quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Historia de Pastor, Não é Parábola ( O que é uma parábola).



 Tudo isto disse Jesus, por parábolas à multidão, e nada lhes falava sem parábolas;
Para que se cumprisse o que fora dito pelo profeta, que disse: Abrirei em parábolas a minha boca; Publicarei coisas ocultas desde a fundação do mundo. 
Mateus 13:34-35

INTRODUÇÃO:                                                                                                    

Pastor pregando.
Muitos pastores e pregadores contam ilustrações e historinha nos púlpitos comparando as mesmas com a parábolas de Jesus, e isto e um absurdo. Não estou dizendo com isso que ilustrações não devem ser
contadas, mas que essas comparação não deve ser feita, e as fontes devem ser investigadas. QUANDO ELES PASSAM TEMPO CONTANDO AS SUAS EXPERIENCIAS PESSOAIS ENTÃO É MELHOR NEM COMENTAR PÁRA NÃO CORRE O RICO DE SERMOS GROSSALHEIROS.


Meditaremos neste estudo nos incomparáveis ensinamentos encontrados nas parábolas de Jesus. Que até hoje revela-nos publicamente os grandes mistérios do reino de Deus que em há tempos esteve oculto desde a criação do mundo.

1.    O que é uma parábola?

     São pequenas narrações alegóricas que a partir do cotidiano comum faz comparações com coisas que são novas e estão alem do nosso entendimento (Ez. 17:2; Mc. 4.30), nos ensinando ricas e profundas lições espirituais (Mc. 4:2)


    1.1. O que as parábolas não são:

   As parábolas não podem ser confundidas com outras figuras de linguagem como:

smilinguido 
    “símile” – são comparações de coisas semelhantes e pode apropriar-se de comparações de qualquer gênero ou classe de objetos, uns reais e outros imaginários.
    A parábola está limitada ao seu raio de ações e reduzida a coisas reais, suas narrações correspondem a  verdades, atos e experiências da vida humana.
            
            prosopopeias – são figuras que dão vida às coisas inanimadas e voz as pessoas ausentes e animais como as fábulas: Aves e árvores falantes , feras e árvores reunidas em concílio etc.
             As parábolas por mais que em alguns casos use figuras inanimadas para representar coisas animadas, como pessoas e nações, elas são citadas inanimadas, e as parábolas também não dão vos a pessoas ausentes.

            “enigmas” – são coisas difíceis de compreender, adivinhos e coisas obscuras.
            Já Jesus não usa desses recursos em suas parábolas pelo contrário, elas servem para revelar verdades para um grupo de pessoas (os que possuem introspectiva espiritual “os pequeninos”), já para outros grupos ocultá-las (os que se acham sábios e grandes) mas não é enigmático.


2. Qual o objetivo das parábolas de Jesus?

     O objetivo da parábola está relacionado ao significado do  próprio termo, ou seja, colocar uma coisa ao lado da outra para comparar, portanto, quando Jesus ensinava usando parábola, pretendia comparar um episódio do cotidiano com uma realidade espiritual .


·        Jesus quando usava essas ilustrações tinha dois objetivos:

    DIDÁTICO: Para alcançar as ovelhas perdidas , falava-lhes das coisas terrenas, mostrando-lhes com toda clareza as coisas celestiais.

    TEOLÓGICO: Formando a primeira geração de conhecedores dos mistérios do reino de Deus, assim, Jesus alcançava seus ouvintes, comparando as coisas celestes com as terrestres, a fim de que estas esclareçam aquelas.


   3. Porque Jesus ensinava por parábolas?

     Para revelar coisas ocultas desde a fundação do mundo (Mt. 13.34,35).
Para esclarecer os mistérios do reino de Deus aos pequeninos e humildes e ocultar esses mesmos mistérios dos sábios e inteligentes, daqueles que se julgavam mestres (Lc. 10:21; Mt. 11.25,26).
Para colocar interesse na multidão em aprender a Palavra (Lc 8.4).
Para que o povo continuasse lhe ouvindo (Mt. 13.31; 21.33).
Para confrontar os escribas e fariseus e aqueles que confiavam em se mesmo (Lc. 18.9; Mc. 12.12; 

   4. Como interpretar as parábolas de Jesus?

    As parábolas por terem um recurso educacional podem e devem ser aprendidas (Mt 24:32) e o importante é que se aprenda todas as parábolas (Mc. 4:13). As parábolas não são difíceis de serem interpretadas, basta seguirmos os seguintes passos.


a)     Buscar a verdade (os as verdades) que a parábola ilustra, como parábola das
ovelhas e da dracma perdida (Lc. 15:4,8).
        Verdade de o texto: Buscar o quê se havia perdido.


b)      Ater-se à essência da parábola, ou seja, aos traços principais e não propriamente ao cenário, não podemos procurar em cada elemento da parábola um significado espiritual.
          Ex: Na parábola do filho pródigo, devemos considerar o Pai , o Filho mais novo e o Filho mais velho, por conseguinte, não podemos nos preocupar em achar significado espiritual para os porcos e as bolotas, que estes comiam, etc.



c)  Jamais se esquecer que as parábolas, servem para ilustrar doutrinas e não para estabelecê-las, infelizmente não são poucos os intérpretes que se esquecendo disso aparecem com ensinamentos estranhos da palavra de Deus.    

Conclusão:


É a vontade de Jesus que soubéssemos todas as parábolas e seus significado. "E disse-lhes: Não percebeis esta parábola? Como, pois, entendereis todas as parábolas?" 
Marcos 4:13  


Parábola do Semeador 

Nenhum comentário:

Postar um comentário