tingido de noções pagãs como a idolatria. Além do mais, Javé me disse que Eu é que deverei ser uma benção e abençoar todas as famílias da terra, inclusive Vossa Majestade. Não está se achando presunçoso ao abençoar-me?”.  Pelo contrário, Abraão agiu diferente lhe entregando o dízimo dos despojos da  guerra vencida contra os cinco reis. Abraão agiu com humildade mesmo sendo detentor das promessas de Deus, pois é em Abraão que todas as famílias da terra foram abençoadas, mas isso só foi possível por causada humildade de Abraão e por que ele foi abençoado por um dos sacerdotes de Deus da época, visto que Abraão é mencionado como profeta, mas nunca como sacerdote. Através dessa humildade, Abraão reconheceu a superioridade de Melquisedeque: 

“Considerai, pois, como era grande esse a quem Abraão, o patriarca, pagou o dízimo tirado dos melhores despojos. Ora, os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm mandamento de recolher, de acordo com a lei, os dízimos do povo, ou seja, dos seus irmãos, embora tenham estes descendido de Abraão; entretanto, aquele cuja genealogia não se inclui entre eles recebeu dízimos de Abraão e abençoou o que tinha as promessas. Evidentemente, é fora de qualquer dúvida que o inferior é abençoado pelo superior. Aliás, aqui são homens mortais os que recebem dízimos, porém ali, aquele de quem se testifica que vive. E, por assim dizer, também Levi, que recebe dízimos, pagou-os na pessoa de Abraão. Porque aquele ainda não tinha sido gerado por seu pai, quando Melquisedeque saiu ao encontro deste”. (Hebreus 7.4 a 10) 

Observem uma coisa, Provavelmente o povo a qual o rei Salém pertencia, não era um povo tão mergulhado no paganismo  idolatria e imoralidade sexual, isso pode ter ocorrido com a ausência de seu Rei, visto que Melquisedeque saiu de seu palácio para encontra abraão antes de ele ter nascido "Porque aquele ainda não tinha sido gerado por seu pai, quando Melquisedeque saiu ao encontro deste". (Hebreus 7.10) 

Sugiro ao leitor que leia todos os textos bíblicos relacionados à Melquisedeque, principalmente nas referências de Hebreus.

Abraão e o Misterioso Melquisedeque 

“...sem pai, sem mãe, sem genealogia; que não teve princípio de dias, nem fim de existência, entretanto, feito semelhante ao Filho de Deus), permanece sacerdote perpetuamente”. (Hebreus 7.3) 

Se compararmos ambos os personagens, veremos que Abraão possui uma FÉ VISÍVEL e Melquisedeque, por sua vez, uma FÉ INVISÍVEL. 

6 comentários:

  1. Muito bom Luiz !!! Seu amigo, Jorge Macieira (Junior Z)

    ResponderExcluir
  2. Então Jesus Cristo seria apenas um dentre os Sacerdotes de Deus?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não Ele é O Sacerdote, Melquizede foi quem serviu de figura para indentificarmos quem seria esse Sacerdote Eterno

      Excluir
    2. Imagine vc vivendo naquela época, como vc aceitaria um homem como sendo um sacerdote se ele não era da linhagem de Arão, vc como conhecedor das escrituaras saberia que isso seria possivel se ele fosse sacerdote segundo a ordem de melquizedeque.

      Excluir
    3. Mas só um poderia exercer essa sacerdocio segundo esta ordem O Messias, quando esse sacerdote viesse seria ele o messias, quando o messias viesse Ele seria aqui na terra : Um Sacerdote Eterno (pq sempre existiu e sempre foi Sacerdote, Jesus é o mesmo); segundo a ordem de Melquizede (sem genealigia, sem ser consagrado por homens etc.).

      Excluir